A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Meio século de correios em seis curiosidades

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

1. Os correios em Portugal comemoram 500 anos em 2020, mas os CTT, sem medo do azar, começaram já a festejar com uma emissão filatélica de quatro selos que reproduz cenas dos seus primórdios. As imagens são da autoria do artista plástico Carlos Barahona Possollo, o autor do retrato oficial de Cavaco Silva.

2. Antes de haver uma coisa chamada correio, as mensagens eram confiadas a viajantes e peregrinos ou, no caso da nobreza e casas reais, a escudeiros que se transformavam em enviados de boas e más novas. A entrega de más notícias deu, aliás, origem à famosa expressão “não matem o mensageiro”. Adivinhará porquê.

3. Entre a descoberta do Caminho Marítimo para a Índia e do Brasil, o reinado de D. Manuel I foi marcado, por arrasto, pelo primeiro serviço postal oficial português. Em 1520 o rei publicou a Carta Régia que fundava o ofício de Correio-Mor. Qualquer cidadão podia usufruir do Correio-Mor, mas até ao século XVII era usado principalmente pela casa real, nobreza e homens de negócios. A gestão deste serviço, feito a pé ou a cavalo, foi entregue ao seu cavaleiro Luís Homem.

4. Até à reforma postal de 1852, o porte era pago pelo remetente. Passa a ser obrigatório o selo, e os primeiros são da autoria de Borja Freire, gravador na Casa da Moeda de Lisboa. Todos tinham a efígie de D. Maria II e foram impressos nas versões 5, 25, 50 e 100 réis. 

5. Entre os mais de 400 carteiros de Lisboa, o mais velho tem 66 anos. Mas no Centro de Produção e Logística do Sul, em Cabo Ruivo, há um trabalhador com 67 anos.

6. O email substituiu as cartas, mas ainda não dá para tudo. Todos os anos os CTT distribuem mais de 800 milhões de objectos.

Últimas notícias

    Publicidade