10 versões clássicas de “‘Round Midnight”

Sendo o jazz uma música eminentemente nocturna, não é de admirar que“‘Round Midnight” se tenha tornado numa das suas composições mais populares, sendo alvo de mais um milhar de versões. Estas dez são imprescindíveis
Thelonious Monk
@William P. Gottlieb
Por José Carlos Fernandes |
Publicidade

Thelonious Monk terá composto “‘Round Midnight” em 1940-41, mas só registou a composição em 1944, ano em que foi alvo de uma primeira gravação por Cootie Williams, que lhe introduziu alguns embelezamentos – o mesmo fez Dizzy Gillespie quando a gravou em 1946. Entretanto, a composição ganhou também uma letra, da autoria de Bernie Hanighen, de forma que este Williams passaram a ser creditados como co-autores. É irónico (mas não inesperado) que se tenha transformado na mais popular composição de Monk, pois é atípica na sua produção – marcada pelo humor desconcertante, pelas dissonâncias ácidas e pelos ritmos angulosos – e nas mãos de outros músicos que não Monk tende a soar como uma belíssima e melancólica balada de recorte clássico.

A letra puxa-a ainda mais para a soturnidade: “Tudo vai bem até ao pôr-do-sol/ Pela hora do jantar invade-me a tristeza/ Mas as coisas só se tornam mesmo más/ Por volta da meia-noite// As recordações surgem por volta da meia-noite/ E eu não tenho força para lhes fazer frente/ Quando o meu coração ainda está contigo”.

10 versões clássicas de “‘Round Midnight”

Camera

Thelonious Monk

Ano: 1947
Álbum: Genius of Modern Music vol.1 (Blue Note)

Os dois volumes de Genius of Modern Music reúnem faixas provenientes de seis sessões de gravação, com diferentes músicos, realizadas entre 1947 e 1952, e foram lançados em 1951 e 1952. “‘Round Midnight” provém da sessão de 21 de Novembro de 1947, com George Tatt (trompete), Sahib Shihab (saxofone alto), Bob Paige (contrabaixo) e Art Blakey (bateria) e exibe as “idiossincrasias” típicas de Monk.

Camera

Miles Davis

Ano: 1956
Álbum:Round About Midnight (Columbia)

No início de 1955, Miles Davis estava a reemergir de um período, o início da década de 1950, de dificuldades financeiras e toxicodependência e acabara de gravar para a Prestige vários álbuns que anunciavam um regresso à primeira linha do jazz. Um deles, Bag’s Groove, gravado em 1954, contara com a participação de Monk, mas os dois músicos tinham tido um desaguisado durante as sessões. Os dois voltaram a encontrar-se no Festival de Jazz de Newport, a 17 de Julho de 1955, numa All-Star Jam Session que também contou com Zoot Sims (saxofone tenor), Gerry Mulligan (saxofone barítono), Percy Heath (contrabaixo) e Connie Kay (bateria) e a prestação de Miles em “‘Round Midnight” suscitou um entusiasmo extraordinário no público e na crítica, mas não em Monk, que entendeu que a abordagem de Miles fora incorrecta, o que levou a nova discussão entre ambos, no carro que os transportava de regresso a Nova Iorque (Monk ficou tão irritado que, a meio do caminho, pediu ao condutor que parasse o carro e saiu).

George Avakian, produtor da Columbia, estava no público de Newport e ofereceu de imediato um generoso contrato a Miles, mas este estava vinculado à Prestige, pelo que, embora pudesse gravar para outras editoras, os discos não poderiam ser editados enquanto o vínculo não fosse dissolvido.

Foi por esta altura que Miles reuniu o fabuloso quinteto com John Coltrane (saxofone tenor), Red Garland (piano), Paul Chambers (contrabaixo) e Philly Joe Jones (bateria), cuja primeira sessão de gravação, a 26 de Outubro de 1955, seria para a Columbia. “‘Round Midnight” seria registado na sessão de 10 de Setembro de 1956, mas o álbum ‘Round About Midnight, o primeiro pela Columbia, só sairia em 1957.

O título escolhido para o álbum acabaria por criar uma duradoura confusão em torno do título da composição de Monk, que é por vezes referida, equivocamente, como “‘Round About Midnight”.

Publicidade
Camera

June Christy

Ano: 1956
Álbum: The Misty Miss Christy (Capitol)

Apesar de “‘Round Midnight” ter ganho letra pouco depois de composta, só tardiamente entrou no repertório dos cantores. June Christy foi pioneira, ao incluir a canção no álbum The Misty Miss Christy, um dos nove que gravou entre 1953 e 1960 com o arranjador Pete Rugolo. Antes de Christy, a versão vocal tinha sido gravada apenas por Jackie Paris, num 78 rpm que poucos terão ouvido; depois de Christy, a canção entrou no repertório de cantoras como Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan, Carmen McRae ou Betty Carter.

Camera

Thelonious Monk

Ano: 1957
Álbum: Thelonious Himself (Riverside)

Thelonious Monk tinha a particularidade – rara nos músicos do seu tempo – de tocar quase exclusivamente temas de sua lavra – com excepções como Plays the Music of Duke Ellington, “imposto” pela editora precisamente para tentar tornar Monk mais apelativo para o público mainstream. Como Monk não era um compositor prolífico, tal significa que revisitou assiduamente o seu próprio songbook. Entre as duas dezenas de leituras que nos legou de “‘Round Midnight” está a do álbum de piano solo Thelonious Himself, que mostra bem a posição ímpar de Monk no panorama do jazz de então.

Publicidade
Camera

Gerry Mulligan & Thelonious Monk

Ano: 1957
Álbum: Mulligan Meets Monk (Riverside)

Thelonious Himself foi registado em Abril e em Agosto Monk estava de regresso a “‘Round Midnight” num contexto diverso: uma sessão co-liderada pelo saxofonista barítono Gerry Mulligan, com Wilbur Ware (contrabaixo) e Shadow Wilson (bateria). O álbum é um dos pontos altos das carreiras de Mulligan e de Monk e a forma como os dois músicos interagem em “‘Round Midnight” é antológica.

Camera

Gil Evans

Ano: 1958
Álbum: New Bottle Old Wine (World Pacific)

Esta versão em big band, por um dos mais conceituados e elegantes arranjadores do jazz dos anos 50-60, faz parte de um álbum com composições imortais de grandes nomes do jazz como Charlie Parker, Dizzy Gillespie, Fats Waller, Lester Young ou Jelly Roll Morton.

Publicidade
Camera

Michel Legrand

Ano: 1958
Álbum: Legrand Jazz (Philips)

Michel Legrand é conhecido sobretudo como compositor de bandas sonoras – foi autor de mais de 200 – mas também fez algumas incursões no jazz. Legrand Jazz surgiu quando de uma sua visita a Nova Iorque, onde teve oportunidade de fazer tocar os seus arranjos pelos mais notáveis jazzmen americanos. A sessão de 25 de Junho de 1958 que produziu “‘Round Midnight” contou com Miles Davis, Herbie Mann, John Coltrane, Bill Evans e Paul Chambers, entre outros, e a atmosfera lânguida e sofisticada tem afinidades com a da versão de Gil Evans.

Camera

Dakota Staton

Ano: 1960
Álbum: ‘Round Midnight (Capitol)

A carreira de Dakota Staton estendeu-se até ao início da década de 1990, mas não voltaria ao nível dos seus álbuns da viragem das décadas de 1950-60, como é o caso deste, com orquestra arranjada e dirigida por Benny Carter. A combinação de elegância e calor de Staton é admirável e só é pena que ela quebre o ambiente nocturno e aveludado com uma despropositada exaltação aos 2’00.

Publicidade
Camera

Stan Getz

Ano: 1960
Álbum: Cool Velvet (Verve)

Cool Velvet é um dos álbuns menos conhecidos de Getz para a Verve, mas a sua versão de “‘Round Midnight” oferece uma perspectiva diferente sobre a composição, seguindo a fórmula então usual de “sax with strings”: as cordas, arranjadas por Russell Garcia, têm por missão providenciar um fundo que realça o solista. E Getz mostra como o seu som aveludado se ajusta perfeitamente à bela melodia de “‘Round Midnight”.

Camera

Betty Carter

Ano: 1963
Álbum: ‘Round Midnight (Atco)

Betty Carter fez de “‘Round Midnight” um dos seus temas de eleição e escolheu a canção para dar título não só a este álbum em que é acompanhada por uma orquestra arranjada e dirigida por Oliver Nelson, como a um álbum ao vivo gravado em 1969, na companhia de um trio de piano, contrabaixo e bateria. A versão de 1963 está entre as mais conceituadas pela crítica, embora as afectações e idiossincrasias vocais de Betty Carter não sejam do gosto de todos.

Mais jazz

Último Tango em Paris
©DR
Música, Jazz

Nove bandas sonoras originais por músicos de jazz

Apesar da proliferação de festivais de jazz e do sucesso planetário de cantores pop que se apresentam sob o rótulo de “jazz”, o género está hoje longe de desfrutar da popularidade que atingiu na década de 1950 e nos primeiros anos da década de 1960. A prova disso é que hoje o cinema mainstream não corre o risco de ter como banda sonora jazz “puro e duro”. Na selecção que se segue privilegiam-se as bandas sonoras originais compostas e executadas por músicos de jazz.

The Beatles
@EMI
Música, Jazz

Nove canções dos Beatles recriadas pelo jazz

A irrupção dos Beatles na cena musical foi um fenómeno avassalador e teria, no médio prazo, consequências funestas para o jazz, desviando parte do seu público jovem para a órbita do pop-rock. Alguns jazzmen apressaram-se a tentar tirar partido da popularidade das suas canções. Foi preciso esperar pelo final dos anos 90 para uma abordagem subtil e original.

Publicidade
Buddy Rich
©Paul Spurk
Música, Jazz

Sete bateristas que marcaram a história do jazz

No princípio, a bateria servia para marcar o tempo, mas as inovações trazidas por bateristas excepcionais foram alterando o seu papel e convertendo-o num par dos outros instrumentistas. Eis sete dos muitos nomes que fizeram essa revolução.

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com