Jornalismo Amadorismo Hipnotismo

Teatro, Teatros
Jornalismo Amadorismo Hipnotismo

Jornalismo Amadorismo Hipnotismo no Teatro Nacional D. Maria II

Na origem deste espectáculo de Rui Catalão está uma “uma oficina de trabalho, envolvendo participantes sem requisitos profissionais” orientados pela premissa de que a “realidade pode ser dura como um penedo” e se “será possível atravessar ambos, realidade e penedo?” Assim, o elenco “funciona como uma redacção, com ideias e materiais a serem discutidos em grupo”, com o objectivo de “aprender a observar, a seguir acontecimentos, a comunicar, a verbalizar histórias, testemunhos”, para depois perceber até “que ponto podem ser notícia determinados aspectos das nossas vivências particulares que nos afectam, individualmente.”
Já agora, esta peça inaugura o ciclo Portugal em Vias de Extinção, que ainda inclui Canas 44, criação Amarelo Silvestre com direcção artística Victor Hugo Pontes (25-28 de Janeiro), Eu Uso Termotebe e o Meu Pai Também, com texto e encenação de Ricardo Correia (8-11 de Fevereiro), Ex-Zombies: uma conferência, de Alex Cassal (1-27 de Março), e Sweet Home Europa, de Davide Carnevali com encenação de João Pedro Mamede (8-27 Março).

LiveReviews|0
1 person listening