A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Jethro Tull

  • Música, Rock e indie
Publicidade

A Time Out diz

Algo nos diz que esta noite vai ter de ser bem negociada. É que eles podem querer tocar uma coisa, mas o Coliseu inteiro vai querer ouvir outra. Ian Anderson pretenderá, com toda a justiça, demonstrar que mantém a vitalidade criativa e que, 55 anos depois de se terem feito à estrada, os seus Jethro Tull são mais do que uma exposição itinerante de arte antiga. Acabam de lançar The Zealot Gene, 22.º álbum de originais e o primeiro em 18 anos, e o single que lhe dá nome traz-nos de volta a escrita a que Anderson já nos acostumou, denunciante das formatações sociais, das alienações das massas, das corrupções do sistema. E tudo isso com um olhar vivo e actual, a fazer mira aos populismos, com um vídeo que parece um extra para o The Wall dos Pink Floyd, e apoiado no som folk/rock que é sua assinatura. Mas tudo isso vai ter de ser bem equilibrado com uma exposição das melhores jóias do património da banda e que são razão maior para uma noite de romaria às Portas de Santo Antão. Se não se escutar por ali coisas como “Living in the Past”, “Aqualung”, “Locomotive Breath” ou “Thick as a Brick”, se Anderson não se tentar ao menos equilibrar sobre uma perna a tocar a “Bourée” de Bach, então é bem capaz de haver reclamações.

Escrito por
João Pedro Oliveira

Detalhes

Endereço
Publicidade
Também poderá gostar