A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Infusões Soalheiro
©DRInfusões Soalheiro

Sete ideias de presentes de Natal para o amigo foodie

Todos conhecemos alguém que adora cozinhar, comer e saber tudo sobre comida. Fizemos-lhe uma lista com sete ideias de presentes de Natal para o amigo foodie.

Escrito por
Mariana Morais Pinheiro
Publicidade

Se convive de perto com alguém que respira comida por todos os poros, não resolva o presente de Natal com uma compota (como sugeriu no ano passado a DGS!). Leia antes o que se segue, onde sugerimos sete ideias de presentes de Natal para o amigo foodie, umas mais fora da caixa e outras mais consensuais, e com propostas para todos os bolsos. São todas uma novidade ou foram recentemente premiadas e prometem alegrar quem as receber, bem como proporcionar momentos de grande diversão à mesa. Ofereça um presente original e peça um jantar em troca. Porque isto de dar é muito bonito, mas também sabe bem receber.

Recomendado: Sete sítios para um brunch de Natal no Porto

Presentes de Natal para o amigo foodie

7,50€/20g/35 doses

Toda a gente sabe que esta época é dada a alguns excessos gastronómicos, por isso, a novíssima linha de infusões Soalheiro – The Pur Terroir chegou na altura perfeita. Pioneira na produção de vinho Alvarinho em Melgaço, a marca Soalheiro lança agora uma linha de dez variedades de infusões, produzidas em modo biológico, cultivadas lado a lado com as vinhas e trabalhadas artesanalmente. É este “processo manual, da colheita à selecção, que garante a integridade das folhas e alta concentração de óleos essenciais, preservando as suas propriedades aromáticas e terapêuticas naturais”, dizem em comunicado. 

Depois da colheita, numa altura em que a planta se encontra prestes a atingir a floração e em que a concentração de óleos essenciais é mais elevada, as folhas seguem para a área de secagem e são, posteriormente, desidratadas lentamente, a baixas temperaturas. Alecrim, Cidreira, Erva Príncipe, Lúcia-Lima, Hortelã Verde, Hortelã Pimenta Chocolate, Perpétua Vermelha, Perpétua Roxa, Tomilho e Tomilho-Limão são os sabores disponíveis. No site é possível saber mais sobre cada uma das infusões, sobre os seus benefícios, como preparar e como harmonizá-las com a comida.

Os molhos picantes da Portuguese Condiment Co.
©DR

Os molhos picantes da Portuguese Condiment Co.

7,90€/200ml

Mariana Cardoso e Ryan Opaz, muito apaixonados por condimentos e temperos, são os fundadores da Portuguese Condiment Company, cujo laboratório de experiências mora desde Outubro deste ano no número 1206 da Rua do Bonjardim. “Sempre gostei muito de brincar com sabores, com fermentações, de experimentar receitas, fazer pickles, molhos picantes e xaropes com vinagre, açúcar, especiarias e ervas aromáticas... Adoro a ideia de sabor de qualquer forma. Os condimentos, por exemplo, são pós mágicos”, diz Ryan.

Em Outubro de 2020, durante um novo confinamento, decidiram meter mãos à obra e os primeiros produtos a surgir foram os molhos picantes. “Queríamos sabores diferentes dos que estão à venda no mercado”, relembra Mariana, “sabores que pudessem ser usados quer na cozinha tradicional, quer em pratos do dia-a-dia, potenciando o seu paladar”. E, para isso, a tarefa foi hercúlea: experimentaram mais de três mil produtos. Para já têm o Mango Scorpio, o piripiri com menta e limão e o Habanero com Hibiscos, mel e vinagre de cidra.

Mas vale a pena espreitar os outros produtos desta dupla. Há seis single spices, os tais “pozinhos mágicos” que ajudam a intensificar os pratos, e que custam entre 4,50€ e 7,90€, e ainda os shrubs, ou xaropes de fruta, que servem de base para preparar bebidas, como refrescos e cocktails. O de melancia e menta e o de maçã, açúcar de coco e especiarias existem todo o ano, já o de morango e alecrim é sazonal, feito com o fruto na sua época. Custam 4,90€/250 ml.

Publicidade
  • Atracções
  • Atracções turísticas
  • Vila Nova de Gaia

6€

Com três quintas espalhadas pelo Douro, uma em cada região — a Quinta das Quartas em Fontelas, no Baixo Corgo; a Quinta de Santa Bárbara em Ervedosa do Douro, no Cima Corgo; e a Quinta de Vale de Cavalos em Numão, que fica no Douro Superior —, a Poças, produtora de vinho do Porto e DOC Douro, gosta de se apresentar como sendo o “lado português” da história do mais famoso vinho fortificado. Com mais de 100 anos, a Poças é uma das poucas empresas de vinho do Porto que nasceu portuguesa e que continua a pertencer à mesma família, que vai já na quarta geração, desde a sua fundação. Recentemente lançou o Trava-Línguas tinto 2019, o seu mais recente DOC Douro.

É um vinho tinto “sedoso e elegante”, com boa “intensidade aromática” e notas de frutos silvestres, alcaçuz e cacau, bom para acompanhar churrascos, pizzas e lasanhas de carne. É feito a partir das castas tradicionais Touriga Nacional, Touriga Franca e Tinta Roriz, provenientes de vinhas com 40 a 60 anos de idade. Tem ainda a particularidade de 20% do lote ter estagiado em barrica de segundo ano de carvalho francês. Outro dos grandes atributos deste vinho está no rótulo. Através de um QR code, é possível instalar uma aplicação que irá permitir ver a ilustração do rótulo, criada pelo artista André da Loba, em realidade aumentada – bem como pôr a família e os amigos a participar num jogo de trava-línguas que proporcionará momentos divertidos à mesa, como tanto se quer nesta época festiva.

Uma lata de sardinhas Pinhais + entrada no museu
ALEXANDRA TEOFILO

Uma lata de sardinhas Pinhais + entrada no museu

5,40€ + 14€/bilhete

O primeiro museu-vivo da indústria conserveira em Portugal, o Conservas Pinhais Factory Tour, abriu em Outubro, em Matosinhos, com o objectivo de salvaguardar o património material e imaterial e valorizar a memória da indústria conserveira no nosso país. Para assinalar o feito, a marca centenária lançou agora uma edição comemorativa de conservas de sardinhas artesanais em tomate e azeite, mesmo a tempo do Natal e em edição limitada. Para os amantes de especiarias, há uma variante picante. Apresentam-na como uma gama premium, a Selection Pinhais, uma vez que as sardinhas têm origem na lota de Matosinhos, “sendo apenas seleccionadas e enlatadas as sardinhas mais nobres e mais saborosas”, adiantam em comunicado. 

A litografia das latas vai buscar inspiração à Art Déco, “estilo estético que surgiu nos anos 20 do século passado, período referente à fundação da Pinhais”. Juntamente com a lata pode também oferecer uma visita ao museu, que se traduzirá numa experiência imersiva que mostrará ao visitante todas as fases do método de produção tradicional da fábrica conserveira, inalterado desde 1920. Durante a visita, vai poder descobrir o seu vasto espólio e aprender a embrulhar a própria lata, usando as técnicas das artesãs. As visitas incluem ainda uma degustação. Melhor é impossível. 

Avenida Menéres, 700 (Matosinhos). 22 938 00 42. Bilhetes entre 8€ e 14€.

Publicidade
  • Coisas para fazer
  • Campanhã

85€

“Acho que é uma great experience. As pessoas que quiserem experimentar fazer o próprio gin, podem vir cá e fazê-lo aqui. Podes criar um gin ao teu gosto, escolhendo os botânicos que preferires”, diz Travis Cunningham, o australiano que abriu este Verão a primeira escola de gin do país em Campanhã. As aulas têm uma duração de três horas, durante as quais os participantes fazem uma visita guiada à destilaria, ficam a saber mais sobre o processo e a história da destilação, provam gins e fazem o seu, recorrendo a cerca de uma centena de botânicos à disposição. No fim, engarrafam-no e levam-no para para casa. 

Já que aqui está, aproveite e faça uma Gin Flight (20€), uma prova dos três gins da casa, acompanhados por uma tábua de pão e queijos. São eles o International Dry Gin, “uma espécie de London Dry Gin”, com 44% de álcool, 11 botânicos e forte no sabor a zimbro (39,99€/70 cl); o Navy Strength, com o mesmo número de botânicos, mas com uma percentagem de álcool superior – 57% –, mais apropriado para a mixologia (54,95€/70 cl); e o  Portuguese Citrus (44,95€/70 cl), com sete botânicos e três tipos de citrinos diferentes, laranja, tangerina e toranja, alguns deles apanhados à mão no Douro.

  • Restaurantes
  • Leça da Palmeira
  • preço 4 de 4

Entre 90€ e 210€

Construída sobre as rochas, de mãos dadas com o mar, a Casa de Chá da Boa Nova é um dos projectos mais emblemáticos do arquitecto Álvaro Siza Vieira. Classificada como Monumento Nacional, esteve abandonada durante vários anos, até que, em 2014, o chef Rui Paula abriu aqui um restaurante, com o qual conquistou duas estrelas Michelin, em 2016 e 2019. 

Mas os prémios não páram de chegar a este restaurante em Leça da Palmeira, Matosinhos. Na segunda edição dos World Culinary Awards, um "evento irmão" do World Travel Awards, a Casa de Chá da Boa Nova recebeu este mês o troféu de “Melhor Restaurante de Portugal 2021”. Para esta categoria, estavam também nomeados A Travessa, Basque, Belcanto, Epur, Feitoria, Grenache, Il Gallo d’Oro e Gambrinus. 

O restaurante tem dois menus “Por mares nunca antes navegados”, um com produtos do mar e outro completamente vegetariano. Ambos podem ter seis, 12 ou 21 momentos. Os preços vão dos 90€ aos 210€, sem harmonização de vinhos. Se preferir, pode sempre pedir à carta.

 

Publicidade
Um concurso sobre vinhos do Porto da Quinta da Boeira
©DR

Um concurso sobre vinhos do Porto da Quinta da Boeira

Entre os 100€ e os 125€

A Quinta da Boeira pôs recentemente à venda no mercado o Boeira Tasting Pack, provavelmente um dos mais divertidos passatempos para esta estação fria, sobretudo para quem é fã de vinhos fortificados. O pack é composto por um livro que conta a história da Quinta da Boeira, erguida no século XIX em Vila Nova de Gaia; fala sobre o sector do vinho do Porto; conta algumas curiosidades sobre o mesmo; dá indicações ideais de prova e do tipo de copo a usar; apresenta uma descrição dos vinhos e uma folha de registos; bem como desafia para um concurso entre familiares e amigos.

Dentro do pack há, portanto, sete miniaturas de 100ml que perfazem, no seu conjunto, 110 anos de vinho do Porto. Vai encontrar um Porto 10 anos, um com 20 anos, outro com 30, e um com 40. Há ainda um Branco Diamond, um Ruby e um Reserva Tawny para experimentar. Cada um com a sua tonalidade caramelo, mais ou menos carregada, correspondente aos anos de envelhecimento do vinho. O Boeira Tasting Pack está à venda na loja online e nas principais garrafeiras do país.

Mais Natal

  • Coisas para fazer
  • Mercados e feiras

Na altura de comprar os presentes de Natal, escolha o comércio tradicional, as feiras e mercados, em vez das grandes superfícies. É a melhor forma de conseguir prendas originais. Além disso, a melhor altura para apoiar os pequenos produtores, artesãos e criadores é precisamente agora. Aqui vai conseguir encontrar produtos de doçaria e padaria, queijos e enchidos, frutos secos e frutas desidratadas, especiarias e ervas aromáticas, mel e compotas, vinhos e licores, roupa e calçado, luvas e cachecóis, brinquedos e bonecas, têxteis de mesa, peças de arte e ainda figuras para adornar o presépio e colorir a sua casa com a magia do Natal. Tudo isto em mercados iluminados e decorados a rigor, para se embrenhar no espírito natalício.

Recomendado: As melhores coisas para fazer no Porto no Natal

  • Restaurantes

O Natal, a passagem de ano e o Dia de Reis estão ao virar da esquina e não podem faltar umas quantas iguarias para adoçar ainda mais a quadra. Panetone, troncos de Natal para todos os gostos, rabanadas, bolos de gelado feitos à sua medida, brigadeiros, éclairs e pavlovas especiais são algumas das possibilidades que encontra nestes sítios para encomendar doces para as festas. Alguns dos lugares que sugerimos também apostam nos clássicos, mas, se precisar de mais dicas, pode consultar as nossas listas de sítios para comprar bolo-rei ou rabanadas

Recomendado: Dez presentes de Natal para o amigo foodie

Publicidade
  • Compras

Há quem considere o acto de fazer compras muito terapêutico. A pensar em todos os shopaholics que não querem (nem podem) sair do conforto da sua casa, fizemos esta lista com 20 lojas online portuguesas. Desde joalharia, sapatilhas, óculos de sol ou champôs sólidos, não lhe vai faltar nada. Assim, não precisa de recorrer às marcas de fast fashion e vai conseguir apoiar pequenos negócios portugueses. Compras online também são é um boa forma de fugir às multidões que invadem as lojas de rua e centros comerciais nas épocas mais festivas do ano. 

Recomendado: As 18 melhores lojas no Porto

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade