A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Televisão, Séries, Drama, Guerra, The Underground Railroad (2021)
©DRThe Underground Railroad

Oito séries para ver em Maio

Esmiuçámos as grelhas para perceber que ficção nos vai chegar nos próximos dias. Eis oito séries para ver em Maio.

Escrito por
Hugo Torres
Publicidade

O mês que aí vem é ideal para um último esforço no sofá, antes que o sol reduza a cinzas a disposição para a vida doméstica. A principal estreia em Maio é The Underground Railroad, realizada por Barry Jenkins para a Amazon Prime Video. Mas há mais estreias a ter debaixo de olho, como Star Wars: O Lote Estragado, na Disney+, ou O Legado de Júpiter, a primeira criação de Mark Millar para a Netflix. Além das novas temporadas de Love, Death & Robots e O Método Kominsky da Netflix. Prepare-se para o que aí vem e decida qual destas séries em Maio vai ver primeiro.

Recomendado: Onze minisséries da Netflix que vale a pena ver

Oito séries para ver em Maio:

Star Wars: O Lote Estragado

A 4 de Maio, como é habitual, a Força está connosco. Desta feita sob a forma de uma série de animação, que continua um dos fios narrativos de Star Wars: Ataque dos Clones (cujas sete temporadas, produzidas entre 2008 e 2020, também estão disponíveis no Disney+). Centra-se no destino dos clones experimentais do Lote Estragado, geneticamente diferentes dos elementos do Exército de Clones e cada qual com um poder extraordinário.

Disney+. Estreia a 4 de Maio.

O Legado de Júpiter

Fãs de super-heróis, aproximem-se. O primeiro milho é para vossas excelências, que são falcões. Têm aqui nutritivo alimento para os intervalos entre refeições Marvel e DC. Trata-se de uma adaptação dos comics criados por Mark Millar (Kick-Ass, Kingsman) e Frank Quitely (The Authority), em que a nova geração de super-heróis se bate com o legado da anterior, que entre ideais beneméritos criou uma distopia autoritária. Problema: a juventude está minada pelo privilégio em que cresceu... Com Josh Duhamel, Ben Daniels e Leslie Bibb.

Netflix. Estreia a 7 de Maio.

Publicidade

Vincenzo

Produção sul-coreana procura espectador para relação duradoura: 20 episódios, alguns dos quais perigosamente próximos da hora e meia de duração, mais um especial. Vincenzo pede muito, mas compensa. É uma comédia negra que segue Park Joo-hyung (Song Joong-ki), um jovem consigliere da máfia italiana que regressa à Coreia do Sul e tenta assegurar uma reforma dourada. E vai ter de servir-se de expedientes aprendidos em Itália.

Netflix. Estreia a 9 de Maio.

Rocco

Transferido de Roma para uma cidadezinha nos Alpes, o subintendente da polícia Rocco Schiavone (Marco Giallini) é um homem amargo, rude, até pedante, e vai deixar claro todo o seu desprezo pela província italiana, pela população local e pelos seus superiores hierárquicos. Mas isso não o impede de ser o melhor agente do país no que toca à investigação criminal. Nem que para isso tenha de cometer uma ilegalidade ou outra...

AMC. Estreia a 12 de Maio (22.10).

Publicidade

The Underground Railroad

Seguimos para o cinema em casa. É o que se espera da estreia do oscarizado Barry Jenkins aos comandos de uma série de televisão, tanto mais filmando uma história como esta. O realizador de Moonlight adapta a história alternativa, em que a rede de rotas e esconderijos que os escravos usavam nos EUA do século XIX para fugir para estados livres, a Underground Railroad, é literal: uma ferrovia subterrânea a operar a todo o vapor.

Amazon Prime Video. Estreia a 14 de Maio.

Back to Life

Se dissermos que esta comédia negra tem o cunho dos produtores de Fleabag, a comédia negra mais adorada dos últimos anos, parece que estamos a fazer subir as expectativas. E estamos. O talento de Phoebe Waller-Bridge é imenso, mas Daisy Haggard não lhe fica atrás (papás e mamãs, já viram Breeders na HBO? Corram). Aqui, interpreta Miri, uma ex-presidiária que volta à sua cidadezinha após 18 anos no cárcere. E toda a gente a odeia.

Filmin. Estreia a 14 de Maio.

Publicidade

Love, Death & Robots

Eis o que acontece quando David Fincher, na sua faceta de produtor televisivo (House of Cards, Caçador de Mentes) une esforços com o realizador de Deadpool, Tim Miller. Uma série antológica, de animação para adultos, com uma adesão entusiástica do público e cinco Emmys na prateleira. Os oito episódios deste segundo "volume" prometem estar à altura do primeiro, contando agora com Jennifer Yuh Nelson (O Panda do Kung Fu 2 e 3). Acção, ficção científica, terror ou comédia violenta: o existencialismo é gender free.

Netflix. Estreia a 14 de Maio (T2).

O Método Kominsky

Todos os encómios do mundo seriam insuficientes para descrever esta comédia dramática de Chuck Lorre, o gigante das sitcoms lá para os lados de Hollywood. Esta será a terceira e última temporada da série, que acompanha um actor esquecido e a braços com a velhice (Michael Douglas), num finíssimo equilíbrio entre o existencialismo e o humor afiado. Problema: Alan Arkin não voltará ao papel do agente e amigo de Douglas. Era ele a estrela.

Netflix. Estreia a 28 de Maio (T3).

Mais séries para ver:

  • Filmes

As listas, como quase tudo nesta vida, são relativas. Mas depois de enchermos uma espécie de conselho de administração com loucos de séries televisivas e outros consultores da redacção da Time Out, chegámos a estas 25. Portanto, se vai começar a disparar insultos e a pedir justificações para as suas séries de comédia preferidas não estarem aqui avisamos já que não vai ter sucesso. Podiam ser outras, mas são estas. E pedimos desculpa às que ficaram de fora. Mais um alerta à tripulação: estas séries de comédia estão ordenadas apenas por ordem alfabética, que não queremos alimentar ainda mais a polémica. Ria-se connosco.  Recomendado: Séries a não perder este mês

  • Filmes

Começou timidamente em Portugal, com uma mão cheia de bons conteúdos e algumas apostas menos conseguidas. Com o passar dos anos, ganhou terreno, fez muitos de nós trocar as noitadas na rua pelas noites no sofá e na cama, e é difícil imaginar a vida sem saber que a temos ali. Filmes, séries, documentários, docusséries, há muito material para ver e fazer verdadeiras maratonas visuais sem sair de casa (e mesmo se o quiser fazer, é só levá-la no telefone). Junte-se à febre do streaming e conheça as melhores séries para ver na Netflix. Recomendado: As 25 melhores séries de comédia

Publicidade
  • Filmes

Ter menos coisas é sinónimo de mais tempo e liberdade para fazer o que lhe dá prazer. Mas ser minimalista não significa abdicar de todas as suas posses materiais nem deixar de consumir. Significa, sim, livrar-se do que não é essencial e aprender a consumir melhor. Para o ajudar a pôr a vida em ordem, reunimos duas séries e dois documentários sobre o poder do menos. Desde Joshua Fields Millburn e Ryan Nicodemus, do movimento The Minimalists, até à guru da organização Marie Kondo, estes são os professores e as lições de que precisa para aprender mais sobre minimalismo, organização, casas pequenas e desperdício zero.

Recomendado: Três documentários sobre sustentabilidade para ver em casa

 

  • Filmes

É verdade que os serviços de entrega de comida continuam a levar o melhor dos restaurantes às nossas casas, mas não é a mesma coisa. Ainda bem que existem séries e documentários que ajudam a matar saudades das histórias dos chefs, das paredes dos restaurantes, e muito mais. Há de tudo nesta ementa: desde clássicos modernos, como Anthony Bourdain: No Reservations e Jiro Dreams of Sushi, a fenómenos mais recentes, como Ugly Delicious. E sim, bem sabemos que o efeito destas incursões audiovisuais não é propriamente o que queremos, tendo em conta que há pouco mais a fazer do que fazer rusgas ao frigorífico. Esta lista é para comer tudo com os olhos e nada com a boca. O que já não é pouco.

Recomendado: 80 restaurantes no Porto com entregas take-away

Publicidade
  • Filmes

Há cada vez mais e melhores séries de super-heróis na televisão. Dos personagens da DC no chamado Arrowverse do canal CW – Arrow, The Flash, Legends of Tomorrow e Supergirl – à comitiva da Marvel na Netflix – Demolidor, Jessica Jones, Luke Cage, Punho de Ferro, Os Defensores e O Justiceiro –, passando pelos inúmeros vigilantes (e não só) que se desdobram por outros canais e plataformas, sem se inserirem num complexo universo partilhado, com Watchmen da HBO à cabeça.

Mas não é de agora que há super-heróis na televisão: há uma ou outra velha série que merece ser revista. A começar pelos desenhos animados de Batman dos anos 90.

Recomendado: 12 grandes filmes de piratas

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade