Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right "Isto é Gozar com Quem Trabalha" devia ter mais gente com piada e menos políticos

Atenção, continuamos a tentar dar-lhe a informação mais actualizada. Mas os tempos são instáveis, por isso confirme sempre antes de sair de casa.

Isto é gozar com quem trabalha
DR/SIC Isto é gozar com quem trabalha

"Isto é Gozar com Quem Trabalha" devia ter mais gente com piada e menos políticos

Ricardo Araújo Pereira mudou-se para a SIC e esperava-se algo novo, mas até agora o seu novo programa não surpreendeu.

Por Eurico de Barros
Publicidade

★☆☆☆

Passados dois programas, Isto é Gozar com Quem Trabalha (SIC, Dom 21.30) está a revelar-se inferior ao seu antecessor na TVI, Gente que não Sabe Estar, apesar de ser feito pela mesma equipa. Até agora, resume-se a um primeira parte em que Ricardo Araújo Pereira (RAP) faz, atrás de uma secretária, uma modalidade sentada de stand up comedy, e a uma segunda parte em que fala com políticos convidados, pondo-lhes perguntas supostamente “incómodas” mas que não lhes fazem a mínima mossa. No programa de estreia, o convidado foi (que surpresa! Que original!) o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, que aparou o jogo todo a RAP com uma mão atada e uma perna atrás das costas. No segundo programa, apareceu a ministra da Justiça, que ao humorista não só nada disse como aproveitou para transformar o segmento em tempo de antena do governo e proferir duas ou três banalidades sobre a “igualdade”. RAP parece não se lembrar da talhada que a popularidade de Herman José levou, quando começou a convidar a classe política da altura para o seu talk show. Isto é Gozar com Quem Trabalha pede mais partes gagas, mais sketches atontados, mais comédia nonsense, mais gente com piada em palco além de RAP, mais movimento. Quanto a políticos, de preferência mais nenhum, se faz favor.

Mais crítica de televisão

The Witcher
©Netflix

The Witcher: fantasia feita à martelada

Filmes

Venham falar comigo quando a Netflix ou a HBO se dispuserem a adaptar, por exemplo, coisas sérias (e só para referir duas) como The Chronicles of Thomas Covenant, the Unbeliever, de Stephen Donaldson, ou a saga Elric de Melniboné, de Michael Moorcock. Até lá, não enfiem a touca do bruxo.

Beatriz Batarda, Albano Jerónimo
DR

A televisão nacional ao mais alto nível: esta é a melhor série portuguesa

Filmes

Não tivesse Sara outras qualidades, bastar-lhe-ia, para entrar na história da televisão em Portugal, a certeira, desopilante e arrasadora sátira ao mundo das telenovelas que contém na sua narrativa. Mas Sara, realizada por Marco Martins em estreia no pequeno ecrã, escrita por este, Ricardo Adolfo e Bruno Nogueira (que teve a ideia original), e com Beatriz Batarda no papel do título e a fazer televisão em Portugal pela primeira vez, tem muitas outras qualidades. 

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade