Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Segundo Muelle

Segundo Muelle

Restaurantes Cais do Sodré
Escolha dos críticos
4 /5 estrelas
Segundo Muelle
1/2
Fotografia: Ana Luzia
Segundo Muelle
2/2
Fotografia: Ana Luzia

A Time Out diz

4 /5 estrelas

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme se os espaços continuam abertos.

A febre do ceviche prolifera e a prova é este novo restaurante de origem peruana e ambição mundial. Fomos lá almoçar e contamos-lhe tudo

Apicius escreveu longamente sobre a conservação de peixe com ácidos (não desses). A técnica haveria de refinar-se no escabeche andaluz, que depois viajou para as Américas. Segundo alguns historiadores, terão sido os colonos espanhóis a espalhar a receita, e
as laranjas amargas de Sevilha e as limas dariam origem às marinadas do Peru, país que hoje é mais conhecido pelo ceviche do que pelo Machu Picchu.

Tudo isto pode ser só eurocentrismo primário, mas a verdade é que os tugas aderiram ao ceviche nos últimos anos como se o comessem desde antes de Cristo. A moda do sushi teve resistências, a carne maturada teve resistências, mas sobre o ceviche nunca se ouviu um reparo, um enjoo, um desgosto.

Daí que a sala semivazia deste Segundo Muelle me tenha deixado depéatrás. Partedajustificação pode estar nisto. Apesar da luz a rodos e da decoração moderna
de adornos marítimos (forte tendência na restauração lisboeta em 2016), pressente-se aquilo
que o Segundo Muelle é: uma marca internacional franchisada. Talvez porque tudo esteja no
sítio, demasiado arrumadinho,
ou então por causa do menu extremamente explicativo
e profissional, fica a ideia de
uma cadeia cara e sofisticada,
mas de uma cadeia. O que, não importando para as papilas, nos faz sentir num sítio banal e faz-nos sentir mais pobres.

Ainda no terreno das apresentações, não ajudou
que o empregado tenha sugerido um cocktail de
sangria para acompanhar o
que previsivelmente seria uma refeição de ceviche. Uma coisa estúpida que foi aceite por mero dever profissional de aceitar todas as coisas estúpidas quando propostas veementemente
pelos empregados. Não é fácil emparelhar ceviche com bebidas alcoólicas, mas associar peixe a um docinho líquido e enjoativo faz crescer as receitas do sítio mas diminui drasticamente o prazer de comer peixe.

Peixe esse que até estava bom. Tanto assim que a minha amiga, embora a curar uma ligeira intoxicação alcoólica, gostou
 do shot acídulo do piqueo tres cebiches (24,5€) – e eu idem. O prato traz uma porção de cada receita, tendo sido o tres ajies, amarelecido com um molho de pimentos ají, o que mereceu mais aplausos. Logo a seguir no pódio ficou o cebiche Norteño, com o clássico leche de tigre, à base de caldo de peixe. Por fim, o da casa, com lâminas de polvo e um molho amaionesado.

O peixe branco usado foi pampo, que me pareceu sensaborão, perdendo por exemplo para a habitual corvina.

A acamar esta acidez veio de seguida o prato que o empregado apresentou como o “bestseller se assim podemos dizer” da carta.
O risoto de quinoa com lombo de novilho estava cremoso, o grão ligado por molho à Huncaína, típico do norte do Peru e feito
de queijo fresco, alho e pimento ají amarelo(17€). Só para tirar teimas sobre a boa qualidade da comida, concluiu-se tudo com a causa Segundo Muelle (13,50€), de puré de batata aromatizado com lima, uma camada de carne de sapateira, por cima molho à chorrillana (espécie de escabeche, com ajíes, claro). Saboroso.

Havia ainda muitas mais possibilidades, numa ementa que é uma espécie de peruano para todos os povos, contemplando desde massas a sushi com fusões andinas, passando por tártaros e até por uma salada mediterrânea.

Agora, quanto vale isto? Cheguei ao fim deste texto com muitas dúvidas sobre quantas estrelas dar. O restaurante não é acolhedor, mas tem um bom ceviche. Tem um preço alto, mas também tem um óptimo risoto de quinoa.

Recorra-se aos critérios. A comida valeu quatro. O serviço valeu três. O espaço e o ambiente valeram três e meio.

Arredonde-se. Espere-se o melhor.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Alfredo Lacerda

Publicado:

Detalhes

Endereço Praça D. Luís I, 30 - Loja 4 B
Lisboa
1200-148
Contato
Horário Dom-Qui 12.00-00.00, Sex-Sáb 12.00-01.00
É o proprietário deste estabelecimento?
Também poderá gostar
    Últimas notícias