A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Músicas para trabalhar em casa
©Glenn Carstens-Peters/Unsplash

As músicas para trabalhar em casa que fazem bem à produtividade

Ficar em casa pode ser chato, mas não precisa de o ser. Estas são as músicas para trabalhar em casa que o comprovam.

Escrito por
Tiago Neto
Publicidade

Há já uns anos que a internet nos trouxe esta lindíssima possibilidade de não ter de sair da cama para despachar serviço. Mas nos últimos anos, por decisão ou obrigação, a tendência tornou-se bastante mais acentuada. Os freelancers foram os grandes pioneiros e, daí em diante, abriu-se a porta já dentro das empresas a fazer o mesmo com o posto remoto. Seja como for, não há nada mais entediante do que trabalhar sem uma banda sonora digna, que nos dê aquele empurrão necessário à criatividade, que nos relaxe ou que nos leve a viajar uns minutos para voltarmos ao trabalho. Na Time Out queremos que faça a sua jorna caseira com (algum) entusiasmo e, por isso, damos-lhe 13 músicas para trabalhar em casa.

Recomendado: Os melhores concertos no Porto este mês

Músicas para trabalhar em casa

1. "Abeja", Mndsgn & Sofie

É o título mais recente do produtor norte-americano e, também pelo factor novidade, a escolha óbvia para abrir a lista. Integrante do plantel da Stones Throw, editora que representa nomes como J Dilla, Dam-Funk, Madlib ou Aloe Blacc, aqui, Mndsgn (lido mind design) dá-nos um beat suave e de encaixe perfeito para o trabalho.

2. "Want Me (Need Me)", Flamingosis

Começou, como muitos outros, no Soundcloud, mas a sonoridade distinta, a combinar instrumentais com elementos funk, latinos, e a misturar-se com influências de J Dilla e Flying Lotus, depressa o projectaram a outros palcos. Esta "Want Me (Need Me), retirada do disco A Groovy Thing explica-se bastante bem com uma só palavra: fresco.

Publicidade

3. "Luv", Miraa.

É mais um nome que contribuiu para a corrente chill-hop e que, à semelhança do anterior, deu no Soundcloud os primeiros passos. Mas ao contrário de Flamingosis, o canadiano trabalha mais pelo terreno dos loops curtos, algo que fica bem vincado nesta "Luv".

4. "So[rt]", Knxwledge

É uma das metades do duo NxWorries (sendo a outra Anderson Paak) e tem vindo a mostrar jogo desde 2009, com beats que, à altura, apanharam a indústria de surpresa. No que toca às colaborações e trabalhos com outros artistas, Knxwledge, ou Glen Earl Boothe, também não é um nome estranho. Esta "So[rt]" é, precisamente, uma das faixas que acabou por ser aproveitada por Kendrick Lamar. Suave e fácil de ouvir, para ajudar ao trabalho.

Publicidade

5. "Wantme", Cookin' Soul

O espanhol é, provavelmente, o campeão dos remixes e flips de faixas. O que neste caso é muito bom sinal. Nome bem conhecido no movimento, Cookin' Soul tem por hábito suavizar as músicas em que pega e esta, mesmo sendo original, não foi excepção.

6. "Sedução", Sam The Kid

Não é que Samuel Mira precise de uma introdução, mas talvez o álbum de instrumentais que lançou em 2002 precise. Assim, dizemos-lhe tudo o que precisa de saber: 17 faixas, uma história, vários beats. "Sedução" é uma delas. E é ideal para se sentar à frente do computador e fazer o cérebro funcionar.

Publicidade

7. "Puffin'", Emune

Não há grande informação sobre o produtor a não ser as mixtapes que vai lançando. E isso é, de facto, a melhor biografia. Do Texas para o resto do mundo, a faixa "Puffin'" é um bom incentivo a relaxar e organizar ideias para deitar tudo no "papel". Em alternativa, siga o título da música e antecipe o 20 de Abril. 

8. "Dragonball Durag", Thundercat

É uma das personagens mais excêntricas que a indústria já viu. Paralelamente é, também, uma das mais talentosas. "Dragonball Durag" é o mais recente single do californiano e chegou na altura certa, para poder ouvir sem medidas ou de fones à noite. Todo o freelancer agradece. E mesmo quem não o seja, vá.

Publicidade

9. "Aruarian Dance", Nujabes

Nujabes está, para muitos, como um dos maiores produtores da história do hip-hop, equiparado apenas a nomes como Dilla ou Madlib. Essa medalha de honra já devia servir para alguma coisa. Caso não, deixe a música falar e vá despachando o que tem a fazer. É um óptimo remédio para o bloqueio criativo. 

10. "It's Over (instrumental)", 9th Wonder

Outro dos pesos-pesados da produção, Patrick Douthit já anda nisto há uns anos e continua a apresentar-nos argumentos para o justificar. Na imensidão de obra que já construiu, é difícil escolher um tema, mas a versão instrumental desta "It's Over" parece bastante apropriada para o assunto em causa: trabalhar a partir de casa.

Publicidade

11. "Cocoa", Aimless

O colectivo Dream Easy orgulha-se de servir como plataforma para vários músicos. Um deles, Aimless, trouxe-nos esta "Cocoa" na mixtape Ikigai. Uma beleza para acordar, beber café e começar a meter as mãos ao trabalho.

12. "Lucky To Be Loved By You", Willie Hutch

É dissonante dos restantes mas bom, a variedade também conta, principalmente se os instrumentais já não servirem para pôr a máquina a mexer. Willie Hutch era um grande músico, "Lucky To Be Loved By You" é uma grande música. O que mais é preciso?

Publicidade

13. "Seven Days Too Long", Chuck Wood

Por último, o clássico quase obscuro de Chuck Wood, para que vá trocando de posição na cadeira sem perder a vontade de produzir alguma coisa. Ou, se não precisar de cadeira porque tem um trabalho espectacular, aproveite-a como achar mais digno. É um bom tema.

Mais para fazer

  • Filmes

Para muitos, o programa ideal para ocupar o tempo livre é passá-lo sentado no sofá a ver televisão. O problema é que, actualmente, há muito por onde escolher. Se precisar de ajuda nessa missão, consulte esta lista com sete séries a não perder este mês, que o vai ajudar a orientar-se. Entre elas, destaque para a estreia de Madam C. J. Walker: Uma Vida Empreendedora, protagonizada por Octavia Spencer. Apesar de a termos visto recentemente em Truth Be Told, da Apple TV+, não é comum encontrar a actriz na televisão. Na aposta de Março da Netflix, Spencer dá vida a Madam C. J. Walker, a primeira mulher multimilionária. Recomendado: Covid-19: eventos cancelados no Porto

  • Restaurantes

Depois do fecho das portas dos teatros e museus municipais e do cancelamento de eventos que estavam marcados para os próximos tempos no Porto, os restaurantes começaram também a encerrar temporariamente ao público, de forma a combater a propagação do surto de Covid-19. Mas isso não significa que não possa devorar os pratos do Época, do bbGourmet ou do Capim Dourado em casa. Nesta lista encontra restaurantes que fecharam temporariamente mas funcionam com takeaway e entregas ao domicílio, para que possa continuar a conhecer o que de melhor se faz na cidade no conforto da sua casa. Recomendado: Os melhores takeaways no Porto

Publicidade
  • Coisas para fazer

Agora que a propagação da Covid-19 exige que as pessoas evitem sair à rua e a grande maioria dos eventos estão cancelados, há que pensar em programas dentro de portas. Se gosta de temas que envolvam o ambiente, aproveite esta lista, onde damos a conhecer quatro livros sobre sustentabilidade que podem ser encomendados online. De resto, saiba que já há livrarias da cidade a oferecer os portes de envio para promover a leitura por estes dias.   Recomendado: Sete séries a não perder este mês

  • Coisas para fazer

Os recursos naturais que a Terra é capaz de renovar em 2019 já se esgotaram. Numa altura em que o mundo sai à rua para gritar por maior acção dos governos e das instituições em defesa do planeta, torna-se cada vez mais urgente a mudança de hábitos e de atitudes de cada um de nós. No Porto há muita gente empreendedora que decidiu pôr mãos à obra e criar projectos e movimentos para ajudar a cuidar da nossa maior casa. Passe os olhos por esta lista para ficar a conhecê-los melhor e inspire-se neles para começar a fazer a diferença. Recomendado: Nove sítios para comprar cosmética vegan

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade