Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Conheça as marcas de moda que estão a apoiar os profissionais de saúde
© DR
© DR

Conheça as marcas de moda que estão a apoiar os profissionais de saúde

Em tempos difíceis, cada um ajuda como pode. Estas marcas estão a apoiar os profissionais de saúde portugueses da melhor forma que sabem.

Por Margarida Ribeiro
Publicidade

Momentos de crise trazem ao de cima o melhor das pessoas. Falámos com Filipa Bibe, uma das responsáveis pelas escolas de costura Maria Modista, sobre os esforços que a equipa está a fazer para ajudar os profissionais de saúde. Por todo o país, outras marcas e designers também querem ajudar e estão a transformar as suas fábricas e ateliês em locais de produção de equipamentos de protecção individual para doar a hospitais.

Recomendado: Covid-19: Saiba como ajudar e pedir ajuda

 

Moda, Costura, Maria Modista, Equipamento Médico
©DR

Maria Modista

Inscritos nas aulas da Maria Modista, rede de escolas de costura espalhadas por todo o país, há alunos de todas as áreas, entre eles médicos e enfermeiros que estão a combater a Covid-19. É o caso de Fernanda Conceição, enfermeira na Fundação Champalimaud, que comentou com Filipa Bibe, uma das fundadoras da Maria Modista, que não conseguia encontrar fornecedores de cogulas – equipamento de protecção que tapa a cabeça e os ombros de quem o usa – em Portugal. Filipa “tinha uma equipa parada e cheia de vontade de ajudar” e decidiu arregaçar as mangas e pôr as máquinas de costura a trabalhar.

O primeiro passo foi procurar os modelos de cogulas que já existiam e testá-los. Passaram uma semana e meia nisto, entre vários hospitais de Lisboa, até chegarem ao molde perfeito. A seguir, tiveram de procurar o material mais indicado. Descobriram que o TNT (tecido não tecido), utilizado para fazer batas cirúrgicas, era o ideal – impermeável, resistente e, se esterilizado no hospital, deixa de ser descartável, podendo ser usado várias vezes.

Passo seguinte: pedir uma doação à Nomalism, loja de tecidos com a qual colaboram várias vezes. Entretanto também chegaram, da Associação Filhos do Coração, mais de 5000 metros de elástico.

Quando conseguiram, finalmente, iniciar a produção, Filipa Bibe publicou um vídeo nas redes sociais da Maria Modista. “Começaram a chover pedidos de médicas e enfermeiras”, conta. De cogulas, mas também de outros equipamentos, como botas até ao joelho e máscaras. Para conseguir dar resposta e não perder muito tempo, a Maria Modista contactou alunas que trabalham em fábricas que estão a produzir máscaras e pediu-lhes os moldes já aprovados e certificados. Quanto às botas, só foi preciso pegar no modelo original, que já é usado nos hospitais, e subi-lo para taparem a perna até ao joelho.

Este não foi o único efeito do vídeo: muitos alunos, de todas as partes do país, quiseram começar a ajudar. Então, os moldes das cogulas, das máscaras e das botas foram disponibilizados online, e quem tem máquina de costura em casa e consegue comprar TNT pode fazer equipamentos e entregar “ao amigo médico ou enfermeiro” ou aos hospitais da sua área.

O movimento não acaba aqui, porque as costureiras amadoras não foram as únicas a voluntariar-se. A marca Nikini Swimwear, por exemplo, fez uma pausa na produção da próxima colecção para dar uma mãozinha. E o ateliê da designer de vestidos de noiva Pureza Mello Breyner também tem quatro costureiras a ajudar a todo o gás. “É tanta gente, que nós até já perdemos controlo dos números”, conta Filipa.

Até agora, a Maria Modista já conseguiu ajudar vários hospitais de Lisboa (onde fica a sede da empresa), como o Egas Moniz, o São Francisco Xavier e o Santa Maria, e a Fundação Champalimaud. Filipa garante que, enquanto existirem pedidos e material, as máquinas não vão parar.

Rufel, acessórios, sapatos, marca portuguesa
© DR

Rufel

Com fábrica em Santa Maria da Feira, a marca de acessórios Rufel reuniu esforços para começar a produzir viseiras protectoras. Agora, há seis funcionários a trabalhar exclusivamente na produção deste equipamento. Durante a primeira semana de trabalho fizeram 300 unidades, e na seguinte o número aumentou para 400. Todas as viseiras vão ser doadas aos principais hospitais da zona Norte do país.

Gio Rodrigues, covid-19, máscaras, equipamento de proteção
© DR

Gio Rodrigues

O designer reabriu o seu atelier e, em conjunto com as suas costureiras, começou a produzir equipamentos de protecção individuais para hospitais. Até agora, foram doadas mais de dez mil cogulas, máscaras, manguitos, batas e calças, com o apoio da Nuditex, que se ofereceu para ficar responsável pelo corte das peças, e da Nomalism, que forneceu o tecido necessário. Os pedidos continuam a chegar e Gio Rodrigues lançou um apelo, onde pede mais doações de tecido técnico e mais costureiras voluntárias prontas para trabalhar. Quem quiser colaborar, pode ligar para o 22 208 1992 ou enviar um e-mail para atelier@giorodrigues.com.

Publicidade
Luís Onófre, Mascaras não cirurgícas, Covid-19
©DR

Luís Onofre

Em Oliveira de Azeméis, na fábrica de Luís Onofre, fazem-se máscaras não cirúrgicas (na foto). Em parceria técnica com o Centro Tecnológico do Calçado de Portugal, estão a ser produzidas, diariamente, cerca de 800 unidades. O Hospital de Santa Maria da Feira, o Hospital de Famalicão e a Cruz Vermelha são algumas das entidades que as estão a receber.

Ana Sousa, designer, uniformes, médicos, hospitais, Covid-19
© DR

Ana Sousa

O Hospital de Santa Maria Maior, em Barcelos, estava a precisar de uniformes. Ana Sousa ouviu o apelo e decidiu ajudar. Em apenas dois dias, a equipa da designer de moda conseguiu fazer 400 uniformes, segundo o modelo certificado do Serviço Nacional de Saúde. Para dar um ânimo extra a quem os usa, foram colocadas nas etiquetas frases como “Juntos somos mais fortes” e “Vestindo os profissionais de saúde que nos inspiram todos os dias”

Fique em casa:

Cluoh
© DR

13 lojas online do Porto que tem de conhecer

Compras

Há quem considere o acto de fazer compras muito terapêutico. A pensar em todos os shopaholics que não querem (nem podem) sair do conforto da sua casa, fizemos esta lista com as lojas online do Porto e arredores que tem de conhecer. Desde joalharia, sapatilhas, óculos de sol ou champôs sólidos, não lhe vai faltar nada. Assim, não precisa de recorrer às marcas de fast fashion e vai conseguir apoiar pequenos negócios portugueses.  Enquanto está em casa, também pode aproveitar para encomendar comida e para ver séries novas.  Recomendado: Os melhores sabonetes do Porto

Ambiente
© DR

Lojas para fazer compras sustentáveis online

Compras

Agora que passamos mais tempo em casa, que tal dar uma oportunidade a hábitos mais amigos do ambiente? Espreitar lojas online dedicadas à venda de produtos sustentáveis pode ser um bom começo, já que não há mercados ecológicos a acontecer nem eventos dedicados à sustentabildade. Se não sabe muito bem por onde começar, pondere trocar o champô habitual por um champô sólido, adquirir sacos de congelamento reutilizáveis para evitar os descartáveis, comprar uma cápsula reutilizável para a máquina de café ou completar a biblioteca de casa com uma secção dedicada à literatura que lhe ensina a ser mais amigo do ambiente. Recomendado: Sete projectos e movimentos no Porto que ajudam o planeta

Publicidade
Tricirculo
© DR

Três lojas vintage do Porto que vendem online

Compras Lojas de segunda mão

Arranjámos a solução perfeita para todos os amantes de peças com história que agora não podem sair de casa. Estas lojas vintage vendem online e têm catálogos recheados de roupa, calçado e acessórios, de diferentes estilos e épocas, desde os anos 1920 aos 90. O difícil é escolher em quais gastar o seu dinheiro.  Muitas pessoas fazem compras nas lojas em segunda mão para diminuir a pegada ecológica. Se for o seu caso, aproveite e fique também a conhecer nove marcas sustentáveis e sete projectos e movimentos no Porto que ajudam o planeta.  Recomendado: 13 lojas online do Porto que tem de conhecer

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade