A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Cidade Invisível
©NetflixCidade Invisível

Dezassete conteúdos em português que tem de ver na Netflix

Há conteúdos em português para ver na Netflix. Mas avisamos já: são em português, mas não de Portugal.

Escrito por
Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

A ideia era fazer uma lista com os conteúdos portugueses disponíveis na Netflix, mas rapidamente se percebeu que a oferta continua a ser escassa. A situação não deve melhorar muito nos próximos tempos, embora não faltem promessas de que a seu tempo as produções portuguesas cheguem ao serviço. Assim sendo, dizemos-lhe antes o que vale a pena ver na língua de Camões, do lado de lá do Atlântico. Desde um documentário sobre a vida do elenco do icónico filme A Cidade de Deus até séries originais brasileiras como A Irmandade ou O Mecanismo. Sem esquecer a série de animação LGBT Super Drags.

Recomendado: 25 filmes portugueses obrigatórios

Conteúdos em português que tem de ver na Netflix:

1. 3%

Foi a primeira série original brasileira produzida pela Netflix. Criada por Pedro Aguilera e protagonizada por Bianca Comparato e João Miguel, passa-se num futuro em que a elite brasileira vive numa ilha paradisíaca, longe dos bairros de lata. Na ilha não falta nada, enquanto nos bairros falta tudo. Há, no entanto, uma forma de se chegar a esta ilha: vencer o Processo, uma selecção muito dura. Como o título sugere, só 3% lá conseguirão chegar.

2. 7 Prisioneiros

De forma a proporcionar melhores condições de vida à sua família, aos 18 anos Mateus aceita um trabalho numa sucata localizada em São Paulo. Mas acaba preso no perigoso mundo do tráfico de seres humanos. Um premiado filme realizado por Alexandre Moratto, com Rodrigo Santoro e Christian Malheiros, actor menos famoso deste lado do oceano, mas com quem Moratto já tinha trabalho na longa-metragem Socrates.

Publicidade

3. Afronta!

Nesta série documental, da cineasta Juliana Vicente, pensadores afro-brasileiros partilham os seus percursos individuais e abordam temas como representação, empreendedorismo e comunidade. Ao todo são 26 episódios de 15 minutos cada, gravados em diversas cidades brasileiras, como Bahia, Minas Gerais, Recife e Rio de Janeiro, mas também com passagem pelos EUA. Entre as personalidades e artistas entrevistados, encontram-se as cantoras Tássia Reis e Raquel Virgínia, os rappers Rincon Sapiência, Tasha e Tracie e os produtores culturais Jack e Miranda.

4. A Metamorfose dos Pássaros

A realizadora portuguesa Catarina Vasconcelos assina este filme autobiográfico, no qual fala do efeito da morte da avó sobre o seu pai, no da morte da mãe sobre ela, quando tinha 17 anos, e na relação que passou a ter como aquele a partir daí.

Publicidade

5. Boca a Boca

Neste thriller brasileiro, que decorre na fictícia cidade de Progresso, vários adolescentes começam a apresentar sintomas de uma doença misteriosa, que é transmitida pelo beijo e se dissemina rapidamente numa isolada comunidade rural, deixando as famílias em pânico. Com um enredo negro e contemporâneo, esta série não só retrata os desejos de uma juventude inserida numa sociedade onde reinam o medo e a desconfiança como aposta na crítica social.

6. Bom dia, Verônica

Baseada no romance homónimo de Andrea Killmore, nome artístico com que a criminóloga Illana Casoy e o autor Raphael Montes assinam a obra, esta série policial brasileira acompanha Verónica Torres, funcionária da Delegacia de Homicídios de São Paulo, que se embrenha em duas investigações plenas de acção e suspense para ajudar vítimas de violência e injustiça. Pelo meio, descobre toda uma rede de conspiração.

Publicidade

7. Cidade Invisível

Nesta produção original da Netflix brasileira, um inspector ambiental descobre, após uma tragédia familiar, várias criaturas míticas a viver entre os humanos e apercebe-se de que elas têm a chave para o seu misterioso passado. Com realização de Carlos Saldanha, responsável por sucessos de cinema como Idade do Gelo e Rio, a produção já foi renovada para uma segunda temporada.

8. Cidade de Deus – 10 Anos Depois

Uma década depois da estreia de Cidade de Deus (2002), de Fernando Meirelles, os documentaristas Cavi Borges e Luciano Vidigal reuniram alguns dos principais actores e a equipa do icónico filme para tentarem perceber o que tinha mudado nas suas vidas desde então. O documentário devia ter-se estreado em 2012 (os tais “dez anos depois” a que o título alude), mas a montagem foi custosa, em todos os sentidos da palavra, e atrasou-se por mais alguns anos.

Publicidade

9. Coisa Mais Linda

Lançada em 2019, foi uma das séries mais faladas desse ano, o que lhe valeu uma segunda temporada. Com Maria Casadevall, Patrícia De Jesus e Fernanda Vasconcellos no elenco principal, a história passa-se no Rio de Janeiro dos anos 1950, onde a bossa nova e a cachaça andam de mãos dadas. Maria Luiza, uma mulher de São Paulo decide deixar a família conservadora e mudar-se para o Rio depois do seu marido a ter deixado e desaparecido na cidade maravilhosa a pretexto de abrir um restaurante. Ela resolve ir atrás dele, mas acaba por se apaixonar e abrir um bar em que descobre um novo mundo liberal e artístico.

10. Democracia em Vertigem

Realizado por Petra Costa, Democracia em Vertigem narra um dos períodos político-sociais mais conturbados na história do Brasil. O filme, que foi uma das apostas da Netflix para o Óscar de Melhor Documentário, mergulha no processo de destituição de Dilma Rousseff, no desenrolar da operação Lava-Jato, até à conjuntura que viria a eleger Jair Bolsonaro.

Publicidade

11. Desterro

Primeira longa-metragem de ficção da brasileira Maria Clara Escobar, Desterro é uma co-produção entre Portugal e Brasil. Farta da sua vida feita de rotinas, uma mãe de família desaparece subitamente, deixando o marido e filho sem saberem o que fazer.

12. Glória

Esta série assinada por Pedro Lopes e realizada por Tiago Guedes foi a primeira portuguesa feita expressamente para a Netflix (em co-produção com a RTP) e é um grande passo na direcção certa para a nossa ficção televisiva. Glória apresenta um investimento e valores de produção muito pouco habituais no nosso meio, um muito apreciável esforço de recriação do Portugal no tempo da Guerra Fria e do conflito no Ultramar, bem como uma ambição narrativa invulgar por estas paragens. Venham mais assim.

Publicidade

13. Irmandade

É mais uma aposta original da Netflix a entrar no catálogo, protagonizada por Seu Jorge, Naruna Costa, Hermila Gomes e Lee Taylor. Recuando aos anos 1990, Cristina, uma advogada honesta descobre que o irmão desaparecido está, afinal de contas, preso e que é do estabelecimento prisional que comanda uma facção criminosa. Tudo muda quando a polícia pede a Cristina que se aproxime do irmão e trabalhe como infiltrada. 

14. Mar

Neste filme de Margarida Gil, Francisca (Maria de Medeiros), bela e viúva aos 50 anos, pensa num futuro tranquilo quando pela frente surge uma oportunidade de mudança que ela abraça e a leva a embarcar no veleiro À Flor do Mar. Com Pedro Cabrita Reis, Catarina Wallenstein, Nuno Lopes e Augusto Amado, a aventura de Francisca evoca a “epopeia marítima portuguesa” e sugere “outras reminiscências”.

Publicidade

15. Mundo Mistério

O que é que torna o Triângulo das Bermudas tão misterioso? É possível viajar no tempo? Como eram os cães na pré-história? Nesta série educativa, o brasileiro Felipe Castanhari, criador e apresentador do Canal Nostalgia, decifra, com humor e ciência, estes e outros mistérios e maravilhas do planeta Terra. Mas não o faz sozinho: conta ainda com a Dra. Tayane (Lilian Regina), cientista responsável pelo departamento de investigação do Complexo Curie, onde decorre a série; Betinho (Bruno Miranda), o encarregado de limpeza; e o super-computador Briggs, com dobragem de Guilherme Briggs.

16. Ninguém Tá Olhando

Ulisses é um Angelus (uma espécie de anjo da guarda) que não é um grande adepto das quatro básicas e milenares regras. Como aquela muito importante de não aparecer para os humanos. Esta divertida série brasileira sagrou-se vencedora de um Emmy Internacional na categoria Comédia.

Publicidade

17. O Mecanismo

Criada e escrita por José Padilha e Elena Soarez, O Mecanismo é uma série de ficção inspirada na história verídica da operação Lava-Jato. Um esquema de lavagem de dinheiro que movimentava milhares de milhões de reais em subornos, comprometendo altos quadros da empresa petrolífera estatal Petrobrás, presidentes de grandes empresas de sectores como o da construção civil e membros de toda a classe política. É considerado o maior escândalo de corrupção de todos os tempos no Brasil.

18. Pôr do Sol

Sara, de Marco Martins, já se tinha metido com as telenovelas, mas apenas tangencialmente. Pôr do Sol fá-lo em grande e num registo que combina o humor nonsense e a farsa. A série tem coisas boas e outras falhadas. É como disparar com chumbos: uns acertam no alvo, outros passam muito ao lado. Mas é bom que alguém tenha decidido atirar-se ao hambúrguer de minhoca da ficção televisiva que é a telenovela. E é bastante divertido ver muitos actores que habitualmente entram nelas a fazer aqui gato sapato das respectivas e estereotipadíssimas personagens. Até o Toy faz parte da paródia.

Publicidade

19. Reality Z

Co-produção da Netflix e da Conspiração Filmes, esta série de terror é uma versão brasileira da britânica Dead Set. O enredo centra-se nos concorrentes de um reality show que, abrigados num estúdio de televisão, vão ter de sobreviver aos mortos-vivos, que atacaram o Rio de Janeiro. E aos próprios vivos, que querem ditar como se viverá a nova realidade. 

20. Super Drags

Imagine as Powerpuff Girls em versão drag queen. Durante o dia, trabalham numa loja. À noite, vestem-se de superdivas e protegem a comunidade LGBT com muito glitter à mistura. É assim esta série de animação original da Netflix, produzida pelo brasileiro Estúdio Combo e criada por Anderson Mahanski, Fernando Mendonça e Paulo Lescaut. A série é feita a pensar na comunidade LGBT, mas não só. Como dizia há tempos o Fernando Mendonça, “é um show para quem gosta de comédias sem limites e humor”.

Mais para ver na Netflix:

  • Filmes

As minisséries têm vantagens relativamente às séries e aos filmes. Por um lado, não se arrastam demasiado (como um certo drama médico), por outro, permitem desenvolver melhor a história e os personagens. Se não tem paciência para um sem fim de temporadas, mas apetece-lhe fazer uma maratona ao fim-de-semana (ou, por que não, apenas num dia), há pelo menos seis minisséries na Netflix que vale a pena ver. Adaptações de livros ou narrativas inspiradas em casos reais, mistérios policiais ou dramas, há propostas para todos os gostos. Só tem de escolher.

Recomendado: As melhores séries para ver na Netflix

  • Filmes

Começou timidamente em Portugal, com uma mão cheia de bons conteúdos e algumas apostas menos conseguidas. Com o passar dos anos, ganhou terreno, fez muitos de nós trocar as noitadas na rua pelas noites no sofá e na cama, e é difícil imaginar a vida sem saber que a temos ali. Filmes, séries, documentários, docusséries, há muito material para ver e fazer verdadeiras maratonas visuais sem sair de casa (e mesmo se o quiser fazer, é só levá-la no telefone). Junte-se à febre do streaming e conheça as melhores séries para ver na Netflix.

Recomendado: As 25 melhores séries de comédia

Publicidade
  • Filmes
  • Documentários

Nem só de grandes séries se faz a gigante do streaming. Os documentários são, nos últimos anos, outras das razões do sucesso da Netflix e parecem despertar cada vez mais atenção; pelo factor humano, pela curiosidade, porque as grandes histórias precisam sempre de ser contadas, mas nem sempre precisamos de um filme ou, lá está, de uma série. A crueza da realidade é muitas vezes a receita necessária ao sucesso, e o registo documental é o epicentro desse olhar. Estes são os 15 documentários na Netflix que tem mesmo de ver.

Recomendado: Três documentários sobre sustentabilidade para ver em casa

  • Filmes

Vamos à parte honesta: a adolescência é um interminável conjunto de situações estranhas, experiências novas, inesperadas, castigos sociais, dores de crescimento, paixões não correspondidas (ou sim). É também um poço sem fundo para todo o tipo de urgências, porque tudo é hoje, porque crescer é a única coisa que interessa, porque a idade adulta parece incrível. E como é que se retrata tudo o que cabe na psique de um teenager? Não há uma resposta empírica. O que há, são tentativas infindáveis, ao longo de décadas, em traduzi-las no ecrã para que tudo pareça um bocadinho mais simples. E a Netflix tem no seu catálogo alguns dos títulos que vão resumindo – mal ou bem – aqueles anos. Eis dez filmes de adolescentes para ver na Netflix.

Recomendado: Filmes baseados em livros para ver na Netflix

 

Publicidade
  • Filmes

Se pensou em Harry Potter ou em O Senhor dos Anéis, tire o cavalinho da chuva, porque fomos à procura de títulos menos óbvios. Desde o clássico Boneca de Luxo (1961) ao recente A Sua Última Vontade (2020), apostamos em como não fazia ideia que alguns destes títulos são adaptações de livros e até de livros sobre histórias verídicas, como a de um jovem abandonado na adolescência que se viria a tornar uma estrela do futebol. Curioso? Só tem de se fechar em casa a conferir se “o livro é melhor que o filme”. Se ainda não leu os livros, bem, o melhor é começar agora.

Recomendado: Filmes originais Netflix que tem de ver

  • Filmes

A história do cinema de terror já vai longa. Desde o início do século XX que inúmeros realizadores expandem e redefinem os limites do género. Esta amplitude referencial e estética está bem patente na nossa lista dos 100 melhores filmes de terror de sempre. Já a oferta de filmes de terror na Netflix é muito limitada, mas encontram-se lá clássicos absolutos como A Semente do Diabo (1968, na foto), de Roman Polanski, ou Shining (1980), de Stanley Kubrick. E uns quantos filmes mais recentes, com destaque para Um Lugar Silencioso (2018), de John John Krasinski.

Recomendado: Férias de terror em oito filmes

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade