Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right A grande fábrica que moldou a vida em Benfica

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

A grande fábrica que moldou a vida em Benfica

Entre 1921 e 1987, a Fábrica Simões, onde se produziam peúgas, lingerie de gabarito e as apetecíveis camisas TV, chegou a empregar mais de 1500 pessoas. O lugar, cheio de memórias do bairro, vai ganhar uma nova vida com o projecto FÁBRICA 1921.

Por Time Out em associação com Fábrica 1921
Publicidade

“Venho muitas vezes a Benfica e vou sempre ali à porta.” Lurdes Seguro fica “ali parada, a recordar” as memórias da antiga Fábrica Simões, um colosso industrial de Lisboa que não resistiu à morte do fundador, ao PREC e ao tempo. “Passámos maus momentos, mas também muitos bons momentos. Uma de nós que precisasse de alguma coisa, a outra estava lá para ajudar.” Era uma família. As funcionárias mais velhas eram tratadas por mãe, outras por tias. Quando fechou portas definitivamente, em 1987, Celeste Cardoso sentiu-se como se tivesse perdido um ente querido. “Um desgosto tão grande. Chorei tanto!”

Lurdes tem 72 anos. Celeste, 73. São amigas há 60, embora só recentemente se tenham reencontrado. “Foi um ponto de encontro”, revela Celeste. Entraram ambas com 12 anos para a Fábrica Simões. Eram “estagiárias” clandestinas. “Quando vinha a fiscalização, escondiam-nos na casa de banho”, recorda Lurdes. Em 1959, a lei impunha os 13 como idade mínima. Faltava pouco. E elas iam fazendo “trabalho de aprendiza”, como explica Celeste: “Apanhávamos as coisas das mãos das costureiras, dobrávamos, púnhamos para um cesto. Quando queríamos, lá conseguíamos ir para a máquina, para ver se aprendíamos a coser, à socapa das encarregadas.”

Combinações, cuecas, meias de vidro, peúgas, pijamas, camisolas, camisas... Da Avenida Gomes Pereira, então conhecida como Rua da Fábrica, saía produção têxtil com fartura. As meias C.D, por exemplo. “A fábrica era visitada por muita gente, mas à secção de peúgos para homem nunca iam. Nem a gente lá ia. Era uma marca muito conceituada e as pessoas gostavam muito”, diz Lurdes. “Não podíamos dizer que era feito lá.” Celeste corrobora: “Até porque as etiquetas vinham do estrangeiro.”

Em sentido inverso, seguiam as encomendas dos clientes americanos. Nessas alturas, “nem se podia ir à casa de banho”, conta Celeste. “Tínhamos de fazer tanto peças em tantos minutos.” O relógio estava a contar. “Nem tínhamos tempo para o lanche”, acrescenta Lurdes. “No cesto da roupa, tinha o que a minha mãe mandava, escondido”, e ia bicando à socapa. Quando era paraempacotar, a polícia alfandegária passava lá dia e noite. A Fábrica Simões trabalhava sem parar. Se o primeiro turno para as mulheres começava às seis da manhã e o último ia até às onze e meia da noite, os homens continuavam madrugada adentro. Era tudo feito dentro de portas. “Desde o fio. Era feita a fiação do algodão e daí é que eram feitos os tecidos.” É ainda com orgulho que Celeste garante a qualidade do produto. A amiga anui: “A roupa desta fábrica nunca mais se estragava”. “As marcas eram as melhores”, volta Celeste: Suprema, Caron, TV. “Um homem que não tivesse uma camisa TV nem era homem nem era nada”, diz Lurdes.

Bem aperaltados estavam os jogadores do Benfica, cuja sede era no actual edifício da Junta de Freguesia. Paravam para tomar café na pastelaria O Golo e meter conversa com as meninas solteiras. Celeste lembra-se bem: “Namorei com o Torres! Éramos miúdas e não éramos assim tão feiinhas. Enquanto o apito tocava e não tocava, estávamos para ali encostadas. E eles andavam ali.” Comiam no “enorme” refeitório da fábrica, do lado de lá da estrada, junto a um jardim onde pontificava o busto de José Simões. Este autodidacta e antigo operário têxtil foi o criador da Simões & C.ª Lda., que fundou em 1907 com dois cunhados, Francisco Rodrigues e Adelino Rodrigues Figueiredo, com uma única máquina de costura. A fábrica expandiu-se em 1921 para as instalações de Benfica, que foram sendo ampliadas e chegaram a albergar mais de 1500 trabalhadores. A maquinaria que se espraiava pelos corredores incluía tecnologia importada mas também feita na casa.

José Simões ainda é lembrado com saudade. Quando morreu, nos anos 60, deixou uma quantia em dinheiro a cada funcionário. A ideia de comunidade que criou tinha reflexo na forma como tratava os filhos dos trabalhadores: não só disponibilizava gratuitamente uma creche, defronte da fábrica, onde davam banho aos miúdos todos os dias, como os vestia dos pés à cabeça na altura do Natal. “Desde as cuecas até aos sapatos. Fatinho, gravata, laço”, enumera Lurdes. “Até tal data, tínhamos de dar a idade, as alturas, as larguras, tudo”, completa Celeste.

Luís Filipe Vieira era um desses miúdos: “Recordo-me muito bem da antiga Fábrica Simões. Foram muitos os anos que a minha mãe ali trabalhou. Apesar dos tempos difíceis que vivíamos, são boas as memórias que tenho da fábrica e dos tempos em que por ali brincava com outras crianças. E recordo-me, por exemplo, que quando era miúdo vestiam-me dos pés à cabeça”. O actual presidente do Sport Lisboa e Benfica salienta, no entanto, “como memória negativa”, “os mais de trinta anos de degradação e abandono daquele espaço”. Uma realidade que está prestes a mudar: o empreendimento imobiliário que está em preparação desde 1990 vai finalmente sair do papel.

Enfim, um novo destino

O projecto da FÁBRICA 1921, que requalifica os terrenos da antiga Fábrica Simões, inclui um novo espaço direccionado para a cultura. Pensado para ser uma biblioteca ligada à rede municipal, um desejo antigo para os 37 mil habitantes e os 16 mil jovens que aqui estudam, entre o ensino básico e o politécnico, este espaço deverá ter uma oferta multidisciplinar e vai juntar-se ao renovado Palácio Baldaya (que tem uma biblioteca desde o início do ano passado) e ao Auditório Carlos Paredes.

Conheça o projecto em www.fabrica1921.pt

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade