A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Música, Afrobeat, June Freedom
©Gabriell VieiraJune Freedom

June Freedom: um filho de Cabo Verde a viver o sonho americano

June Freedom tem alma de artista, daqueles com quem se cruzou durante a infância em Cabo Verde e daqueles com quem partilha salas de estúdio em Los Angeles. É filho da mistura, tal como a sua música. Falámos com ele.

Escrito por
Cláudia Lima Carvalho
Publicidade

Nasceu em Boston, cresceu em Cabo Verde e, aos 15 anos, voltou para os Estados Unidos. Viveu em Nova Iorque uns anos, e é em Los Angeles que hoje faz vida, mas Cabo Verde continua a ser um destino frequente. Portugal aparece entre paragens. Não é por isso de estranhar que June Freedom não seja só uma coisa. O músico, que durante anos produziu e escreveu para outros, lançou agora o seu primeiro disco, Anchor Baby, “um casamento entre a música tradicional cabo-verdiana e as vibes dos Estados Unidos”.

“Pé Na Caminho”, canção que abre o disco, é o exemplo perfeito dessa mistura e põe a nu, em menos de dois minutos, a crioulidade de June e o sonho americano de se tornar maior. “Com três anos fui viver para Cabo Verde e queria fazer tudo o que via, as mornas, as coladeiras. Eu cresci com essa cultura. Essa tradição está em mim”, diz-nos. “Mas depois, quando voltei para os Estados Unidos, era diferente: ouvia hip-hop, R&B. Eu sinto que sou isso [tudo] e é isso que quero transmitir no disco”, continua o músico, numa breve passagem por Lisboa, onde se surpreendeu por já ser reconhecido na rua.

O grande responsável por isso, garante, é Dino d’Santiago, que o tem posto no mapa – foi, aliás, Dino, com quem partilha as raízes cabo-verdianas e a contemporaneidade da música que ainda assim toca a tradição, que nos apresentou a June, com a certeza de que é uma questão de tempo até que o artista se torne um nome de destaque na música. “O Dino disse-me que, quando me ouve, ouve o que ouve na Mayra [Andrade], o que ouve na música tradicional. Isso significa o mundo.” Admite até alguma pressão: “Ele pôs a expectativa muito alta para mim.”

Já no ano passado teve os holofotes virados para si quando gravou “Dor d’um Kriolu” com Nélson Freitas – tema que entra agora no disco. “Preta” e “Andréia” são duas canções que também se têm destacado, especialmente em Cabo Verde. “Eu faço música para as pessoas se sentirem bem, para estarem felizes e dançarem. Faço mais afrobeat.”

Nem sempre foi assim. “Lancei umas coisas há muito tempo, fiz umas kizombas tradicionais e até tive algumas reacções de fãs e fiz uns concertos, mas depois sentia que não estava preparado. Estava a fazer música para o momento”, diz. “Quis aprender instrumentos, aprender a escrever melhor e a comunicar os meus pontos [de vista] da forma mais honesta possível.” Por isso, durante anos trabalhou em colectivo, com diferentes produtores, compositores e artistas. “Gosto de trabalhar com outras pessoas, sentir energias diferentes. Gosto quando vamos todos para uma sala, ou para uma viagem, e criamos música na esperança que uma delas seja escolhida por um artista grande.”

A música anda com ele desde sempre. Na mudança para Cabo Verde, a mãe abriu um restaurante na ilha do Fogo, onde todos os fins-de-semana havia música ao vivo. “Era muito novo e estava sempre a cantar, dançar, fazer sons, e foi no restaurante que eu pude ver música ao vivo a sério pela primeira vez”, acrescenta, recordando os tempos em que tentava estar sempre perto do palco. “A minha mãe diz-me sempre que eu comecei na música com pouca idade e muito atrevimento.”

Ildo Lobo, com quem chegou a actuar no restaurante Cesária, em Boston, num dos últimos concertos do músico antes de morrer, é a sua grande referência. Lembra-se perfeitamente da primeira vez que o ouviu, em miúdo. “Eu já não sei o que estava a fazer com os meus amigos, mas de repente ele cantou ‘Cusas Di Coraçon’ e parei. Depois desse dia, ele tornou-se numa das minhas maiores influências. Eu costumava vestir-me como ele, queria ser como ele, punha a boina como ele. Poder cantar com ele foi dos melhores momentos da minha vida”, conta June, explicando que ainda hoje há um bocadinho de Ildo Lobo na sua música. E o que lhe diria a voz dos Tubarões sobre Anchor Baby? “Acho que acharia que é um bom álbum, que gostaria do trabalho, mas que diria: sei que há mais em ti.”

June Freedom garante que há: “Tenho mais de 300 canções feitas, de géneros, vibes e mundos diferentes.” Mas há também nos planos umas canções em português e crioulo. “Tenho de me manter fiel às minhas raízes, foi assim que cresci.”

Lisboa crioula

  • Coisas para fazer

Dino D’Santiago canta “Nova Lisboa”, mas sabe que não é tão nova assim. Novo talvez seja o olhar que nos conseguiu pôr nos olhos. “Infelizmente, ainda há muito preconceito”, diz. Mas a nova geração é mais desprendida e assume que “somos todos crioulos e vamos começar uma nova narrativa”. E essa narrativa começa nas periferias de Lisboa, onde está “a diversidade toda”. 

  • Coisas para fazer

Formou-se em engenharia, mas é na comunicação que se sente completa. É radialista na Cidade FM, criadora de conteúdos e youtuber. “Batalhei para ir tendo as minhas oportunidades e sei que estou numa posição quase privilegiada nesse sentido, por ter uma voz, mas sei que há uma série de profissionais capazes, negros, que acabam por ficar pelo caminho”, refere. 

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade