Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Dez versões clássicas de “How Long Has This Been Going On?”
Música, Jazz, Peggy Lee
©DR Peggy Lee

Dez versões clássicas de “How Long Has This Been Going On?”

Uma canção dos Gershwin que compara a primeira experiência amorosa com a descoberta do Novo Mundo por Colombo

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

“How Long Has This Been Going On?” foi composto em 1927, por George & Ira Gershwin, para o musical Funny Face, mas acabou por ser suprimida do alinhamento ao fim de duas semanas e reutilizada no musical Rosalie, no qual foi estreada, a 28 de Janeiro de 1928, por Bobbe Arnst. Não despertou atenção no meio jazzístico e, embora a gravação por Peggy Lee e Benny Goodman no final de 1941 tenha logrado algum sucesso, seria preciso esperar até meados da década de 1950 para o tema ganhar verdadeira popularidade e as gravações se sucederem.

Entretanto, a canção foi sofrendo mutações, com a toada a tornar-se mais lenta e melancólica e a letra original, que contrastava os beijos que, em contexto familiar, se dão e recebem na infância, dos beijos entre adultos em contexto romântico, passou, na versão de Ella Fitzgerald, a contrastar os beijos dados a troco de dinheiro com os beijos nascidos da verdadeira paixão.

Recomendado: Os concertos estão de regresso ao Hot Clube, mas ainda à distância

Dez versões clássicas de “How Long Has This Been Going On?”

1. Benny Goodman & Peggy Lee

Ano: 1941
Álbum: Benny Goodman Featuring Peggy Lee (Columbia)

Em 1941, Benny Goodman, que buscava uma substituta para a cantora Helen Forrest, que deixara a sua orquestra para seguir carreira a solo, deparou-se num nightclub de Chicago com uma talentosa rapariga de 21 anos: Peggy Lee. Lee foi de imediato recrutada para a orquestra e entre Agosto e Dezembro de 1941 Goodman e Lee gravaram 16 canções, que foram, décadas depois, compiladas em Benny Goodman Featuring Peggy Lee.

2. Chris Connor

Ano: 1954
Álbum: Sings Lullabys for Lovers (Bethlehem)

Em 1953, Chris Connor tomou o lugar de June Christy como cantora da orquestra de Stan Kenton, mas só ficaria até ao final desse ano, por achar a agenda de concertos extenuante. Em 1954, iniciou carreira em nome próprio na Bethlehem, com dois LP de 10’’e oito temas cada: Sings Lullabys for Lovers, com o trio de Ellis Larkins; e Sings Lullabys for Lovers, em que é acompanhado pelo combo do contrabaixista Vinnie Burke com Ron Odrich (flauta e clarinete), Don Burns (acordeão), Joe Cinderella (guitarra) e Art Mardigan (bateria), e que inclui “How Long Has This Been Going On?”.

Publicidade

3. Zoot Sims & Bob Brookmeyer

Ano: 1956
Álbum: Tonite’s Music Today (Storyville)

O saxofonista Zoot Sims, que começara a gravar em nome próprio em 1950, e o trombonista Bob Brookmeyer, que se estreara nessa qualidade em 1954, surgem como co-líderes deste álbum de título ambicioso, cuja secção rítmica é formada por Hank Jones (piano), Wyatt Reuther (contrabaixo) e Gus Johnson (bateria). “How Long Has This Been Going On?” é alvo de uma leitura lenta e romântica, com diálogo elaborado entre os dois sopros, à maneira dos “quartetos sem piano” de Gerry Mulligan, de que Brookmeyer fizera parte.

4. Buddy Collette & Chico Hamilton

Ano: 1956
Álbum: Tanganyika (Dig)

O álbum Tanganyika foi gravado por um sexteto com John Anderson (trompete), Jim Hall (guitarra), Gerald Wiggins (piano) e Curtis Counce (contrabaixo), co-liderado pelo clarinetista Buddy Collette e pelo baterista Chico Hamilton, que já se conheciam bem, uma vez que Collette fora membro do quinteto de Hamilton em 1955-56.

Embora Collette seja, por larga margem, o principal compositor do disco, a liderança deste sexteto de estrelas não é muito clara, pelo que, três anos depois, o álbum foi reeditado pela Tampa com o título Star Studded Cast e creditando a autoria como colectiva, enquanto noutras reedições a liderança foi atribuída a Hamilton, talvez por este ter, entretanto, ganho maior notoriedade do que Collette, cuja carreira como líder se concentrou na década entre 1956 e 1966 (e em particular nos anos 1956-59, em que gravou 13 álbuns).

Publicidade

5. Tommy Flanagan

Ano: 1957
Álbum: The Cats (New Jazz)

Também há ambiguidade no que respeita à liderança da sessão que gerou o álbum The Cats, gravado para a New Jazz, uma chancela da Prestige, por um quarteto de Prestige All Stars – Flanagan, Idrees Sulieman, o saxofonista John Coltrane e o guitarrista Kenny Burrell –, com acompanhamento de Doug Watkins (contrabaixo) e Louis Hayes (bateria). O pianista Tommy Flanagan (1930-2001), que se estreara em nome próprio nesse mesmo ano, com o álbum Overseas, em 1957, parece ser, na prática, o líder da sessão, uma vez que são suas quatro das cinco composições do álbum – a excepção é “How Long Has This Been Going On?”, tocado em trio, com Flanagan e discreto acompanhamento de Watkins e Hayes.

6. Sarah Vaughan

Ano: 1957
Álbum: Sings George Gershwin (Verve)

É possível que a aclamação com que foram recebidos os de Song Books de Cole Porter (1956) e Rodgers & Hart (1956) por Ella Fitzgerald tenha motivado Vaughan a fazer algo similar. O Song Book de Gershwin teve arranjos de Hal Mooney.

Publicidade

7. Carmen McRae

Ano: 1958
Álbum: Book of Ballads (Kapp)

Entre a sua estreia em nome próprio, em 1953, com A Foggy Day with Carmen McRae, e Dezembro de 1958, quando Book of Ballads foi registado, McRae gravara uma dúzia de álbuns. O seu opus 14 é constituído por uma dúzia de baladas com sóbrios arranjos de Frank Hunter e acompanhamento de Don Abney (piano), Joe Benjamin (contrabaixo), Charlie Smith (bateria).

8. Ella Fitzgerald

Ano: 1959
Álbum: Ella Fitzgerald Sings the George & Ira Gershwin Song Book (Verve)

O Song Book dedicado a Gershwin foi o mais imponente da série gravada por Ella, com 59 canções, com arranjos de Nelson Riddle, distribuídas por cinco LPs. “How Long Has This Been Going On?” tem atmosfera dolente e arranjos elaborados, que fazem pensar mais na tradição erudita do que no jazz.

Ella parece ter tido especial apreço por “How Long Has This Been Going On?”, pois já incluíra a canção no álbum Like Someone in Love (1957) e regressou a ela em Ella & Oscar (1975).

Publicidade

9. Stan Kenton

Ano: 1962
Álbum: Sophisticated Approach (Capitol)

Uma dúzia de standards, quase todos bem conhecidos, meticulosamente arranjados por Lennie Niehaus e tocados por uma orquestra precisa como um mecanismo de relojoaria. O “sofisticado” no título é plenamente justificado e “How Long Has This Been Going On?” ganha, nalguns trechos, dramatismo e densidade admiráveis.

10. Ben Webster

Ano: 1962
Álbum: Wanted to Do One Together (Columbia)

Embora Wanted to Do One Together (posteriormente reeditado como Ben & Sweets) seja co-creditado ao saxofonista Ben Webster e ao trompetista Harry “Sweets” Edison, a versão lenta e intimista de “How Long Has This Been Going On?” conta apenas com Webster como solista. A secção rítmica é formada por Hank Jones (piano), George Duvivier (contrabaixo) e Clarence Johnston (bateria).

Mais versões

Thelonious Monk
@William P. Gottlieb

Dez versões clássicas de “‘Round Midnight”

Música Jazz

Sendo o jazz uma música eminentemente nocturna, não é de admirar que“‘Round Midnight” se tenha tornado numa das suas composições mais populares, sendo alvo de mais um milhar de versões. Estas dez são imprescindíveis.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade