Exposições que tem de ver até ao fim do ano em Lisboa

Pronto para a romaria que se segue? Tome nota das principais exposições espalhadas por Lisboa e programe as próximas saídas culturais

O Outro Casal

No que depender destes museus, está sempre bom tempo, pelo menos artisticamente falando. À procura de programa para as próximas semanas e meses? Há exposições que valem mesmo a pena, das que estão quase a chegar ao fim às que ainda nem inauguraram. O importante é não perder o fio à meada, para que não lhe falte ocupação ao longo dos fins-de-semana dos próximos meses. É aqui que entramos nós, com um roteiro de exposições que tem que ver até ao fim do ano em Lisboa, e que tem tudo para ir crescendo. 

Recomendado: Museus em Lisboa: as obras de arte que tem mesmo de ver

Exposições que tem de ver até ao fim do ano em Lisboa

The Sweet Art Museum

Marvila já tinha mel. Agora, entre 31 de Maio e o final de Agosto, recebe o The Sweet Art Museum, que escolheu a morada mais doce da cidade – junto à Rua do Açúcar – para viver. Alerta gulosos: este é um museu em versão pop-up e a sua permanência na zona dura apenas aqueles três meses – depois disso, entra em modo itinerante. Terá um artista nacional nas suas edições, e nesta primeira paragem será Maria Imaginário a convidada e responsável pela instalação artística na sala Lucky Fruit, onde as frutas ganham novas cores e texturas.

The Sweet Art Museum , Marvila Até Sexta-feira 31 Agosto 2018

José Dias Coelho – Artista Militante Revolucionário

Foi inaugurada a 25 de Abril esta parceria com o Museu do Neorrealismo – Vila Franca de Xira, morada de grande parte da obra artística de José Dias Coelho. Para além da mostra que revisita a vida, a militância e a dedicação à causa da liberdade, só tem até final de Maio para ver “Maio de 68, 50 anos depois”, que inclui documentação proveniente do arquivo nacional da Torre do Tombo.

Museu do Aljube , Santa Maria Maior Terça-feira 17 Julho 2018 - Domingo 30 Setembro 2018
Publicidade

Linha, Forma e Cor

A Colecção Berardo parece não ter fim. Em “Linha, Forma e Cor”, que inaugura esta quarta-feira, os artistas utilizam deliberada e criativamente a linha, a forma e a cor, elementos que todos os dias estão ligados à nossa vida. A partir de propostas de Malevich, Mondrian, Josef Albers e Ad Reinhardt, analisamos a arte abstrata e as suas inúmeras possibilidades expressivas, através do jogo de conceitos, intuições e sentimentos que os artistas exploram, que nos provocam diferentes emoções e interpretações, e que refutam tudo aquilo que é restritivo na sociedade e as condições que são socialmente impostas ao ser humano. 

Museu Colecção Berardo , Belém Até Domingo 16 Setembro 2018

O Outro Casal

A Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva inaugura a exposição “O Outro Casal. Helena Almeida e Artur Rosa”, uma mostra com a curadoria de Isabel Carlos patente até 9 de Setembro. A exposição centra-se em fotografias e vídeos de Helena Almeida tiradas no seu ateliê – onde sempre desenvolveu o seu trabalho e que considera o seu mundo – pelo arquitecto Artur Rosa, que em alguns casos faz também parte do cenário. O título “O Outro Casal” remete em diferido para o casal que dá nome ao museu, Arpad Szenes e Vieira da Silva, mostrando assim a obra de outro par emblemático.

Fundação Arpad Szenes - Vieira da Silva , Avenida da Liberdade/Príncipe Real Terça-feira 17 Julho 2018 - Domingo 9 Setembro 2018
Publicidade

Contos Tradicionais e Contos de Fadas

Criações dos anos 60 e até um trabalho inédito produzido em 2017, que será revelado pela primeira vez, tendo como referência literária a Condessa de Ségur. No total, mais de uma centena de desenhos e pinturas de Paula Rego compõem estes "Contos Tradicionais e Contos de Fadas", inspirados nestes enredos intemporais. A mostra está patente na Casa das Histórias, em Cascais, e pode ser vista até 30 de Setembro.

Casa das Histórias Paula Rego , Cascais Terça-feira 17 Julho 2018 - Domingo 30 Setembro 2018

Carlos Relvas - Vistas Inéditas de Portugal

Destaque para a fotografia nos salões de Lisboa, Paris e Viena (1868-1874) e para uma efeméride que fica bem no retrato. Os 150 anos da primeira exposição do fotógrafo Carlos Relvas (1838-1894) na Sociedade Promotora das Belas Artes, em 1868, e em salões da Sociedade Francesa de Fotografia, marcam a arte fotográfica em Portugal e afirmam a sua carreira internacional.

Museu de Arte Contemporânea do Chiado , Chiado Terça-feira 17 Julho 2018 - Domingo 28 Outubro 2018
Publicidade

Futuros de Lisboa

O nome avança quase tudo, em tempos de mudanças aceleradas e profundas. O Museu de Lisboa planeia assim para Julho uma mostra que conjuga três elementos, Lisboa, Cidade e Futuro. “Futuros de Lisboa” ocupará dois pisos do Torreão Poente da Praça do Comércio até Novembro, e às perspectivas dos comissários, João Seixas, Manuel Graça Dias e Sofia Guedes Vaz, juntam-se as reflexões de diversos especialistas. E todos os cidadãos, lisboetas e do mundo inteiro, que foram chamados a contribuir.

Museu de Lisboa - Torreão Poente , Santa Maria Maior Terça-feira 17 Julho 2018 - Domingo 18 Novembro 2018
Publicidade

Pós-pop. Fora do lugar-comum

Até 10 de Setembro, a Galeria Principal da Gulbenkian despe-se dos clássicos para receber “Pós-pop. Fora do lugar-comum”, uma exposição com curadoria de Ana Vasconcelos e Patrícia Rosas, dedicada aos desvios do movimento Pop Art em Portugal e Inglaterra. Uma exposição que lança um olhar renovado sobre os anos 1965 a 1975 e nos revela como a Pop Art foi espelho de uma época culturalmente fervilhante. São mais de duas centenas de obras de artistas como Teresa Magalhães, Ruy Leitão, João Cutileiro, José de Guimarães, Bernard Cohen, Allen Jones ou Jeremy Moon. Gente que, além de ter saído do tal lugar comum, impregnou cada obra sua de um pensamento interventivo, remetendo para os primeiros ensaios da arte conceptual sem abandonar a vontade de comunicação que está na origem da pop.  

Fundação Calouste Gulbenkian , São Sebastião Até Segunda-feira 10 Setembro 2018

Vida e Trabalho: Não como antes mas de novo

Esta exposição da portuguesa Susana Mendes Silva traz à salao Cinzeiro 8 uma exposição documental sobre o registo e a documentação das performances — como podem ser pensadas, mostradas e restituídas ao público enquanto objetos, leituras ou som. O livro-objeto possibilita também a ativação de diferentes momentos ao longo da exposição, que a artista apelidou de Páginas, nos quais serão apresentados novos trabalhos, instalações performativas e conversas.

MAAT - Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia , Belém Até Segunda-feira 17 Setembro 2018
Publicidade
Mostrar mais

Mais coisas para fazer em Lisboa

Três intervenções de arte urbana que não pode perder

Nos últimos anos, Lisboa tornou-se uma das capitais mundiais da arte urbana. E mesmo que seja muito distraído vai, certamente, reparar. A cada canto da cidade tropeçamos num novo mural, ou algum tipo de intervenção artística num local inesperado.

Por Francisca Dias Real

20 museus que tem mesmo de visitar em Lisboa

Edifícios relativamente novos, com linhas que são uma perdição para a fotografia, e clássicos da cidade que patrocinam autênticas viagens no tempo. 

Por Editores da Time Out Lisboa
Publicidade

Museus para crianças em Lisboa? São mais que as mães e bem divertidos

É uma grande injustiça dizer que a palavra museu cheira a mofo. Mas se começou por arrastar os miúdos para uma exposição interminável que só interessou aos pais... é bem possível que o programa enfrente alguma resistência. Não desanime. Fomos à procura dos melhores museus para crianças em Lisboa. Para ir ao passado e ao futuro, sem sair do presente.

Por Editores da Time Out Lisboa

Comentários

0 comments