10 bandas indie pop germânicas

A Alemanha, que é tão eficaz a vender os seus automóveis e electrodomésticos, não parece ser capaz de internacionalizar a sua indie pop. Aqui se sugerem algumas bandas para ouvir enquanto aguarda pelo resultado das eleições deste domingo
BOY
©DR BOY
Por José Carlos Fernandes |
Publicidade

É um caso difícil de explicar: a indie pop escandinava corre mundo e até a minúscula Islândia (332.000 habitantes, 142.º PIB mundial) conseguiu afirmar-se como uma potência musical, mas a Alemanha (82 milhões de habitantes, 5.º PIB mundial) é uma área quase em branco no mapa da indie pop global.

Os Kraftwerk têm hoje mais prestígio do que nunca e até já tiveram direito a exposição no MoMA de Nova Iorque, os Scorpions venderam mais de 100 milhões de discos de baladas azeiteiras, os Rammstein têm fãs de Malmö a Málaga, os Tokio Hotel fazem suspirar adolescentes de Moscovo a Sydney, mas a indie pop alemã permanece quase invisível. Bandas não faltam e talento também não, como pode comprovar-se pela amostra.

Indie pop à volta do mundo

10 bandas indie pop que todo o caçador de Pokemons deveria conhecer

11 bandas indie escandinavas que precisa de ouvir

10 discos indie pop para ouvir de cabeça para baixo

10 bandas indie pop germânicas

Camera

The Notwist

Origem: Weilheim in Oberbayern, 1989
Alguns álbuns: The Notwist (1991), Nook (1992), Shrink (1998), Neon Golden (2002), Close to the Glass (2014)

A banda foi fundada pelos irmãos Acher, Markus (guitarra e voz) e Micha (baixo), e por Martin Messerschmid (bateria), entretanto substituído por Andi Habert. O som agressivo, combinando metal e punk hardcore, dos álbuns The Notwist e Nook foi dando lugar, sobretudo a partir de Neon Golden, a uma pop em que a electrónica desempenha papel cada vez mais relevante e em que dominam ambientes serenos. Num teste de olhos vendados, ninguém adivinharia que os álbuns The Notwist e Close To the Glass são obra da mesma banda.

[“Consequence”, do álbum Neon Golden]
Camera

Tocotronic

Origem: Hamburgo, 1993
Alguns álbuns: Digital Ist Besser (1995), Wir Kommen Um Uns Zu Beschweren (1996), KOOK (1999), Kapitulation (2007), Tocotronic (Das Rote Album) (2015)

Com 11 álbuns editados, dos quais um chegou ao n.º 1 do top alemão e quatro chegaram ao n.º3, os Tocotronic são pouco conhecidos no mundo não-germanófono. O apreço de que desfrutam na Alemanha não é unânime, uma vez que têm tomado sistematicamente posição contra o nacionalismo e o neo-nazismo e têm participado em festivais e iniciativas de promoção do interesse dos jovens pela política, de apoio a vítimas de violência sexual e em favor do acolhimento de refugiados. A sua canção “Die Erwachsenen” (Os adultos) proclama logo na primeira linha: “Não se pode confiar nos adultos”.

 [“Die Erwachsenen”, do álbum Das Rote Album]
Publicidade
Camera

Tarwater

Origem: Berlim, 1995
Alguns álbuns: 11/6 12/10 (1996), Silur (1998), Spider Smile (2007), Adrift (2014)

O duo Bernd Jestram e Ronald Lippock fez uma trajectória análoga à dos The Notwist, passando do punk rock a uma pop electrónica serena (mas fracturada e plena de “acidentes” e bizarrias) e, tal como os The Notwist, acabaram por ingressar nas fileiras da editora Morr Music.

[“The Evening Pilgrims”, do álbum Adrift (2014)]
Camera

Sportfreunde Stiller

Origem: Germering (perto de Munique), 1996
Alguns álbuns: So Wie Einst Real Madrid (2000), Die Gute Seite (2002), Burli (2004), La Bum (2007), Sturm und Stille (2016)

Metade do nome da banda – Stiller – veio do treinador dos membros da banda quando jogavam futebol no clube da sua cidade de Germering, a outra metade significa “amigos no desporto”. Não é de estranhar, pois, que o seu primeiro álbum se intitule So Wie Einst Real Madrid, o que significa “como o Real Madrid”. Enquanto este álbum passou despercebido, o segundo, Die Gute Seite, subiu até ao 6.º lugar do top alemão e o terceiro até ao lugar n.º 2. Em 2006 a banda foi chamada a compor o hino da selecção alemã para o campeonato do mundo de futebol desse ano, mas, para desgosto dos alemães, a profecia de um quarto título mundial contida no título, “’54, ’74, ’90, 2006”, não se cumpriu. De qualquer modo, a canção reforçou a visibilidade dos Sportfreunde Stiller e os discos seguintes têm trepado até ao 1.º ou 2.º lugar do top alemão. Claro que, uma vez que cantam em alemão, a sua fama restringe-se ao mundo germanófono (também são populares na Áustria).

[“Ein Kompliment”, do álbum Die Gute Seite]

Publicidade
Camera

Velveteen

Origem: Frankfurt-am-Main, meados da década de 1990
Alguns álbuns: Keep It To Yourself (2002), The Outdoor Method (2004), Home Waters (2007), 27 (2010), Gather & Reset (2016)

Os Velveteen cantam em inglês, a sonoridade da banda tem afinidades com os Death Cab For Cutie e o vocalista, Carsten Schrauff, faz lembrar Benjamin Gibbard, dos ditos DCFC. Na verdade, as semelhanças são suficientes para que, em 2008, uma brincadeira na internet que fez passar Home Waters, o terceiro álbum dos Velveteen, como sendo uma cópia pirata do novo álbum dos DCFC, ludibriou milhares de fãs da banda americana. Nem assim a sua carreira passou para um patamar superior e continuam a editar discos por sua própria conta (queixam-se de que tiveram péssimas experiências com as editoras). Apesar do equívoco de 2008, os Velveteen não são um sucedâneo de DCFC e merecem ser escutados por si mesmos.

[“The Drummer Goes Berserk”, do álbum Home Waters]

Camera

Lali Puna

Origem: Weilheim in Oberbayern/Munique, 1998
Alguns álbuns: Tridecoder (1999), Scary World Theory (2001), Faking the Books (2004), Our Inventions (2010)

A cantora Valerie Trebeljahr nasceu na Coreia do Sul, cresceu em Portugal e fez parte de uma girls band antes de formar, em 1998, os Lali Puna com Markus Acher (guitarrista dos The Notwist, que nos Lali Puna toca baixo e teclados). O grupo passaria depois a quarteto com a entrada de Florian Zimmer (teclas, depois substituído por Christian Heiss) e Christoph Brandner (bateria). O som da banda assenta na voz de Trebeljahr e numa pulsação minimal de electrónica e samples e encontrou o poiso ideal no catálogo da Morr Music.

[“Faking the Books”, do álbum Faking the Books]
Publicidade
Camera

Wir Sind Helden

Origem: Hamburgo, 2000
Alguns álbuns: Die Reklamation (2003), Von Hier An Blind (2005), Soundso (2007), Bring Mich Nach Hause (2010)

A cantora Judith Holofernes (um nome artístico que junta, com um misto de malícia e crueldade, o general babilónio Holofernes à intrépida judia Judite que o terá decapitado, a darmos crédito às Sagradas Escrituras) já tinha carreira e um álbum em nome próprio quando fundou os Wir Sind Helden (Nós Somos Heróis), um nome que pretende ser irónico e troçar do facto de, nas confortáveis sociedades ocidentais, o termo “herói” estar muito desvalorizado (já Bowie cantava que “podemos ser heróis só por um dia”). No início, a banda tinha um som mais cru, expansivo e agitado, mas com o tempo foi tornando-se mais suave e introspectivo, ao mesmo tempo que os teclados iam dando lugar a um largo espectro de instrumentos acústicos. Os quatro álbuns da banda, que se dissolveu em 2012, alcançaram o 1.º ou o 2.º lugar do top alemão e tiveram desempenho similar no top austríaco.

[“Nur Ein Wort”, do álbum Von Hier An Blind]
Camera

Kettcar

Origem: Hamburgo, 2001
Alguns álbuns: Du und Viel von Deinen Freuden (2002), Von Spatzen und Tauben, Dächern und Händen (2005), Sylt (2008), Zwishen den Runden (2012)

Em boa hora Marcus Wiebusch (voz e guitarra) e Reimer Bustorff (baixo) decidiram que o ska praticado pela sua banda Rantanplan não era bem o que queriam fazer e se juntaram a Erik Langer (guitarra), Lars Wiebusch (teclados) e Frank Tirado-Rosales (bateria, depois substituído por Christian Hake) para formar os Kettcar, que, não fosse a língua, passariam facilmente por uma banda indie americana.

[“Landungsbrücken Raus”, do álbum de estreia, Du und Viel von Deinen Freuden]
Publicidade
Camera

ABAY

Alguns álbuns: Blank Sheets (2014), Everything’s Amazing and Nobody Is Happy (2016)

O percurso de Aydo Abay, nascido, de pais turcos, em Waldbröl, passou pelos Blackmail, uma banda que fundou em Koblenz em 1994 e de que foi o frontman até à sua saída em 2008; entretanto, Abay fundara em 2002 os KEN, banda que manteve até 2010, passando depois a apresentar-se como ABAY. Os Blackmail e os KEN, que também são merecedores de atenção, são mais rock e tensos, os discos sob o nome de ABAY são mais pop e distendidos. Há que reconhecer que o título Everything’s Amazing and Nobody Is Happy é uma boa descrição dos nossos tempos.

[“1997 (Exit A)”, do álbum Everything’s Amazing and Nobody Is Happy”]
Camera

BOY

Origem: Zurique/Hamburgo, 2007
Alguns álbuns: Mutual Friends (2011), We Are Here (2015)

A suíça germanófona Valeska Steiner (voz) e a alemã Sonja Glass (baixo) encontraram-se em Hamburgo em 2005 mas limitaram a sua actividade a concertos ao vivo até que, em 2011, Herbert Grönemeyer, da Grönland Records, as incentivou a gravar um disco. Em boa hora o fez, pois o mundo ficou a conhecer uma banda de pop intimista e despretensiosa, que casa com acerto instrumentos acústicos e electrónica. A banda ganhou uma inesperada visibilidade quando “Little Numbers” – um hino luminoso com afinidades com os Death Cab For Cutie – foi usado pela Lufthansa para um anúncio.

[“Little Numbers”, de Mutual Friends]
Publicidade