• Notícias
  • Comida

Este restaurante é para optimistas

Este restaurante é para optimistas
Fotografia: Manuel Manso Ensopado de mar

Cláudia, Rita e Filipe acreditam que o unicórnio é o animal que melhor representa o optimismo. Por isso, quando finalmente abriram um restaurante – um sonho de três amigos e uma forma de dar vazão aos jantares que aconteciam regularmente em casa de Rita e Filipe, os responsáveis pela cafetaria do Carpe Diem Arte e Pesquisa – puseram um unicórnio a receber os clientes. Chama-se Pureza e é a mascote do Optimista, o novo restaurante do Cais do Sodré.

 

A Pureza, pendurada na parede
Fotografia: Manuel Manso

 

 

A primeira fase foi perguntar a amigos se entrariam num restaurante que se chama Optimista. Responderam-lhes que “o optimismo é a melhor receita”. Dito e feito. O desafio foi, então, passar de refeições ligeiras numa cafetaria para almoços e jantares todos os dias da semana, com uma carta fundamentalmente fixa, que privilegia os produtos frescos e sazonais.

Na cozinha estão dois chefs jovens, com formação asiática, que já passaram pelo Rabo de Pêxe e pelo Insólito e introduziram alimentos como algas numa carta portuguesa. “Temos uma carta portuguesa mas com muitas influências dos sítios por onde os portugueses passaram”, continua Cláudia. O ensopado de mar (12€) é um dos melhores exemplos: “No fundo é uma sopa alentejana: tem pão, bacalhau, alho francês, coentros e depois tem umas tiras de alga lá pelo meio. É subtil. A alga traz um sabor de maresia”, acrescenta Filipe. 

 

Croquetes de rabo de boi com maionese kimchi à portuguesa
Fotografia: Manuel Manso

 

 

A ideia é transversal a toda a carta, quer pelo uso de determinados ingredientes, quer pela reinvenção de determinado prato. Para entradas, ou para ir picando, há um ceviche de favas (6€), uma tomatada com infusão de alecrim e ovo escalfado (5€), pataniscas de polvo com pickle de cebola roxa (6€) e croquetes de rabo de boi com maionese kimchi à portuguesa (6€). Nos pratos principais, além do ensopado de mar, há sempre um prato de peixe do dia, com puré de couve-flor e bacon, feijão verde salteado e couve kimchi (16€), um rosbife com couve braseada, migas de batata doce e molho chimichurri (17€) ou um prato que é uma ode ao porco. Chama-se cabeça, tronco e membros e tem bochecha de porco, entrecosto e jus de chipe, acompanhado com aipo e espinafres (16€). Este é, também, um dos pratos de slow cooking – demora cerca de sete horas a fazer, até a carne se despegar do osso.

 

Robalo com puré de couve-flor e bacon, feijão verde salteado e couve kimchi à portuguesa
Fotografia: Manuel Manso

 

 

Nas sobremesas há leite creme queimado no momento (4€) e maçã caramelizada em cesto de massa brick com gelado e butterscotch (5€). Estão ainda a testar uma receita de bolo de chocolate de Maria de Lourdes Modesto para acrescentar à lista quando o período de soft opening chegar ao fim. 

O restaurante fica no piso térreo da galeria de arte Plataforma Revólver. Mas não foi só um acaso feliz, os três amigos queriam realmente um lugar em que se mantivesse essa ligação à arte, como na cafetaria do Carpe Diem. “Não temos uma ligação directa com o projecto do piso de cima mas temos uma proximidade emocional com as artes, com o que está na parede. Isto é uma constante nas nossas vidas”, explica Filipe.

O próprio trabalho de restauro do espaço foi uma bela obra. Era uma loja de materiais de ferragens em muito mau estado, contam. Mantiveram tudo o que era portas para não descaracterizar o sítio, pintaram uma parede de rosa e as da sala de refeições têm formas e texturas (se for com miúdos, desafie-os a encontrar animais nas paredes). “O restaurante em si é uma obra de arte, não só pelo trabalho de restauração. É quase como se fosse um museu contemporâneo onde se pode vir comer”, diz Cláudia, apontando para os quadros pendurados na parede, obras de arte de amigos artistas que vão estar sempre em rotação. Na parede à entrada, há uma quadrícula com uma instalação de begónias, feitas por Rita. Daqui a uns meses, as obras mudam. 

Rua da Boavista, 86 (Cais do Sodré). 21 346 0629.

Publicidade
Publicidade

Comentários

1 comments
jose r

Um espaço de invulgar bom gosto e com uma cozinha com o encanto e o requinte das coisas simples da ementa portuguesa, a um preço muito equilibrado. Boa carta de vinhos! Um jantar que resultou numa excelente experiência! Muitos parabéns à equipa que trouxe mais uma lufada de qualidade a Lisboa