As melhores chamuças de Lisboa

Não é uma escolha pacífica, mas arriscámos listar as nossas cinco chamuças preferidas de Lisboa.
Chamuças
Fotografia: Arlindo Camacho
Por Ricardo Dias Felner |
Publicidade

De todos os pastéis que o mundo inventou, nenhum viajou tão bem como a chamuça. Em Lisboa, a variedade é grande e isso faz com que já não precise de recorrer àqueles triângulos amolecidos e oleosos de snack bar.

Um dos responsáveis por esse fenómeno é Jesus Lee, o homem do restaurante Jesus é Goês (Rua de São José, 23, à Avenida da Liberdade). Quando não está a inventar pratos com malagueta, o cozinheiro asiático mais cool de Lisboa está a pensar no que meter dentro de cinco centímetros de massa quebrada juntamente com malagueta. Há umas semanas, experimentou umas chamuças de sardinha e diz que “foram as melhores de sempre”. Infelizmente, não ficaram na carta. “Só a trabalheira de tirar as espinhas…”. O que está na carta são as chamuças de camarão (2,20€), com o bicho rijo envolto numa pasta de alho, malagueta, gengibre e coentros frescos.

Ainda de entre as menos convencionais, é obrigatório provar a de tâmara e castanha de caju (2,50€), do Tentações de Goa (Rua de São Pedro Mártir, 23, ali ao lado do Martim Moniz), o restaurante de Maria dos Anjos, um dos étnicos mais consistentes de Lisboa. A massa é a mesma das de carne – também altamente recomendável –, do tipo duro e estaladiço, mas neste caso polvilhada com canela.

Para quem só gosta das de carne, as do Caxemira (Rua Condes de Monsanto, 4, 1º Dto., à Praça da Figueira) continuam a ser difíceis de bater. É verdade que tem de enfrentar um serviço sisudo e filas de gente, mas conta para aqui o seguinte: o interior é húmido e picante, a carne tem a gordura e a cebola certas, com um leve toque cítrico, e a capa estilhaça-se na boca como vidro (1€).

Ainda no campeonato da carne, a escolha da chamuça do Everest Montanha (Avenida do Brasil, 130, em Alvalade), que se assume como nepalês, é polémica. As chamuças dos nepaleses tendem a ser de frango e secas e sensaboronas. As do Everest Montanha (1,50€) são só ligeiramente melhores do que isto. Mas se há chamuça que foi feita para levar molhos é esta. Gorda, massa dura, fica excelente com iogurte e menta.  

A chamuça mais recente da cidade é a da Costa do Malabar (R. Rosa Damasceno, 6), o novo indiano da Alameda, que serve comida da costa sudoeste do país. As chamuças de carne têm um forte aroma a anis (2,90€) e mil especiarias e isso é bom.

Dito isto, lamenta-se que não se tenha ainda encontrado na cidade uma boa chamuça aloo, as mais tradicionais na Índia, com recheio de batata, ervilhas, cominhos, coentros e assafétida. Se souber de alguma, apite. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com