Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Namorar com agricultores e casar os filhos: a miséria da televisão
Quem Quer Namorar com o Agricultor
DR

Namorar com agricultores e casar os filhos: a miséria da televisão

Enquanto o programa da SIC parece ter conseguido uma legião de fãs, o mesmo não aconteceu a Quem Quer Casar Com o Meu Filho, entretanto cancelado pela TVI. Nenhum, no entanto, convenceu o nosso crítico.

Por Eurico de Barros
Publicidade

★☆☆☆☆

Na sua busca desesperada por audiências, num mercado crescentemente “roído” pela internet, pelo streaming e pelos canais temáticos, as televisões generalistas apostam em programas da chamada “tele-realidade” (na verdade muito pouco “reais”, porque pesadamente produzidos, escritos e montados) cada vez mais delirantes e grotescos, e atentatórios da dignidade básica das pessoas (que, no entanto, continuam a oferecerse com gosto para imolação nos altares da exposição televisiva).

O formato do momento é o dos encontros amorosos, e a SIC propõe Quem Quer Namorar com o Agricultor (Dom 21.35). Desmond Morris ter-se-ia deliciado com a primeira emissão, onde as mulheres borboleteavam em redor do macho dominante, mostrando como o imperativo da preservação da espécie se pode manifestar até num formato destes. Que no resto, não diverge da rotina: uma sucessão de microdramas sentimentais e momentos de comédia involuntária.

Na TVI, Quem Quer Casar com o Meu Filho, entretanto cancelado (o último passa este domingo, 23.00), revela que o matriarcado continua actual na sociedade portuguesa: uma série de mamãs selecciona candidatas a mulheres dos seus filhos como se estivessem num mercado de gado humano. Floresçam ou não muitos romances, ambos os programas são televisivamente rastejantes e ideologicamente miseráveis.

+ Lá fora, "Quem Quer Namorar com o Agricultor" roça o grau zero da televisão

Crítica de televisão

First Dates
DR

"First Dates" é um espectáculo indigente e pindérico

Filmes

A previsibilidade, a pobreza, a falta de imaginação e o anquilosamento das televisões generalistas, tolhidas pelo colete de forças das audiências que eventualmente as tornará obsoletas e levará à extinção, é também visível na contraprogramação que fazem.

Publicidade
Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade