Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Fábrica Coffee Roasters - torrefacção

Fábrica Coffee Roasters - torrefacção

Coisas para fazer Chiado/Cais do Sodré
fábrica coffee roasters
1/2
Fotografia: Inês Félix
fábrica coffee roasters
2/2
Fotografia: Inês Félix

A Time Out diz

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme se os espaços continuam abertos.

Os grãos de café chegam ainda verdes em sacos de serapilheira de 60 kg à pequena torrefacção da Rua das Flores. Lotes 100% arábica vindos de fazendas da Etiópia, Brasil, Colômbia ou Ruanda são torrados nos bastidores de uma das lojas desta empresa fundada em 2015. Primeiro abriu na Rua das Portas de Santo Antão, onde se mantém o negócio depois expandido para a Rua das Flores. A torrefacção fez o mesmo caminho e está mais robusta na nova casa. Com o aumento de produção, melhorou-se o equipamento, e Stanislav, sócio-gerente da Fábrica, está sempre atento à última tecnologia. Por uma razão muito simples: “Queremos que as pessoas possam beber a bebida perfeita. Aqui o grão é mais claro e tem um processo de torra mais nórdico, uma torra mais clara”, explica Stanislav, comparando-o com o café mais escuro, de torra italiana, mais usada nos países do sul da Europa.

Uma torra normalmente feita com lotes de robusta, preterida no café de especialidade. O arábica, mais caro e com menos cafeína, “tem uma roda de sabores mais variada, como frutos do bosque”. E tudo começa aqui, num gigante torrador que tem por vizinho um computador que controla o “perfil da torra”. É feita a 200 graus e, quando se começam a ouvir os estalidos, está na altura de decidir se o destino é café de filtro ou café expresso – a torra termina mais cedo para o café de filtro. Atingindo o ponto desejado, os grãos são despejados para uma zona de arrefecimento que aspira o ar quente. E depois repousam serenamente entre cinco a sete dias para reactivarem o sabor.

Na fábrica da casa encontra-se também um “destoner”, equipamento que separa o trigo do joio, ou melhor, o café das impurezas, que podem ir de lascas de madeira a dentes de tigre (aconteceu, num outro lugar). A torra é feita todas as semanas e o produto final tanto pode ser provado no local, como levado para casa num belo pacote, como o Expresso Blend, 70% Brasil, 30% Etiópia, com aroma crítico e notas de nozes e tangerina. Há também uma loja online e estão a ser estudados planos de entregas de café em casa, sem custos de transporte. Vale a pena ter uma fábrica à porta.

Publicado:

Detalhes

Endereço Rua das Flores, 63.
Lisboa

Horário Seg- Dom 09-18.00
É o proprietário deste estabelecimento?
Também poderá gostar