Os melhores restaurantes peruanos em Lisboa

Um roteiro pelos melhores restaurantes peruanos em Lisboa para beber piscos e provar ceviches, tiraditos e causas.

Fotografia: Arlindo CamachoCeviche puro da Cevicheria

A cozinha peruana é uma das que mais curiosidade desperta na cidade: o Qosqo foi pioneiro desta gastronomia ali para os lados da Sé e o chef Kiko com A Cevicheria criou o buzz máximo em torno dos pratos do Peru.

Entretanto o grupo Portugália abriu o Segundo Muelle, o chef peruano Diego Muñoz juntou-se ao império Avillez e abriu uma Cantina dentro do Bairro e até aprendemos o que é a cozinha nikkei.

Mas há mais palavras-chave para além do ceviche que deve conhecer quando entrar num restaurante peruano (e esqueça essa ideia de ser tudo comida crua): as causas, ou causitas, são pratos em que o ingrediente principal é a batata; os tiraditos são fatias de peixe, finas, ao estilo carpaccio, mas temperadas com diferentes molhos, ají é uma malagueta com muitas variedades; anticuchos são espetadas na brasa; chicharrón são pedaços de carne ou peixe panados e os tacu tacu pastéis feitos com arroz e feijão e vários recheios possíveis. 

Pelo meio, brinda-se com pisco sours, cocktails que juntam aguardente de uva pisco com limão. 

Siga o roteiro dos melhores restaurantes peruanos em Lisboa.

Recomendado: Onde comer os melhores ceviches em Lisboa

Os melhores restaurantes peruanos em Lisboa

A Cevicheria
© Ana Luzia
1/6

A Cevicheria

4 /5 estrelas

Durante a viagem que fez pelo mundo, a cozinhar em casas de famílias, o chef Kiko Martins apaixonou-se pelo prato tradicional do Peru. Trouxe-o para A Cevicheria, um pequeno restaurante com um belíssimo balcão e um polvo gigante no tecto, onde não é possível marcar mesa. O ceviche puro com peixe branco, puré de batata-doce, cebola, algas e leite de tigre vale a espera. Há, também, ceviche de atum, de salmão ou o português, com bacalhau, polvo, puré de tremoço e creme de tomate e causas de polvo, com puré de batata preto, polvo assado, cebola, pimento padrón e courato ou a causa mista, com cavala fumada, maionese de rábano, tártaro de salmão, vieira, kimchi e wasabi. De sobremesa, prove o brownie com cremoso de chocolate, amendoim, suspiro de ají panca e banana.

Ler mais
Princípe Real
Segundo Muelle
Fotografia: Ana Luzia
2/6

Segundo Muelle

4 /5 estrelas

É uma marca franchisada trazida aos lisboetas pelo grupo Portugália. A ementa está organizada pelas diferentes raízes da cozinha peruana: começa pelos clássicos, passa para os pratos de mar, onde há quatro ceviches e dois tiraditos, o mediterrâneo, com tártaros e pulpo al carbon, o oriente, com os makis, e os crioulos, onde se destaca um dos best-sellers, o risotto de quinoa com lombo salteado. No campeonato das bebidas, além do mais conhecido pisco sour, há chilcanos, bebidas feitas também à base de pisco mas com ginger ale e sumos de lima, melancia, maracujá, laranja ou frutas do bosque.

+ Comer o mundo no 8 Building no Cais do Sodré

Ler mais
Cais do Sodré
Waka Cevicheria
©DR
3/6

Waka Cevicheria

O Waka, dos mesmos donos da Confraria, abriu em Cascais em 2016 e ganhou logo o título de primeiro restaurante de cozinha nikkei em Portugal – uma cozinha influenciada pela comunidade de imigrantes japoneses no Peru. É um restaurante pequeno, que nasceu como laboratório do Nikkei (o restaurante dentro do Vela Latina que entrou no nosso lote dos melhores novos restaurantes de 2017). A carta é pequena mas representativa desta gastronomia: nas entradas há cevichito chips, um peixe branco marinado em pimenta amarela sobre chips de batata doce (5,90€), há três ceviches, de peixe branco, polvo e camarão; atum, pepino e quinoa crocante ou salmão, que podem ser pedidos individualmente ou em trio (19,90€), tiraditos e causitas.

+ Outros restaurantes em Cascais

Ler mais
Cascais
Qosqo
4/6

Qosqo

O restaurante na Rua dos Bacalhoeiros foi o primeiro a especializar-se em gastronomia peruana, em 2012, pela mão de Gabriela Ruiz Gordon, e mantém-se forte. O ceviche é feito sempre no momento do pedido e sempre com garoupa: existe na versão clássica, misto, com camarões, polvo e lulas, frito, com molho de ají lima ou com ají amarillo. Há tiraditos de garoupa, de atum com maracujá, em versão nikkei ou de polvo com um molho de azeitona; três tipos de causas recheadas. Mas a carta permite conhecer ainda outros pratos principais característicos do Peru, como o chifita, um frago panado com panco e arroz chaufa, de influência japonesa; risotto de quinoa com verduras. Há ainda tacu tacu, uns pastéis de feijão e arroz, crocantes, que acompanham com marisco ou carne em cubos. As sobremesas também merecem referência, até porque há muitas, da bomba suspiro de limeña, um creme de leite com ovos e vinho do Porto e duas consistências, o bombom de Aguaymanto (physalis banhado em ganache de chocolate) ou o vulcão de chocolate com quinoa. 

Ler mais
Cantina Peruana
Fotografia: Arlindo Camacho
5/6

Cantina Peruana

4 /5 estrelas

O Bairro do Avillez ganhou uma Cantina Peruana no primeiro andar, no Verão de 2017. O restaurante de Diego Muñoz e José Avillez tem um pisco bar – com quatro variedades de pisco disponíveis –  e uma ementa de pratos para partilhar, dos tiraditos aos ceviches. Há pratos dos seis mundos que influenciaram a gastronomia peruana: o cru e o frio, com peixes e mariscos da costa e onde encaixam os ceviches; o brasas, com comida de rua e onde o termo a registar é o anticucho (espetadas); o frituras, com chicharrón de calamar (aros de lula frita) ou de gamba em tempura (gambas em tempura); o andino, com quinoa e milho, o de influência chinesa do work e o doce, das sobremesas.

Ler mais
Chiado
Nikkei
Fotografia: Manuel Manso
6/6

Nikkei

O Vela Latina levou um extreme makeover – culpa de Viviene e Jorge Leote, da Confraria Lx, que compraram 50% da sociedade – e o Nikkei, com uma cozinha influenciada pela comunidade de imigrantes japoneses no Peru, faz parte da nova vida. Serve ceviches – o mais tradicional é o waka, com mistura de mariscos, peixe branco, leite de tigre e batata doce (12,90€), mas há o andino, com salmão, manga, cebola roxa, molho cítrico, quinoa para dar alguma crocância e esferificações de licor amaretto (12,90€), o de aji amarillo ou o nikkei, com atum e molho defumado com shiso (13,90€) – tiraditos de peixe branco, salmão ou vieira, causitas de salmão, polvo, caranguejo ou atum (6,90€) e outros pratos quentes à carta. Outros das referências é a comida de rua peruana, onde se destacam os ribs. Nenhuma refeição fica completa sem um prato de churros caseiros, com gelado de baunilha e duas tacinhas com doce de leite e chocolate negro para os mergulhar.

Ler mais
Belém

Comer o mundo em Lisboa

Os melhores restaurantes do mundo em Lisboa

Hoje em dia não tem de ir aos shoarma de centro comercial nem aos chineses com chop soy para ser uma boca viajada. Dizemos-lhe onde comer em Lisboa a comida do mundo. Aperte o cinto e atire-se aos melhores restaurantes do mundo em Lisboa.

Ler mais
Por Inês Garcia

Nestes restaurantes pan-asiáticos em Lisboa cabe a Ásia toda

Para quê um japonês ou um vietnamita quando se pode ter a Ásia (quase) toda à mesa? Pan-asiáticos: não há o que temer, não é um nome estranho para uma dieta restritiva que se tornou trending na internet. Lisboa está a ganhar uns quantos espaços que não querem ter de escolher entre um pho vietnamita ou um ramen japonês e que põem o mais que podem e sabem sobre a Ásia na mesma carta. O resultado são cartas com muita street food asiática, agridoce, picante e comida de conforto. Escolhemos seis malgas que lhe dão calor para o início do Outono.

Ler mais
Por Catarina Moura
Publicidade

Os melhores restaurantes do Médio Oriente em Lisboa

Esqueça as mil e uma noites e coloque o mindset mais nos mil e um pratos. Temos Turquia, Líbano, Síria e o estilo do Médio Oriente inteiro: muitos pratos para partilhar e o pão como estrela da mesa. Nem precisa de pegar na bússola para rumar a Oriente, basta pegar nesta lista e orientar-se por estes restaurantes do Médio Oriente em Lisboa.

Ler mais
Por Catarina Moura

Os melhores restaurantes chineses em Lisboa

Os Golden Visa não melhoraram só o panorama do imobiliário da cidade. A procura de comida chinesa autêntica e regional aumentou e já não é tudo arroz chau chau e rebentos de soja. Do Martim Moniz ao Estoril, consegue-se comer de tudo um pouco, mesmo que por vezes tenhamos de ir ao apartamento dos senhores. Estes são os melhores restaurantes chineses em Lisboa

Ler mais
Por Ricardo Dias Felner
Publicidade

Comentários

0 comments