Prémios arco-íris

Coisas para fazer Gratuito
Prémios ILGA 2018
©DR

A 16.ª edição da entrega dos prémios da ILGA acontece no sábado no Estúdio Time Out.

As previsões para o início do ano são sempre de chuva. Pelo menos de prémios arco-íris. Pela 16.ª vez a ILGA Portugal distingue várias personalidades e instituições que se destacaram ao longo do ano na luta contra a discriminação das pessoas LGBTI e entrega os troféus, criados pelo artista plástico Vasco Araújo, numa cerimónia no sábado no Estúdio Time Out, no Time Out Market.

A Rita Ferro Rodrigues, uma habituée na apresentação, junta-se um dos galardoados de 2017, pelo “coming out público”, Rui Maria Pêgo. Este ano, Ana Aresta, vice-presidente da ILGA, destaca o prémio conseguido pela RTP.

“Sentimos que, numa altura complexa na carga que é colocada sobre o jornalismo e sobre a informação e sobre os serviços públicos, queremos destacar o trabalho que [a RTP] desenvolveu durante 2018 ao dar visibilidade às pessoas LGBTI e ao promover conteúdos criados e representados por pessoas LGBTI.”

A AMPLOS — Associação de Mães e Pais pela Liberdade de Orientação Sexual atribuiu pela primeira vez um prémio a Jorge Pelicano, pelo seu documentário Até Que o Porno Nos Separe, que conta a história de Fostter Riviera, o primeiro actor porno gay premiado internacionalmente, e da sua mãe, Eulália, de 65 anos, conservadora e católica.

A campanha #respectbattles da APAV será outra das galardoadas – e até poderá originar uma surpresa nas actuações nos intervalos dos prémios. “Envolveu várias figuras do hip-hop que subverteram o conceito original associado às battles de rap e transformaram-no num discurso de aproximação e de combate ao ódio.”

Carolina Reis, jornalista do Expresso, também receberá um prémio por abordar de “forma responsável os muitos desafios que ainda se colocam à igualdade de género, e em particular aos direitos das mulheres e das pessoas LGBTI”.

Os coming outs do casal Gabriela Sobral e Inês Herédia, do atleta olímpico Célio Dias,
da deputada Sandra Cunha e do vice-presidente do CDS Adolfo Mesquita Nunes também lhes valeram uma distinção. “Há sempre um coming out por ano e às vezes até era difícil premiar porque eles não existiam”, conta Ana Aresta. “Este ano temos um prémio alargado, com muitas saídas do armário de figuras públicas.”

A rede ex aequo – associação de jovens LGBTI e apoiantes atribuíram o seu prémio a
PS, BE, PCP, PEV, PAN e à deputada Teresa Leal Coelho pelo “reconhecimento do
direito à autodeterminação da identidade e expressão de género, alargando-o, ainda que de modo insuficiente, a crianças e jovens [a partir dos 16 anos é possível mudar de nome e sexo]”.

Na edição passada dos
 prémios, o Estúdio Time Out
 encheu e este ano também se
 espera casa cheia. A cerimónia 
conta com um DJ set de Sexylia 
(Cecília Henriques), com o
CoLeGaS— Coro Lésbico, Gay e Simpatizante da ILGA Portugal e com uma actuação de Surma.

Depois disso há uma after-party com os DJ Candy Fur e Bill Onair, a Candy On Air, que dura até às quatro da manhã. A entrada é livre para quem já está na cerimónia, quem chegar depois terá de pagar 6 euros.

Por Clara Silva

Publicado:

LiveReviews|0
1 person listening