0 Gostar
Guardar

Bruckner: sinfonias como catedrais

Anton Bruckner foi o maior sinfonista do Romantismo germânico da segunda metade do século XIX – das nove sinfonias que deixou, vai ouvir-se a n.º 5

©Hermann von Kaulbach

A Orquestra Metropolitana de Lisboa reforça-se e assume envergadura sinfónica para, sob direcção de Pedro Amaral, interpretar uma das monumentais sinfonias de Anton Bruckner (1824-96), a n.º 5. A sinfonia teve uma gestão difícil, ao longo dos anos de 1875-78 e o compositor nunca chegaria a ouvi-la, pois a doença impediu-o de assistir à estreia que teve lugar a 8 de Abril de 1894, em Graz, sob a direcção de Franz Schalk, um discípulo seu. Resta saber se teria gostado do que foi tocado nessa estreia, pois a partitura usada na ocasião foi profundamente revista por Schalk, ao que se crê sem aprovação de Bruckner. Hoje em dia as versões que se ouvem são as que retomam as intenções originais do compositor.

[1.ª parte (Adagio) do IV andamento/Finale da Sinfonia n.º 5 de Bruckner, pela Gewandhausorchester de Leipzig, com direcção de Herbert Blomstedt, num concerto em Tóquio, em 2002]

CCB, domingo 23, 17.00, 2-20€.

Comentários

0 comments