Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Mazgani: “É mais fácil encontrar espaço na lentidão”
Mazgani
©Joana Linda Mazgani

Mazgani: “É mais fácil encontrar espaço na lentidão”

Mazgani lançou em Fevereiro o álbum 'The Gambler Song', que apresenta a 4 de Março no Capitólio. Falámos com ele

Por Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

Shahryar Mazgani é um interlocutor cuidadoso. Não porque meça as palavras, mas porque parece esforçar-se e ter gosto por ir ao encontro de quem fala com ele – ouve o que lhe dizem com atenção, aceita dialogar sobre tudo e, quando sente que se afastou demasiado do ponto de partida, termina as respostas com um “espero ter respondido à tua pergunta”. Esse cuidado e essa empatia não se notam apenas nas entrevistas. Escutam-se também nos discos do cantautor luso-iraniano. O mais recente, The Gambler Song, saiu em Fevereiro e será apresentado na quarta-feira, 4 de Março, no Capitólio.

 

Várias pessoas têm-se referido a The Gambler Song como um disco mais calmo, em oposição ao anterior The Poet’s Death, que tinha um registo mais roqueiro. Eu não sinto isso, mas tu concordas que o novo disco é mais calmo do que os anteriores?

Potencialmente, o anterior The Poet’s Death era mais rock e revelou-se ainda mais rock no palco, pelo menos em alguns momentos. Mas não quero discordar. Até porque a lentidão sempre me interessou. Desde o início que encontro mais facilmente espaço para contar uma história nessa cadência mais lenta.

Mas podes discordar à vontade.

Não quero, e vou dizer-te porquê. Eu fico feliz com a leitura do outro. Acho que a minha leitura do que faço não é necessariamente a melhor. Se alguém encontra algo com que se identifica numa canção, para mim isso é perfeito. Agora, para não fugir à pergunta, e não ser demasiado filosófico, eventualmente havia momentos em que as canções eram mais in your face no The Poet’s Death, apesar de essa lentidão existir também. E aqui é tudo mais contemplativo, se calhar. A toada é mais para um lado do que para outro.

Depois de dois discos com o selo da Sony, o novo álbum foi auto-editado. Porquê?

Porque acabou esse tempo. Eu fui para a Sony pelas pessoas, mais do que pelo interesse em ter uma editora, e essa relação permanece. Inclusivamente, a Sony distribui este disco. Mas o meu percurso sempre foi totalmente independente, fazendo os discos da minha maneira e tendo um certo discurso que, não sendo hermético, não apela a todos. Sempre fiz o que quis fazer, sem grandes compromissos.

Portanto, é indiferente fazeres as coisas sozinho ou com uma editora por trás.

Acho que sim. Desde o início que o meu trabalho, o processo, é mais ou menos idêntico. Espero que agora com mais maturidade, mas com as mesmas referências.

Apesar de teres vivido em Portugal quase toda a vida, as tuas referências musicais são sobretudo anglo-saxónicas: o Leonard Cohen, o Nick Drake... Qual é a tua relação com a música portuguesa, se é que tens alguma?

Tenho muito amor pelos cantautores portugueses. Lembro-me de ser miúdo e ouvir o Zeca, por exemplo. E tenho um grande amor pela Amália, que é mais do que fadista, é a Amália. Mas de certa forma esses nomes, e os que tu mencionas, são indivíduos. Se calhar dizem que o Nick Drake toca folk, mas não: é o Nick Drake. Tem uma assinatura e uma caligrafia. Se calhar dizem que a Amália canta o fado – e canta – mas é a Amália. Vai além do fado. Falam do Leonard Cohen como songwriter. Sim, mas é muito redutor: é o Leonard Cohen. É um poeta. O que sempre me entusiasmou foi a procura dessas pessoas por serem indivíduos. Por serem eles próprios.

E vais acompanhando o que se passa no Irão, onde nasceste?

Inevitavelmente, todos seguimos o que passa lá. Só que eu sigo com uma atenção redobrada, porque tenho uma relação afectiva com o país. Sempre falei farsi em casa, nunca me esqueci da língua e os meus pais tentaram mostrar-me as coisas que eles consideravam bonitas de lá. É um país com uma cultura milenar, com coisas magníficas, com uma tradição poética extraordinária e uma música clássica muito exigente. Tenho todas essas referências que os meus pais me deram e estou-lhes muito grato por isso. Acho que isso afecta muito a forma de eu ver as coisas. Sinto que sou iraniano e que sou português.

Crítica: Mazgani

"The Gambler Song"

★★★★☆

Não há qualquer surpresa, ou sequer confirmação. Década e meia de estrada, seis discos no activo, Mazgani tem já créditos firmados e um nome que identifica um estilo. Mas este disco é, apesar disso, um passo em frente. Ao assumir um registo muito mais calmo, lento, do que em registos anteriores, e ao afastar-se do blues seminal talvez como nunca outrora, Mazgani burila e fixa de forma mais evidente uma maneira muito peculiar de estar na música. Os temas andam – como poderia ser de outra forma? – em torna do amor, da busca, da errância. A música, com mais espaço para respirar, serve na perfeição esse desígnio contemplativo. Canções como “Into Silence” aproximam-se do pop elegante, sem as arestas do blues, para logo de seguida “The Sweetest Song” ser a excepção que nos traz o canto gritado de discos passados. Os mais puristas hesitarão perante este som mais manso, que nada parece ter, porém, de derrota ou inflexão. Manuel Morgado

Conversa afinada

Miguel Angelo
Inês Félix

Miguel Angelo: “Não me arrependo de nada”

Música

Miguel Angelo foi um dos artistas mais mediáticos do Portugal dos anos 90. Não só pela popularidade dos discos gravados com a Resistência e os Delfins, como pelos trabalhos que desenvolveu paralelamente na televisão, no teatro, no cinema ou na imprensa. Sentámo-nos numa esplanada e falámos sobre o álbum NOVA (pop) e tudo o que está para trás. Mas não havia um lugar ao sol.

capicua
©Pedro Geraldes

Capicua: “A música é um megafone para as minhas causas”

Música

Madrepérola começou a ser composto antes da gravidez do primeiro filho e acabou de gravar quando já o embalava nos braços. Regressou ao trabalho para se reencontrar. Quis procurar “um lado mais solar”, deixando-se levar por uma forte influência da música brasileira. Num meio onde a mulher é resumida a uma função decorativa e coisificada, colou os cacos e transformou as mais variadas dores em arte.

Publicidade
Ornatos Violeta
Fotografia: Adriana Oliveira

Ornatos Violeta: “O nosso combustível sempre foi a amizade”

Música

Bastaram discos (Cão! em 1997 e O Monstro Precisa de Amigos em 1999) para garantir aos Ornatos Violeta um lugar na história do rock nacional. E a separação precoce, em 2002, quando trabalhavam no terceiro, assegurou que o seu legado se mantinha incólume. Antes do derradeiro concerto da segunda reunião da banda, falámos ao telefone e descobrimos que talvez este concerto não seja tão derradeiro quanto se supunha. Talvez até já exista uma canção nova. Sublinhe-se: talvez.

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade