Cinco peças essenciais de "Utopia/Distopia" na reabertura do MAAT

Utopia/Distopia é a grande exposição de reabertura do MAAT. Pedro Gadanho, director, resume a mostra em cinco peças
utopia
©Paulo Alexandrino
Por Catarina Moura |
Publicidade

Na reabertura do MAAT olha em todos os sentidos: para o passado, para o futuro, para o presente, para os futuro possíveis, para os futuros que já foram imaginados e para os que foram temidos.Utopia/Distopia – Mudança de Paradigma coloca em confronto o entusiasmo e a disforia face à tecnologia e ao futuro, com obras desde os anos 1960 – o momento em que se deixa a euforia face ao futuro e florescem os olhares mais críticos com o final da segunda guerra mundial e as revoluções sociais dessa década, explica-nos numa visita guiada Pedro Gadanho, director do Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia - MAAT e curador desta exposição, ao lado de João Laia e Susana Ventura. Na mostra, 60 peças ocupam todo o espaço expositivo do museu da Fundação EDP e com isto, pela primeira vez, o público que já tinha feito do edifício de Amanda Levete um fenómeno das redes sociais, pode agora conhecer-lhe todo o interior. Com a reabertura do MAAT, fechado desde Fevereiro para obras, o acesso às exposições deste edifício e da Central, que inaugurou quarta-feira a exposição “O Que Eu Sou” e era anteriormente e entrada livre, altera-se: para cada edifício, um bilhete de 5€ e o bilhete conjunto tem o valor de 9€.

Pedimos a Pedro Gadanho uma ronda pela galeria principal (comprida e com muita arrumação) e o director seleccionou cinco obras que encapsulam o universo mais distópico do que utópico patente no MAAT até 21 de Agosto.

Cinco obras chave deUtopia/Distopia, no MAAT

cities of the avantgarde
©DR

Cities of the Avant-Garde, WAI Think Thank

“Cidades Ideais” é o primeiro momento desta exposição e nível zero em que se pensa quando se fala de utopias. Depois da Utopia de Thomas More, muitos foram os planos para cidades perfeitas, de Brasília à mais recente Arena O2. O atelier de arquitectura de Pequin WAI Think Thank pensa sobre os grandes problemas da arquitectura contemporânea e aproxima-se por vezes do campo artístico. Um bom exemplo é esta colagem de projectos utópicos que resulta num resumo de como o espaço urbano foi pensado e desejado nos últimos 100 anos.

Metrópole, Rodrigo Oliveira

É açúcar, senhor, é açúcar. É um castelo que não é de areia mas que é igualmente precário, feito de torrões mais vulneráveis do que a maioria dos materiais da exposição: desfaz-se com água ou com uma praga de formigas, o que é uma boa metáfora para a forma como as cidades são frágeis, diz Pedro Gadanho na secção “Ruinas da Modernidade” e avança a forma como se guarda uma peça tão frágil: desmonta-se em duas partes e guarda-se em caixas que protegem da humidade e seladas contra bichos.

Publicidade
video  Timo Arnall, maat

Robot Redable World, Timo Arnall

O vídeo mais sinistro de Utopia/Distopia é de autoria de Timo Arnall. E só é sinistro porque não aponta para o futuro mas usa uma realidade presente. O artista montou vários clips da leitura que robots fazem de imagens do dia a dia para reunir informação e criar padrões – pessoas a andar na rua, carros nas cidades, a expressão de pessoas enquanto falam. A isto juntou uma músicas enigmáticas que parecem saídas dos ficheiros secretos e, na secção “Visões Tecnológicas” de “Utopia/Distopia”, basta ficar uns segundos a olhar para o vídeo para nos sentirmos observados.

body in transit, didier faustino
©DR

Corpos em Trânsito, Didier Faustino

Em 2000, antes da crise dos refugiados que vivemos, Didier Faustino criou uma caixa que permitisse a uma pessoa viajar ilegalmente no porão de um avião, prevendo a necessidade de protecção num mundo em crise. Deitou-se no chão do seu atelier e os colegas desenharam-lhe a forma do corpo em posição fetal e desse esforço construiu uma caixa de alumínio. Na secção “Utopias Pessoais”, está exposto esse primeiro desenho que perante os acontecimentos dos últimos meses (e no exercício de imaginar-se lá dentro numa viagem longa) ganha uma aura perturbadora. Nesta secção, Utopia/Distopia quer reflectir sobre “a constante necessidade de uma utopia individual, um escapismo que permita resistir à distopia generalizada”, explica Pedro Gadanho.

Publicidade
The sky exists, diogo envangelista
©DR

The Sky Exists, Diogo Evangelista

A notícia de que o nascer do Sol iria ser transmitido num écran gigante na praça Tiananmen porque a poluição já não deixava ver o grande astro deu a volta à internet em 2014. Mas a notícia era falsa. Porém, apontou a Diogo Evangelista uma possibilidade de futuro e até a oportunidade de fazer um registo do presente ao reportar-se a essa informação viral. A pedido do MAAT criou para esta exposição a peça de The Sky Exists, que mostra o nascer do Sol tal como seria transmitido na China. A secção de fecha a mostra pensa os dias presentes e de certa forma tem implícito que chegámos ao futuro. “Situação Corrente” pede o nome emprestado à peça de Pedro Barateiro, The Current Situation, em que o artista uma a praga que atingiu as palmeiras lisboetas como metáfora para as manifestações que aconteciam à porta da sua casa.

Mais arte e cultura em Lisboa

Arte, Fotografia

O mundo, por Alfredo Cunha

"Tempo depois do Tempo", a primeira grande retrospectiva do fotojornalista Alfredo Cunha em Lisboa, reúne mais de 500 fotografias (entre 1970 e 2017) e mais não é que a sua visão do mundo. A mostra que inaugurou na Galeria do Torreão Nascente da Cordoaria Nacional tem fotografias de vários momentos históricos. 

gare do oriente
©Martín Gómez Tagle/Wikicommons
Coisas para fazer

As melhores obras de design e arquitectura de Lisboa

Os feitos arquitectónicos lisboetas estão longe de ter acabado na empreitada pombalina. Milhares de toneladas de betão, ferro e vidro depois, os últimos 60 anos foram ricos em grandes obras de arquitectura e de design, ao estilo de cada época. 

Publicidade
Esta página foi migrada de forma automatizada para o nosso novo visual. Informe-nos caso algo aparente estar errado através do endereço feedback@timeout.com