Notícias / LGBT

A nova estátua do Príncipe Real

Estátua Príncipe Real - Homenagem Vítimas da Homofobia
©Francisco Santos

O jardim no coração da cidade sai do armário com um monumento de homenagem às vítimas de homofobia. Clara Silva falou com o artista e com o mentor da ideia.

De vendedor ambulante de pequenos electrodomésticos em escritórios a professor de História, de presidente da Opus Gay a vereador suplente da Câmara, António Serzedelo tem currículo suficiente para preencher quase uma hora ao telefone. Mas a nova estátua do Príncipe Real, inaugurada a 17 de Junho, dia da Marcha do Orgulho LGBT, e uma ideia sua, é que nos ocupa grande parte da conversa. Um desejo antigo, à semelhança de estátuas de homenagem que já existem em algumas cidades da Europa, como o Pink Triangle, em Sitges, ao pé de Barcelona, ou Homomonument, em Amesterdão.

Em Lisboa, faz sentido um monumento que homenageie todos os que foram perseguidos pela sua orientação sexual, desde a “inquisição até ao Estado Novo”, resume. Com 72 anos, Serzedelo assume-se o “militante mais antigo desta causa” e recorda o manifesto “Liberdade Para as Minorias Sexuais”, que publicou a 13 de Maio de 1974 no Diário de Notícias e que, entre outras coisas, reivindica “a possibilidade jurídica de contestar actos de chantagem, extorsão e perseguição de que os homossexuais são alvo”. Mas, e como o próprio costuma repetir, o seu trabalho não se fica por aí. “A luta continua, ainda temos muito que lutar.”

A estátua, uma proposta que ganhou a aprovação da Câmara graças a João Carlos Afonso, vereador dos Direitos Sociais, é mais uma vitória, embora, segundo Serzedelo, a inauguração “tenha sido em parte boicotada por algumas organizações LGBT”. “De um lado está um homem, do outro lado uma mulher dentro do armário, a querer sair”, explica. 

O Príncipe Real sai do armário com este monumento que “não está escondido, é visível da rua” e pode ser aproveitado por toda a gente – a estátua está feita para que as pessoas se possam sentar nela.

Rui Pereira, também autor de uma estátua inaugurada este ano no Campo Mártires da Pátria com o nome “Militares de Abril”, é o artista plástico responsável pelo projecto. “É uma escultura que funciona como um recanto, com portas de entrada que simbolizam a abertura”, explica. “Sobressai uma silhueta, dum lado masculina, do outro lado feminina, afastadas mas que, no fundo, se cruzam.” A outra porta está vazia e “somos convidados também a entrar”, continua. Em betão armado, cimento e ferro, a estátua tem dois metros e meio e inscrições em inglês e português: “Lisboa de Abril – Cidade do Mundo. Homenagem às vítimas da intolerância homofóbica”, lê-se.

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments