0 Gostar
Guardar

Mozart e Mahler por duas grandes solistas

A Orquestra Gulbenkian, sob a direcção de Benjamin Shwartz, toca a Sinfonia n.º 4 de Mahler e o Concerto para piano n.º 20 de Mozart, tendo como solistas, respectivamente, a pianista Varvara e a soprano Sunhae Im

© Pedro Ferreira
Orquestra Gulbenkian

“Fico estupefacto e sem palavras quando esta rapariga toca [...] faz-nos esquecer que o instrumento existe, que é o maior elogio que posso fazer a um pianista.” As palavras são de Markus Hinterhauser, júri do concurso Géza Anda de 2012, e dizem respeito à pianista russa Varvara (n. 1983, Moscovo), que tem tocado com maestros como Valery Gergiev e David Zinman e será solista no Concerto n.º 20 de Mozart. Para quem estranhe que Varvara use tão singelo nome artístico, há uma explicação: o seu apelido – Nepomnyashchaya – é uma fonte de embaraços para a maioria dos não-russófonos.

 

[Varvara Nepomnyashchaya no Concerto para piano n.º 20 K466 de Mozart, no Concurso Géza Anda de 2012]

 

A Sinfonia n.º 4 de Mahler conclui-se com a canção “Das Himmlische Leben”, que será confiada à soprano sul-coreana Sunhae Im, que tem cantado com os principais maestros de música antiga como Jacobs, Herreweghe, Christie, Koopman ou Antonini, mas estende o seu repertório até ao século XX. Já gravou a Sinfonia n.º4 de Mahler com a Sinfónica de Pittsburgh, dirigida por Manfred Honeck (Exton).

 

[Uma maostra dos dotes de Sunhae Im: ária “Una voce poco fa”, da ópera O Barbeiro de Sevilha, de Rossini, com a Gangnam Symphony Orchestra e Kisun Sung, em 2013]

 

Hoje em dia a canção “Das Himmlische Leben” é invariavelmente cantada por sopranos, mas Mahler concebeu a peça para um rapaz-soprano, pois o texto, proveniente da recolha Das Knaben Wunderhorn, reflecte uma visão pueril do Paraíso Celeste, com os santos afadigando-se na preparação de uma festa com todo o tipo de guloseimas, e o espírito da canção requer uma candura a que assenta bem uma voz infantil.

Em tempos mais recentes, poucos maestros têm corrido o risco de usar um rapaz neste exigente trecho, mas Leonard Bernstein, numa gravação de 1987 com a Concertgebouw Orchestra, recorreu a Helmut Wittek e conseguiu uma das mais tocantes versões da sinfonia.

 

[“Das Himmlische Leben” por Helmut Wittek, rapaz soprano dos Tölzer Knabenchor, com a Concertgebouw Orchestra dirigida por Leonard Bernstein, na gravação de 1987 para a Deutsche Grammophon]

 

Fundação Gulbenkian, quinta-feira 17, 21.00, sexta-feira 18, 19.00, 12-24€

Comentários

0 comments