Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right "Lojas com História" têm finalmente seguro de vida
Notícias / Vida urbana

"Lojas com História" têm finalmente seguro de vida

Versailles
©Open House Lisboa/PedroSadio Versailles, um clássico é um clássico

Os responsáveis por 63 espaços comerciais, distinguidos pela Câmara Municipal de Lisboa com o rótulo “Lojas com História”, ficaram ontem a conhecer que medidas de protecção e incentivos estão contemplados neste programa da autarquia. A implementação desta iniciativa de apoio ao comércio tradicional da cidade inclui um fundo municipal que prevê uma verba de 250 mil euros já para 2017 e que funcionará como linha de ajuda financeira à preservação, modernização e promoção destes lugares.

Desta lista fazem parte espaços como A Ginjinha Sem Rival, Aníbal Gravador, Brasileira, Casa Macário, Confeitaria Nacional, Farmácia Barreto, Ferragens Guedes, Florista Pequeno Jardim, Hospital das Bonecas, Leitão e Irmão, Londres Salão, Luvaria Ulisses e Manteigaria Silva. Acrescem a Ourivesaria Sarmento, os Pastéis de Belém, as pastelarias Mexicana e Versailles, a Pérola do Rossio, a Retrosaria Bijou e a Tabacaria Mónaco, entre outras.

As 63 lojas seleccionadas poderão desde já candidatar-se a estes benefícios. Outras 20 serão em breve incluídas no grupo e, no futuro, qualquer estabelecimento comercial poderá candidatar-se ao programa e ser seleccionado – desde que cumpra os critérios definidos.

Em conjunto com uma equipa da Faculdade de Belas Artes de Lisboa, a Câmara Municipal apresentou ainda outras iniciativas de apoio a estas lojas, como por exemplo, a criação de um site, a elaboração de um vídeo sobre o projecto e outros individuais sobre cada um dos espaços, uma exposição (com abertura prevista para Abril), uma publicação/guia, acções de divulgação na imprensa e a criação do design das insígnias distintivas a atribuir aos lugares classificados.

Publicidade
Publicidade

Comentários

2 comments
Vasco V

Finalmente alguma medida com algum propósito sem ser o turismo massificado e desenfreado.

Em portugal infelizmente os processos tradicionais e costumes não são preservados e acarinhados como deveriam ser.

Claro que também cabe a nós procurar mantê-los e aos próprios donos dos negócios enquadra-los com os tempos actuais.

Mas mais uma vez excelente iniciativa. 

Michèle Boullier F

Bela iniciativa para manter vivo o comercio tradicional. Que venham mais destas!