Alimentos fermentados. Bactérias e leveduras, para que vos quero?

Sim, comer leveduras e bactérias é bom e é uma das tendências gastronómicas do momento

©Claudia Paiva

Percorremos a cidade à procura de alimentos fermentados e cheios de microorganismos que lhe vão tratar da saúde. Literalmente.

Alimentos fermentados. Bactérias e leveduras, para que vos quero?

Miso

Miso

O miso é, na sua essência, uma pasta feita a partir da fermentação da soja, embora possa incluir outros cereais, e que se dissolve em água quente. No RO é usado no chocolate (na foto) com caramelo líquido de miso (3,50€). “A receita é nossa, mas a sobremesa é feita pela Joana Quintas, da Sweet Soul”, explica Francisco Bonneville, um dos sócios deste restaurante na Baixa. “Tem 55% de cacau e, no interior, um caramelo ao qual se junta miso no final.” No caso, trata-se de um miso claro, mais leve, feito apenas com “cevada, farinha de arroz, soja e sal”. Mais comum é encontrar o miso em entradas como
 a sopa de miso. Em Leça, no Sushiaria, restaurante do mesmo grupo da Esquina do Avesso e do Terminal 4450, a sopa de miso (3,50€) é feita com um caldo dashi, tofu, alga wakame desidratada e cebolinho.

Kombucha

Kombucha

A base da kombucha é, normalmente, “o chá verde ou preto”, explica Edgar Alves, responsável pelo serviço de sala e bebidas do Euskalduna Studio, onde a bebida, que deve ser conservada entre os 22º e os 30º, pode ser servida em vários momentos do menu de degustação. É feita com chá – neste caso biológico –, água, açúcar amarelo bio e um ingrediente fundamental: o scoby, uma bactéria gelatinosa que come o açúcar. A kombucha passa por duas fases de fermentação: a primeira, que demora entre oito a dez dias, é feita dentro de um frasco tapado com um pano “para a bactéria receber oxigénio”; a segunda, de dois a três dias, já ocorre numa garrafa. É lá que “ganha gás e algum teor alcoólico”. Na foto, 
à esquerda, a kombucha de chá verde com ameixa; à direita, a de chá verde com jasmim.

Publicidade
Pão

Pão

Na padaria biológica Pão Nosso, Filipe Melo fabrica pão de fermentação lenta. “Faço uma massa azeda de centeio e água e não lhe mexo durante três dias para as leveduras começarem a ganhar vida”, explica. Depois desse tempo, Filipe retira uma parte da massa e acrescenta mais centeio e água “para que as leveduras e bactérias, que são boas para o organismo, tenham matéria orgânica para se alimentar.” Pão de centeio, mistura, arroz, cevada, aveia e espelta (a partir de 1,90€) são algumas das variedades que aqui se vendem. Graças à fermentação de 16 horas, o pão do Pão Nosso torna-se mais nutritivo e mais fácil de digerir, até com manteiga ou doce, ou em tostas mais compostas como a de ovos com pasta de couve e cerefólio, ou a de pasta de feijão branco com curgete grelhada.

Alho Negro

Alho Negro

O alho negro é, nada mais nada menos, um alho que sofre um processo de fermentação e envelhecimento. Resultado: muda de cor, ganha um sabor mais adocicado e uma textura mais suave. No Porto, o alho negro é usado em restaurantes como o Puro 4050, onde o chef Luís Américo o serve numa focaccia com cebola caramelizada, mozzarella e pimentos del piquillo, bem como no tártaro de novilho com maionese de alho negro (ambos a 8,50€). Na Cervejaria Brasão este alho fermentado é a estrela num dos petiscos mais famosos da casa: a cebola frita com maionese de alho negro (4€).

Publicidade
Limonada de Morangos Fermentados

Limonada de Morangos Fermentados

Há pouco mais de dois meses que a limonada de morangos fermentados (2,50€) entrou na carta do Namban Oporto Kitchen Café, nas Galerias Lumière. Sako Arao põe os morangos biológicos num frasco com açúcar não refinado durante um período de sete a dez dias, dependendo da temperatura. Ao fim desse tempo, retira-os e usa-os para fazer o gelado vegan, que também leva coco e tâmaras. No frasco fica só o xarope, usado para a limonada. “O sabor é mais apurado, parece um moscatel”, brinca Miguel Cunha, o outro mentor do projecto. É servido com água com gás e uma folha de manjericão roxo.

Kimchi

Kimchi

O kimchi é um prato coreano à base de couve chinesa fermentada com temperos picantes. No Shiko, Ruy Leão faz uma salga das folhas durante meia hora. Depois, besunta-as com uma pasta à base de pimenta, óleo de sésamo e malagueta e deixa-as a fermentar durante três dias com um peso por cima. “O processo de fermentação do meu kimchi não é muito avançado”, explica. Passado esse tempo, corta as folhas aos pedaços e serve. Mas apenas como sugestão do dia (6,50€), não estando sempre disponível na carta. Ao contrário do kimchi com peixe (7,50€), sempre no menu, com os peixes do dia. No Cantinho do Avillez o kimchi pode ser provado no menu de almoço (desde 12,50€), servido à semana. Mais concretamente no prato de arroz negro com espetada de camarão em tempura e um molho preparado com kimchi, gema de ovo, óleo de amendoim e alho. Um petisco.

Publicidade
Pickles

Pickles

No novo Mito fazem-se pickles de cebola roxa para acompanhar o prato de lingueirão com nudja (um tempero picante) e coentros (12€) e a tábua de enchidos e queijos (20€). “Cortamos a cebola em quatro e fazemos uma salga de uma hora”, diz David Dias, subchefe. “Depois lavamos e juntamos o pickle juice, feito à base de água, vinagre de vinho branco, vinagre de xerez, sal e açúcar.” Cinco a sete dias depois, o pickle juice é trocado, para o ácido não tirar crocância às cebolas. António Silva, chef do Tapabento Trindade, também faz pickles para alguns pratos: de espargos, para o couvert (4,50€), de cebola nova grelhada e de ruibarbo com açafrão, para o tártaro de carne galega (15,50€), e de pepino com sésamo, para a endívia grelhada (7,50€).

Kefir

Kefir

Rico em nutrientes e facilitador da digestão e do trânsito intestinal, o kefir é um probiótico, ou seja, alimento benéfico para a saúde, produzido a partir da fermentação do leite. É semelhante ao iogurte, mas com maior valor nutricional e ligeiramente mais ácido. Há kefir de leite de cabra, ovelha e vaca, como o da foto,
 a 3,20€. Pode comprar-se já feito – no Celeiro (lojas em vários centros comerciais, do Cidade do Porto ao ArrábidaShopping, GaiaShopping, NorteShopping, Via Catarina, Parque Nascente, etc.) – ou em grãos, uma mistura de leveduras e bactérias, para fazer em casa. Apesar de o mais normal ser kefir à base de leite, os intolerantes à lactose podem fazê-lo com água ou sumos de fruta. No final, o kefir pode ser comido simples ou com fruta, granola e outros toppings do género.

Publicidade
Três perguntas a Marco Fonseca

Três perguntas a Marco Fonseca

Professor do Instituto Macrobiótico de Portugal

Porque é que os alimentos fermentados fazem bem?

As fermentações caseiras resultam da acção de microrganismos compatíveis com o sistema digestivo e com a flora intestinal. Quando fermentamos um alimento potenciamos o seu valor nutricional até mais 40%. É melhor uma cenoura fermentada do que uma cenoura crua. Descobriu-se também que mais de 90% da serotonina é produzida no nosso intestino, o que faz com que estes produtos sejam bons para pessoas com depressão.

Qual é a melhor fermentação?

O princípio base é a salmoura, que é como se faz o chucrute. O sal marinho é essencial porque é ele que selecciona o tipo de flora benéfica, ou seja, escolhe os bons microrganismos e livra-se dos maus. Isto tudo é feito através do processo anaeróbio, um ambiente salgado, sem oxigénio, semelhante ao intestinal.

Com que frequência devemos comer estes produtos?

Com moderação. No caso da chucrute, como é salgada, deve ser considerada um condimento e ingerida 
em pequena quantidade.

Por Mariana Morais Pinheiro

Mais opções saudáveis na cidade

A nova moda da comida crua no Porto

Se gosta de seguir as modas da alimentação saudável, saiba que a comida crua deve ser a sua nova aposta. E não faltam opções pela Invicta. Do ceviche ao clássico sashimi, passando por tártaros de carne e por sobremesas vegan. Estes são oito dos pratos crus que vai querer provar no Porto.

Ler mais
Por Mariana Duarte

Os melhores restaurantes vegetarianos no Porto

Não, no Porto não existe só comida pesada, e os espaços que dão primazia ao reino vegetal têm cada vez clientes mais fiéis. Há pratos única e exclusivamente vegetarianos, opções vegan e menus que respeitam a sazonalidade dos ingredientes, muitas vezes de origem biológica ou de pequenos produtores locais.

Ler mais
Por Teresa Castro Viana
Publicidade

Seis sítios para comer smoothie bowls no Porto

O que são, afinal, smoothie bowls? Taças repletas de energia, com muita fruta, decoradas a preceito com flores comestíveis, cores berrantes e superalimentos, que lhe dão mais força que os espinafres do Popeye. Haja saúde.

Ler mais
Por Teresa Castro Viana

Comentários

0 comments