Notícias / Vida urbana

Refúgio Cultural: vale a pena conhecer os projectos destes refugiados

Refúgio Cultural: vale a pena conhecer os projectos destes refugiados
@Arlindo Camacho

Fugir da guerra e encontrar em Portugal um refúgio, um porto seguro para quem mais nada tem e precisa de se reconstruir do zero. Marta Trindade, da associação Para Onde?, conhece muitas histórias destas e decidiu juntá-las para dar a conhecer as vidas distantes de alguns refugiados residentes em Lisboa. Agora vamos poder conhecê-las no Refúgio Cultural, o evento que acontece pela primeira vez este sábado nos Anjos70.

“Senti que conhecia muito mais a situação dos refugiados noutros países do que em Portugal”, afirma Marta. “É difícil que as organizações oficiais abram as portas e respondam ao que quer que seja sobre refugiados, por isso pensámos em chamar estes projectos para participarem no evento.”

O Marhaba – Médio Oriente À Mesa é o mais conhecido dos quatro projectos que picam o ponto no Refúgio Cultural. Os envolvidos chegaram a Portugal vindos da Síria, Palestina e Eritreia, tiveram empregos no marketing, turismo ou educação, mas em Lisboa é na cozinha que se começam a integrar. Divididos em dois grupos, o da Eritreia e o da Síria/Palestina, Awet, Mohamed, Teckle, Nizar, Fayd e Shadey trazem com eles marcas de guerra, mas sobretudo da cultura de cada um dos países de origem.

Vão-se revezando entre brunches temáticos servidos na Casa Independente e os almoços de sexta-feira na Renovar a Mouraria. Marhaba, que significa “bemvindo” em árabe, é um sentimento comum a estes homens desde que pisaram solo português. E é da mesma forma que querem que os lisboetas os sintam: “bem-vindos nas suas culturas tão distintas, utilizando a gastronomia como ponto de partida” para se darem a conhecer, conta-nos Awet.

No sábado, vão estar nos Anjos70 com as mãos na massa para dois workshops de comida árabe. Nizar e Awet, cozinheiros do grupo da Síria e da Eritreia, respectivamente, não escondem o grande objectivo: “ter um restaurante Marhaba, e eventualmente expandir o projecto para outras cidades, através de uma food truck”, revelam.

A querer conquistar os portugueses pelo estômago está também o Tayybeh, um projecto para apoiar sírias refugiadas que não conseguiram acabar os estudos ou que não conseguem arranjar emprego. Tudo através da comida caseira. “Somos apenas humanos com experiências e podemos ser úteis na sociedade. Queremos mostrar que conseguimos”, afirma Ramia Abdulghani, engenheira síria que lidera a actual equipa de quatro mulheres do projecto.

Ramia tem objectivos bem definidos: quer tornar o Tayybeh numa marca conhecida e dar cursos de cozinha. A primeira aula será no Refúgio Cultural, de comida tradicional do seu país, uma espécie de treino para o futuro do Tayybeh. “Queremos criar boa impressão e mostrar aos portugueses que a Síria não é só guerra. Temos muita coisa saborosa.”

Outras artes e ofícios 

Sem sair da Síria, mas já por cá, anda Maysa, do projecto Amal Soap. Maysa e a família “querem mostrar algo da sua cultura” e fazem sabonetes com uma receita tradicional da cidade síria de Aleppo que vão estar à venda numa banca durante o evento. Encaram o Amal Soap como uma alavanca de sustento para ajudar na integração social de mulheres sírias com base em elementos de identidade étnica.

E é precisamente nessa identidade étnica que grande parte destes projectos se apoia, tudo para que a integração se torne um processo mais natural. É exactamente isso que Mohamad Abou Ras faz nas Mãos Árabes, o projecto que vai estar no Refúgio Cultural a ensinar caligrafia árabe, a tatuar os corajosos com hena e a vender peças de lã feitas à mão. “Sei das dificuldades dos refugiados e comecei a pensar como podia ajudar através da experiência que cada pessoa tinha”, conta Mohamad.

“Não podemos fazer de conta que não sabemos que estão em Lisboa a tentar integrar-se. E não lhes está a ser facilitada a vida para uma integração fácil”, conclui Marta Trindade, que anseia pelo evento deste sábado, que quer quebrar estereótipos em torno de quem vai semeando esperanças e colhendo frutos dos desafios de recomeçar a vida do zero. 

Anjos 70. Regueirão do Anjos, 70. Sáb a partir das 12.00. Entrada livre. 

Mais coisas para fazer em Lisboa no fim-de-semana: 

+ Quatro dias de copo na mão: há mais de dois mil vinhos à prova na FIL

+ OLX Live Market: mercado terá edição solidária para apoiar as vítimas dos incêndios

 

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments