A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Nuno Lopes em White Lines
NetflixNuno Lopes contracena com Laura Haddock na série

Nuno Lopes: "É divertido brincar com o conceito de masculinidade"

Nuno Lopes estreou-se na Netflix com ‘White Lines’. A série junta as produtoras de ‘La Casa de Papel’ e de ‘The Crown’, o que faz antecipar um novo êxito da plataforma de streaming. Falámos com ele.

https://d32dbz94xv1iru.cloudfront.net/customer_photos/14d3bbef-59cc-4753-a960-2f64c64804b1.jpg
Escrito por
Sebastião Almeida
Publicidade

A nova série da Netflix, White Lines, transporta-nos para uma Ibiza dos anos 1990, ainda um pouco distante da massificação do turismo que agora assola a ilha espanhola. Passada a dois tempos, mistura em dez episódios drama, policial e comédia: somos levados numa viagem, com um intervalo de 20 anos, ao mundo das discotecas, aos meandros da noite e da sensualidade que a envolve. O actor de Alice (2005) e São Jorge (2016) veste a pele de um chefe de segurança privada, contracenando com Laura Haddock e Daniel Mays, nomes associados a grandes produções em Hollywood. Nuno Lopes há muito que procurava um desafio que o fizesse ficar fora de pé. Encontrou-o nas águas cristalinas das Ilhas Baleares.

Trabalhar numa produção que envolve nomes como Alex Pina (autor de La Casa de Papel) e com produtoras como a Left Bank Pictures (The Crown) e a Vancouver Media (La Casa de Papel) foi algo muito diferente do que estava habituado?
A produção é muito diferente sobretudo em termos de meios. Uma série em Portugal, com dez episódios, teria sido filmada em dois meses e meio, no máximo. Esta demorou seis. Há mais tempo para fazer cada cena, há mais dinheiro, podem repetir-se cenas que não ficaram bem. Mas, depois, quando se está fechado num barco com dez elementos da equipa a filmar, é exactamente igual. É como se estivesse a fazer um filme para a Escola Superior de Teatro e Cinema.

O trailer mostra um mundo de festa, de drogas. Mas também de acção, de violência e de comoção. Toca em tudo.
A série tem vários lados. Os actores costumavam referir-se ao guião como uma montanha-russa. Quando recebíamos os episódios, perguntávamos “Então, como vai ser hoje?”. “Uma montanha-russa”, diziam. Quando se começa a ver a série, é como se se estivesse num carrinho [de montanha-russa] a subir devagar, e parece que o ritmo será sempre assim. De repente, quando se chega ao pico, utilizando uma terminologia Covid, começa-se a descer e é uma loucura de loopings e de curvas a 90º e de grandes forças G.

Simplificadamente, a série é sobre a morte de um DJ há 20 anos e sobre a chegada da sua irmã à ilha para descobrir o que aconteceu. É isso, ou há algo mais?
Uma das razões pelas quais aceitei este desafio foi por se tratar de algo que nunca tinha visto. Nos primeiros 20 minutos parece apenas uma tragédia, a típica série de crime sobre uma tragédia pessoal. Mas, na verdade, é sobre uma bibliotecária de Manchester que chega a uma Ibiza das noites de música electrónica, das drogas, das orgias, da máfia. É a chegada de uma personagem simples, fechada num mundo cinzento, a um destino exuberante. À medida que a série avança, começa a ser mais alucinada e, sobretudo, cómica.

Parece haver um tom satírico em relação à noite, à festa em Ibiza.
Essa era a ideia. Criticar o que Ibiza é hoje. A série passa-se em duas épocas. Há um lado satírico em relação à forma como se olha o mundo da noite de Ibiza, neste momento. Tornou-se banal e os DJs de electrónica, de repente, tornaram-se estrelas pop. Há uma reflexão sobre isso no personagem do Alex Collins.

À primeira-vista, Boxer faz lembrar Jorge, em São Jorge. Um tipo áspero e robusto.
Acho sempre divertido brincar com o conceito de masculinidade. Normalmente, sou chamado para fazer estas personagens devido à minha compleição física, que têm uma certa robustez. Mas já há suficientes filmes de acção em que os tipos só são fortes. Gosto de brincar com isso e de trazer um outro lado à personagem, de pôr em causa esse preconceito de masculinidade e de que o homem não chora.

E quem é então Boxer?
É um tipo culto, inteligente, cool, ligado a festas. Tem um lado cómico que não existe no Jorge.

Com a pandemia, as produtoras estão paradas, mas as distribuidoras não parecem afectadas. A Netflix superou, em valor de mercado, uma das maiores petrolíferas norte-americanas. O streaming tomará conta do mercado?
Este beneficiamento da Netflix é péssimo para todos. As pessoas estão mais em casa e vão ver mais streaming. Mas o que a Netflix não filmar em 2020 não existirá para o público ver no próximo ano.

E o cinema e o teatro em Portugal?
Estamos numa situação muito grave. O Governo apresentou algumas propostas que, na minha opinião, são parcas. Temos de perceber que a cultura é precária há muitas décadas. Quando uma crise atinge um meio precário, tem repercussões irremediáveis.

O Governo anunciou algumas medidas de apoio para a cultura.
Quando o Governo anuncia o adiamento das peças de teatro, com apoios divididos em duas partes, está a pôr os actores que já ganhavam mal numa situação duplamente precária.

Portanto, só irá piorar.
Estava a filmar com o Marco Martins Provisional Figures Great Yarmouth, em Inglaterra. Filmámos um terço do filme e tivemos de parar para voltar a Lisboa, por causa da pandemia. Não sabemos quando retomaremos as filmagens. O cinema em Portugal já se faz com grandes limitações. Fazemos omeletes sem ovos e, de repente, o único ovo que temos vem rachado. Espero que este Governo, que foi tão apoiado pelas gentes da cultura, demonstre, de uma vez por todas, de que lado quer estar.

Mais séries para ver

  • Filmes

Chegou timidamente aos nossos ecrãs, mas hoje seria difícil imaginarmo-nos sem ela. Entre conteúdos originais de grande qualidade e outros que foram aproveitados (ou mesmo ressuscitados), a Netflix parece não querer abrandar no número de entretenimento disponibilizado e está, continuamente, a trazer-nos apostas dignas de binge watching. Títulos como Gambito de DamaOzark, Stranger Things ou The Crown mostram bem aquilo em que a plataforma trabalha, e outros como Breaking Bad Arrested Development são óptimos exemplos de como levar audiência ao seu moinho (o streaming) por meios comprovados. A apontar-lhe alguma coisa, será a oscilação de conteúdos: estamos sempre na vertigem de ver a nossa série favorita desaparecer do catálogo. Por isso, não perca tempo: prepare-se para uma maratona e siga estas sugestões das melhores séries para ver na Netflix.

Recomendado: Minisséries da Netflix que vale a pena ver

  • Filmes

Desde que chegou a HBO (para não falar nos outros serviços de streaming que apareceram entretanto) ficou ainda mais complicado gerir a agenda – e não falamos apenas da vida social, mas do calendário de estreias de séries. A pensar nisso, fizemos-lhe uma selecção das séries na HBO que vale a pena ver e que nunca o farão perder tempo. Recuperamos os clássicos que não pode perder e as novidades que têm dado que falar. De Os Sopranos e A Guerra dos Tronos até à aclamada Zero Zero Zero, de Roberto Saviano, e a mais recente criação de Joss Whedon, The Nevers, estas são as séries na HBO que tem de ver.

Recomendado: As melhores séries do momento

Publicidade
  • Filmes

Há cada vez mais e melhores séries de super-heróis na televisão. Dos personagens da DC no chamado Arrowverse do canal CW – Arrow, The Flash, Legends of Tomorrow e Supergirl – à comitiva da Marvel na Netflix – Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage, Punho de Ferro, Os Defensores e O Justiceiro –, passando pelos inúmeros vigilantes (e não só) que se desdobram por outros canais e plataformas, sem se inserirem num complexo universo partilhado, com Watchmen da HBO à cabeça. Mas não é de agora que há super-heróis na televisão: há uma ou outra velha série que merece ser revista. A começar pelos desenhos animados de Batman dos anos 90. Recomendado: 12 grandes filmes de piratas

  • Filmes

As listas, como quase tudo nesta vida, são relativas. Mas depois de enchermos uma espécie de conselho de administração com loucos de séries televisivas e outros consultores da redacção da Time Out, chegámos a estas 25. Portanto, se vai começar a disparar insultos e a pedir justificações para as suas séries de comédia preferidas não estarem aqui avisamos já que não vai ter sucesso. Podiam ser outras, mas são estas. E pedimos desculpa às que ficaram de fora. Mais um alerta à tripulação: estas séries de comédia estão ordenadas apenas por ordem alfabética, que não queremos alimentar ainda mais a polémica. Ria-se connosco.  Recomendado: Séries a não perder este mês

Publicidade
  • Filmes

Longe vão os tempos em que os actores portugueses estavam limitados ao mercado nacional das novelas. Nos últimos anos, acompanhando o crescimento das plataformas de streaming, há cada vez mais actores a darem cartas em grandes produções internacionais, seja em filmes ou em séries. Na Netflix, Pêpê Rapazote foi, em 2017, o primeiro português a participar numa das grandes produções do momento, Narcos. Depois dele, Alba Baptista, com Warrior Nun, Nuno Lopes em White Lines, ou mais recentemente Albano Jerónimo, em The One, continuaram a representar Portugal além-fronteiras. Mas também há filmes na plataforma de streaming com a participação de nomes conhecidos, caso de Lídia Franco ou Diogo Morgado, entre outros. Estes são os actores portugueses na Netflix.

Recomendado: Doze séries portuguesas para ver e recordar

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade