0 Gostar
Guardar

Casamento gay? Este assunto é com ele

Nos dias que correm é uma espécie de Santo António dos casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Fomos falar com Rui Antunes, o wedding planner que no último ano se tem dedicado quase exclusivamente a este negócio

Fotografia: Ana Luzia
O wedding planner, Rui Antunes

Rui Antunes tenta manter o ar impecável dentro do fato de cerimónia por entre os milhares de turistas que se atravessam no caminho na subida para o Castelo de São Jorge. Ossos do ofício de um wedding planner – mais ainda, de um wedding planner de casamentos gays, esse nicho de mercado que o levou a criar a empresa Gay Wedding PT, juntamente com outro sócio.

“Trabalhamos mais com turistas, que nos procuram mais ou na Primavera ou depois do Verão, quando está menos calor”, conta. Melhor, pelo menos para quem tem de vestir camisa e fato debaixo de um sol abrasador. A ideia de organizar casamentos gays partiu de uma outra empresa sua, já com 11 anos e mais virada para eventos de empresas (inclusive diz já ter feito “uma banheira” para uma marca de bebidas numa festa Time Out).

“A nossa empresa também já fazia casamentos hetero [parece que continua a organizá-los] e, entretanto, em 2012, fomos solicitados por duas senhoras que queriam casar e lembrámo-nos que seria interessante focarmo-nos numa coisa mais específica, principalmente a pensar nos estrangeiros que vêm cá para casar”, conta. “Até porque Portugal é um dos poucos países em que isso é permitido.”

As leis mudam consoante os países e alguns casamentos entre pessoas do mesmo sexo perdem validade fora de Portugal. “Por exemplo, na Alemanha não são reconhecidos, mas já significam mais do que uma união de facto comum.”

Talvez por isso, lidar com a papelada é a parte mais difícil de organizar num casamento deste género. Mais do que resolver questões do protocolo, como quem entra primeiro ou quem acompanha quem ao altar. “Às vezes acontece até que a família não está presente e são os amigos, a família que escolheram, a fazer esse papel”, conta Rui.

Os espaços mais pedidos para casamentos são em Sintra, de Monserrate ao Palácio da Pena, mas muitos também têm acontecido em casas particulares e com tema. “Já fizemos um casamento temático com a Alice No País das Maravilhas”, exemplifica. “Também nos têm pedido para organizar casamentos no Palácio de Queluz, mas aí só é permitido eventos de Estado e eventos de empresas.”

O primeiro casamento que organizou entre duas pessoas do mesmo sexo foi o de duas portuguesas a viver fora de Portugal, mas no último ano, e desde que a empresa está a funcionar, têm sido apenas casamentos entre homens e de outras nacionalidades, “do Brasil, de Itália, da Alemanha”, e por aí fora. 

Os custos dos casamentos têm variado entre os 50 e os 400€ por pessoa, dependendo da bolsa de cada um e dos custos de deslocação dos convidados. A empresa tem funcionado mais com publicidade “boca a boca” e Facebook, mas em breve também virá mencionada no guia internacional gay Spartacus. “O que gostava mesmo era de organizar um casamento gay nos Açores. Teria piada por causa de toda a logística.”

Gay Wedding Portugal Planner. 919 393 967

Comentários

0 comments