Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Porto icon-chevron-right Dez mandamentos da nova "normalidade"
Mantenha a distância de segurança
© Miguel Nogueira/CMP Distância é uma das novas palavras de ordem

Dez mandamentos da nova "normalidade"

Ainda não estamos livres da Covid-19, por isso, eis os dez mandamentos da nova "normalidade".

Por Bárbara Baltarejo e Renata Lima Lobo
Publicidade

Aos poucos, a cidade vazia começa a ter algumas pessoas – os parques de estacionamento e os parquímetros voltam a funcionar, os parques e jardins públicos deixam de estar vedados e até a qualidade do ar piorou no espaço de uma semana. De facto, passamos de estado de emergência para estado de calamidade, mas a Covid-19 ainda não deu tréguas. Para que tudo corra da melhor forma, há um novo modo de estar em sociedade. Siga estas recomendações de quem meteu a mão na consciência para elencar os dez mandamentos da nova “normalidade”. Quem não cumprir, é um ovo podre.

Recomendado: As músicas para trabalhar em casa que fazem bem à produtividade

 

Dez mandamentos da nova "normalidade"

Privilegie as videochamadas
Privilegie as videochamadas
© DR

1. 1. Não te ajuntarás

No tempo da outra senhora, dizia-se que três pessoas era uma multidão. Entretanto a liberdade conquistou-se, mas o maldito vírus voltou a limitar ajuntamentos (embora o possamos insultar à vontade). Nesta nova calamidade, estão proibidos eventos e ajuntamentos com mais de dez cabeças e em espaços fechados o limite é cinco a cada 100 metros quadrados. Por isso, saia em modo “toca e foge” e continue a fazer valer as suas apps de videochamadas. Nesse caso, até nem precisa da máscara e pode dar todo o ar da sua graça.

Quando andar às compras, não toque em nada
Quando andar às compras, não toque em nada
© Miguel Nogueira/CMP

2. 2. Terás nojo de superfícies

Não toque em nada. Mas em nada, a não ser que seja absolutamente necessário como, por exemplo, a comida que precisa de resgatar da prateleira da mercearia ou do supermercado. Temos um exercício para si: quando sair de casa, ponha as mãos nos bolsos e tente andar assim por todo o lado, resistindo mesmo a comichões no nariz que só aparecem quando não podemos coçar. E, quando andar às compras, pense nesta regra: se tocar, vai ter de comprar.

Publicidade
Opte por máscaras reutilizáveis, como as da Daily Day
Opte por máscaras reutilizáveis, como as da Daily Day
© Susana M. Machado

3. 3. Taparás boca e nariz com máscara

Use uma máscara. Isto não é um comentário negativo em relação à sua beleza, mas, por estes dias, o que importa é mesmo a beleza interior. Há já caixas de máscaras descartáveis à venda nas grandes superfícies comerciais e também muitas marcas de máscaras reutilizáveis (o ambiente agradece). Springkode, Daily Day e Location Available são exemplos de marcas com máscaras aprovadas pelo CITEVE. Com venda online, claro. E não pense que isto é só instalar a máscara na cara quando entra no metro, como já temos testemunhado. Assim não vale.

Mantenha a distância de segurança
Mantenha a distância de segurança
© Miguel Nogueira/CMP

4. 4. Respeitarás a bolha do outro

Usar máscara é essencial, sim, mas respeitar a bolha nunca foi tão importante como agora. A recomendação é que mantenha também a distância de dois metros entre outras pessoas. Mesmo que veja o Marcelo Rebelo de Sousa, tire a fotografia da praxe, mas de longe. Até porque o Presidente da República faz parte de um grupo de risco e é viciado em pessoas. Em espaços comerciais, olhe para o chão, onde, muito provavelmente, está desenhada a distância aconselhável. Na rua, use o bom senso.

Publicidade
Opte pelas escadas
Opte pelas escadas
© DR

5. 5. Evitarás elevadores

Elevador? Não arrisque. Se o corpo permitir, vá de escadas e balde-se de vez em quando ao ginásio, ou melhor, aos treinos em casa. Dependendo do andar em que mora, não deverá gastar muitas calorias, mas sempre evita acolher nas suas mãos mais germes vindos de puxadores, botões e paredes onde todos os vizinhos tocaram. Mesmo que tenha boa vizinhança, esta não é a altura para confraternizar além varanda. A não ser que o seu vizinho seja o José Malhoa. Nesse caso, vá para dentro e agache-se em posição fetal no melhor canto da casa.

Agora os cabeleireiros são obrigados a usar luvas
Agora os cabeleireiros são obrigados a usar luvas
© DR

6. 6. Terás farta cabeleira

Se o seu cabeleireiro ou barbeiro não tiver marcação, vá a outro. É mau sinal e ir à confiança é muito 2019. Se não encontrar aquela solução à sua medida, aproveite: se ainda estiver em teletrabalho (ou por alguma razão estiver sempre por casa) como o próprio primeiro-ministro recomendou, é a melhor altura para arriscar um corte caseiro. Se correr mal, estará em casa e ninguém verá o desastre. Se decidir deixar a coisa acontecer, é agora o momento certo para um cabelo mais liberto, longe de julgamentos sociais.

Publicidade
Rua de Santa Catarina
Rua de Santa Catarina
© Nuno Nogueira Santos

7. 7. Não cuspirás

Temos de falar. Não conhecemos um estudo sobre a tradição de cuspir para o chão. Se é uma coisa portuguesa, se afecta mais homens ou mulheres, se é moda antiga, se é um tique ou um distúrbio da noção. Andamos todos preocupados com possíveis gotículas a viajar por toda a atmosfera e de vez em quando lá vem a bomba. Vamos mudar de hábito? Sugerimos lenço de papel à mão e consulta de otorrinolaringologia.

Fique em casa
Fique em casa
© Christin Hume / Unsplash

8. 8. Manterás recolhimento

Não há como dizer isto de forma mais simples e directa: fique em casa, o máximo que lhe for possível. Ainda não é altura de assumirmos a liberdade em pleno. Todos temos saudades de apanhar ar, mas ainda estamos obrigados a cumprir o dever cívico de recolhimento domiciliário. Aproveite e leia do princípio ao fim a Time In Portugal, onde não faltam sugestões de como ocupar o tempo dentro de portas.

Publicidade
Esteja atento às pessoas mais velhas que conhece
Esteja atento às pessoas mais velhas que conhece
© DR

9. 9. Ajudarás o próximo

As gerações mais velhas são o novo Rambo do coronavírus. Ou pelo menos sentem-se assim. "Estive na guerra, a beber águas paradas, do chão” ou "eu era para morrer com um mês" são alguns dos argumentos divulgados pelos media sobre a postura de alguns cidadãos portugueses mais experientes nisto da vida, que saem de máscara na testa em jeito de manguito à pandemia. Por isso, esteja de olho nas pessoas que lhe são mais próximas. Alguém precisa de ajuda? Mantenha o contacto à distância, nem que seja com uma pequena conversa à janela, e se puder vá às compras e à farmácia pelos pais, avós, tios ou vizinhos mais velhos.

A polícia continua nas ruas
A polícia continua nas ruas
© Nuno Nogueira Santos

10. 10. Portar-te-ás lindamente

Evite comportamentos de risco. Se pensa que é a única pessoa a lembrar-se de fazer um piquenique no parque ou jardim, ou estender a toalha na praia, não é. O ser humano funciona de forma muito semelhante, e se tiver uma ideia do género é muito provável que o mesmo tenha passado pela cabeça de outras 10.529 pessoas. Só da sua freguesia. A praia é apetecível, sem dúvida, mas teremos tempo para matar as saudades da areia. Passar a tarde com os amigos na praça a jogar sueca também não é um bom plano para concretizar em pleno estado de calamidade. Antes de fazer um programa deste género, pense duas vezes e, na dúvida, não saia.

Continue ocupado dentro de casa

Cluoh
© DR

13 lojas online do Porto que tem de conhecer

Compras

Há quem considere o acto de fazer compras muito terapêutico. A pensar em todos os shopaholics que não querem (nem podem) sair do conforto da sua casa, fizemos esta lista com as lojas online do Porto e arredores que tem de conhecer. Desde joalharia, sapatilhas, óculos de sol ou champôs sólidos, não lhe vai faltar nada. Assim, não precisa de recorrer às marcas de fast fashion e vai conseguir apoiar pequenos negócios portugueses.  Enquanto está em casa, também pode aproveitar para encomendar comida e para ver séries novas.  Recomendado: Os melhores sabonetes do Porto

Rua, Flores, Varanda
©Lê Tuấn Hùng no PxHere

Um lugar ao sol: as melhores plantas para ter em casa

Coisas para fazer

Para uso culinário, para purificarem o ar ou para darem um toque mais exótico à sua casa, aqui tem cinco sugestões de plantas e respectivas dicas de como cuidar delas. De várias espécies e para todos os gostos, não só enchem as divisões da sua casa de cor — da varanda à casa de banho, passando pelas estantes da sala de estar —, como também trazem para dentro de portas um pouco da natureza que há lá fora, e que lhe está vedada nos dias que correm. E o melhor de tudo é que não dão assim tanto trabalho. Não seja preguiçoso. Recomendado: As melhores floristas no Porto

Publicidade
Cozinhar em casa
© DR

Receitas para fazer em casa

Coisas para fazer

Estar em casa permite-lhe passar mais tempo a cozinhar, experimentando novos ingredientes e outras formas de os usar. Nesta lista de receitas para fazer em casa, disponibilizadas por chefs e bloggers, tem sugestões para todos os gostos. Mirtilos, rabanete e trigo sarraceno são alguns dos ingredientes-chave destes pratos, que pode confeccionar para e com toda a família. Há hambúrgueres para os miúdos (uma dica: pode congelar para comer mais tarde), um risoto de gorgonzola que o vai fazer esquecer que está dentro de quatro paredes, e um bolo para o lanche de domingo. Arregace as mangas e atire-se aos tachos. Recomendado: Os melhores takeaways no Porto

cosmética natural
© DR

Receitas de cosméticos para fazer em casa

Saúde e beleza

Estar em casa não é sinónimo de pijama durante todo o dia. Pode, por exemplo, vestir a bata para criar os seus próprios produtos de beleza com a ajuda desta lista, onde partilhamos seis receitas de cosméticos. Garantimos que é uma boa forma de ocupar o tempo livre dentro de portas e até de entreter os mais pequenos. Há ainda outro ponto positivo a destacar desta experiência: quanto mais receitas experimentar, menos itens vai escrever na lista para a próxima ida às compras. Agora aproveite e sinta-se no spa, mesmo sem sair de casa. Recomendado: Lojas para fazer compras sustentáveis online

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade