A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
CURA
DR/Ritz Four SeasonsA sala durante o dia, bastante mais iluminada do que durante as refeições

Restaurantes com estrela Michelin em Lisboa

Com a entrada do Cura, há agora 13 restaurantes na Grande Lisboa a ostentar a estrela do mais importante guia gastronómico do mundo.

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Não foi a noite que se esperava, mas foi ainda assim melhor do que a edição anterior quando apenas dois restaurantes saíram premiados (o 100 Maneiras, de Ljubomir Stanisic, e o Eneko, do basco Eneko Atxa, ambos em Lisboa). Na gala de 2021 do Guia Michelin para Portugal e Espanha, que aconteceu em Valência, foram cinco os restaurantes portugueses a conquistarem uma estrela. O maior destaque vai para o restaurante da Herdade do Esporão, em Reguengos de Monsaraz, liderado pelo chef Carlos Teixeira, que não só conquistou a primeira estrela como venceu uma estrela verde, pelo compromisso com a sustentabilidade. Em Lisboa, só o Cura, no hotel Ritz, do chef Pedro Pena Bastos foi distinguido nesta edição. A boa notícia é que nenhum dos anteriores perdeu a estrela. No total há agora 13 restaurantes na Grande Lisboa que podem, com orgulho, ostentar a estrela do mais importante guia gastronómico do mundo. 

Recomendado: Os melhores novos restaurantes em Lisboa

Restaurantes com estrela Michelin em Lisboa

  • Restaurantes
  • Haute cuisine
  • São Sebastião

Pedro Pena Bastos está no Ritz desde 2020, quando abriu portas o Cura, o restaurante que, apesar de estar integrado no hotel, tem porta directa para a rua. Aqui, o chef honra o produto e a tradição portuguesa, à semelhança do que já vinha fazendo e chamando à atenção no Esporão, onde esteve três anos, e no Ceia, um restaurante na Graça que recebeu boas críticas, mas que acabou por não vingar depois da saída do chef em 2019. Com projecto da autoria de Miguel Câncio Martins, o Cura é um espaço clássico que não obriga a falar baixinho, alternando madeiras, pedras e tapetes, tudo colorido e luminoso. A cozinha, em fundo, é aberta e deixa-nos perceber o ritmo do serviço e quem a faz. A melhor forma de conhecer o trabalho do chef é através de um dos menus de degustação, como o Meia Cura (105€) ou o vegetariano Raízes (85€). Para os mais ambiciosos, o menu maior é o Origens (145€).

  • Restaurantes
  • Haute cuisine
  • Bairro Alto

O novo 100 Maneiras (re)abriu em 2019, ao lado da primeira casa do restaurante, no Bairro Alto. O ambiente é escuro, nas casas de banho ouvem-se discursos de ditadores, e tudo isso corresponde ao que se esperaria de Ljubomir Stanisic. Um ano depois de fazer renascer o restaurante, chegou a primeira estrela. O objectivo é contar histórias através dos três menus de degustação disponíveis. O primeiro, de seu nome História (140€), leva-nos às origens do chef. São 17 pratos, numa viagem física, mas sobretudo emocional. Se preferir narrativas mais curtas, fique-se por O Conto (120€), uma versão condensada do primeiro menu, explicada em 11 momentos. Por fim, tem o Ecos do 100 (125€), um menu vegetariano, num compromisso de sustentabilidade.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Alcântara

Tem o nome do chef basco que é o comandante de um dos melhores restaurante do mundo, o Azurmendi, em Espanha. Tem menus de degustação num espaço pequeno e intimista, com a comida a ser preparada e explicada aos clientes com toda a atenção. O chef executivo brasileiro Luís Bernardes  é o responsável por servir os dois menus, o Adarrak (125€ sem bebidas) e o Erroak (110€ sem bebidas). Há pairing de vinhos a 75 e 85€. A má notícia é que o restaurante está encerrado temporariamente. A boa é que deve reabrir a 3 de Março do próximo ano.

  • Restaurantes
  • Haute cuisine
  • Parque das Nações
  • preço 4 de 4

O primeiro restaurante em Lisboa de Martín Berasategui, o chef espanhol com mais estrelas Michelin, fica no topo da Torre Vasco da Gama, no hotel Myriad by Sana, e o nome faz jus à subida: do sopé até à sala demoramos exactamente 50 segundos. O nosso crítico Alfredo Lacerda explica que a experiência começa logo no estacionamento. Lá em cima, vista 360º (parte da experiência é também a visita à cozinha, que com jeitinho permitem), dois menus de degustação (175€ e 195€) para uma viagem de três horas, no mínimo, pelos clássicos de Berasategui, como o mil-folhas de foie gras com maçã verde e enguia fumada e outras criações em parceria com o chef executivo Filipe Carvalho. 

Publicidade
  • Restaurantes
  • Chiado
  • preço 4 de 4

Vincent Farges abriu, em Maio de 2018, o primeiro restaurante em nome próprio em Lisboa. Tem uma cozinha com grandes janelas viradas para o Largo da Academia Nacional de Belas Artes, térrea, e três salas distintas no interior, altas, com uma vista incrível para o rio Tejo. O chef francês descreve este como um restaurante gastronómico “depurado”. Trabalha com pequenos e grandes produtores, com uma relação de grande proximidade, e depende completamente deles – a carta tem sempre três entradas, uma com elementos de água, outra de horta e uma terceira de terra; três pratos principais, do mar ou do rio, do campo e recordações de receitas familiares; e três sobremesas, uma com chocolate, outra com fruta e uma vintage. Há dois menus de degustação: Inspirações (115€) e Epurismo (140€). 

  • Restaurantes
  • Chiado

Henrique Sá Pessoa manteve a segunda estrela no seu Alma. Neste restaurante do Chiado, o chef está cada vez mais preocupado com o produto português e com a sua valorização no prato. Tem dois menus de degustação (ambos a 145€): no Alma mostra os seus clássicos, no Costa a Costa faz uma viagem pela costa nacional e traz para a mesa a água do mar e espécies sustentáveis.

Publicidade
  • Restaurantes
  • Japonês
  • Sintra
  • preço 4 de 4

Ao fim de 25 anos, o Midori mudou. E essa mudança valeu ao chef Pedro Almeida a primeira estrela Michelin na edição de 2019. Durante o primeiro ano de vida do Midori 2.0 (dos cento e muitos lugares ficaram apenas 18, num ambiente mais intimista), o chef afinou pratos e todos os meses criou um novo menu de degustação, o que resultou em mais de 200 pratos. Agora há duas opções finais de menu de degustação, o Kiri (oito momentos/115€) e Yama (10 momentos/145€). 

  • Restaurantes
  • Português
  • Chiado

Com duas estrelas Michelin, o Belcanto é o laboratório onde José Avillez aplica todas as suas técnicas de alta cozinha. Tem uma cozinha onde se trabalham produtos de luxo e se reinventam algumas tradições portuguesas. No início de 2019 mudou para umas portas ao lado da localização inicial, ganhando mais 15 lugares. Há dois menus de degustação: o Evolução (195€) e o Belcanto (175€). 

Publicidade
  • Restaurantes
  • Estrela/Lapa/Santos

Alexandre Silva continua LOCO e firme com a sua estrela Michelin. No restaurante da Rua dos Navegantes, bem perto da Basílica da Estrela, há uma experiência total, da comida ao serviço, apenas para 20 sortudos de cada vez (agora ainda menos), com conjugações surpreendentes: já lá teve sardinha assada com melancia ou gelado de pêra, camomila e miso. Aventure-se no Menu LOCO (16 momentos/125€).

  • Restaurantes
  • São Sebastião

Joachim Koerper é a cabeça do restaurante estrelado desde o primeiro dia. É um defensor acérrimo da sazonalidade e não há estação em que a ementa não receba um extreme makeover, sempre surpreendente. Pode almoçar e jantar à la carte, atirar-se a um menu de degustação (120€-150€) ou perder a cabeça e pedir o menu lavagante, com o marisco presente do princípio ao fim (185€). Peça uma das mesas junto à janela e aproveite aquela que é uma das melhores vistas sobre Lisboa.   

Publicidade
  • Restaurantes
  • Cascais

A cozinha da Fortaleza do Guincho mantém a estrela Michelin desde 2001. Tem uma carta mais virada para o mar e assente na sazonalidade. Em Novembro de 2018, depois da saída de Miguel Rocha Vieira, o sous chef Gil Fernandes subiu de posição e ficou a comandar a Fortaleza. Vale a pena experimentar o Menu de Degustação (99€) e Menu Experiência (139€).

  • Restaurantes
  • Pan-asiático
  • Belém

A estrela Michelin deve-a à cozinha competente e sem falhas do chef João Rodrigues (que, em boa verdade, merece a segunda estrela há uns anos). A ementa é, como manda o figurino, feita de sabores tradicionais e influências externas, confeccionadas ao detalhe com produtos de época. Há dois menus, com uma versão vegetariana cada (95€-140€).

Publicidade
  • Restaurantes
  • Sintra

O chef catalão Sergi Arola abriu no Penha Longa Resort, em Sintra, uma espécie de laboratório com vista para o campo de golfe do hotel. À mesa há muitas influências espanholas pontuadas com ideias de outras paragens, o que se vê facilmente nas suas icónicas loucuras – uma espécie de pijaminha refinado de entradas que faz par com outro pijaminha refinado de sobremesas. O Menu Pela Serra Dentro (115€) é uma forma de se aventurar, mas se se quiser alongar experimente o Menu Pela Serra Fora (145€).

Novidades em Lisboa

  • Restaurantes
  • Italiano

Do risotto e das pizzas em forno de lenha à massa fresca, não esquecendo a burrata, o tiramisù e as bebidas típicas, como o limoncello, o aperol ou o negroni. Os portugueses ainda dizem "ciao" e "prego" à gastronomia vinda de Itália, que continua a ser uma das favoritas e indispensáveis na oferta da cidade. Prova disso são os vários restaurantes italianos em Lisboa que apareceram nos últimos tempos e aos quais não faltam clientes, ansiosos por uma boa dose de hidratos de carbono.

  • Restaurantes
  • Japonês

A vida retoma a (quase) normalidade e as novidades gastronómicas sucedem-se em Lisboa. Nos últimos meses, apareceram na cidade e arredores novos restaurantes japoneses que prometem dar que falar – na verdade, alguns já têm dado e a prova disso é a dificuldade em arranjar mesa. Há propostas arrojadas onde reina a fusão e casas onde manda a tradição, sem grandes espalhafatos. Há preços em conta, mas também contas que podem pesar mais porque os restaurantes não são todos iguais – e ainda bem que assim é.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade