Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Nove grandes duetos de amor na ópera
Tristão e isolda com a poção,  John William Waterhouse
©DR Tristão e Isolda

Nove grandes duetos de amor na ópera

A definição de ópera de George Bernard Shaw – “um tenor e uma soprano querem ir para a cama, mas são impedidos de o fazer por um barítono” – tem algum fundamento, mas é uma base que permite imensas variações

Por José Carlos Fernandes
Publicidade

Nove grandes duetos de amor na ópera

“Pur ti miro”, de L’Incoronazione di Poppea, de Monteverdi

L’Incoronazione di Poppea (1643) foi uma das primeiras óperas a trocar os enredos da mitologia greco-romana pela história da Antiguidade Clássica – e uma história pouco edificante, por sinal, uma vez que trata da ascensão de Popeia Sabina, esposa de Otão, a consorte de Nero e imperatriz, o que é conseguido à custa do afastamento de Cláudia Octávia, a primeira esposa de Nero, e da nomeação de Otão para governador da pobre e remota Lusitânia. Popeia e Nero surgem como criaturas sem escrúpulos, que não olham a meios para satisfazer os seus caprichos e ambições, mas, contrariando as convenções morais da ópera daquele tempo, o libreto pune os virtuosos e recompensa os canalhas, pelo que a ópera encerra com o dueto “Pur Ti Miro, Pur Ti Godo”, em que Nero e Popeia, superados os obstáculos e descartados os seus legítimos consortes, celebram o seu amor.

[“Pur Ti Miro, Pur Ti Godo”, pela soprano Danielle de Niese (Poppea) e pelo contratenor Philippe Jaroussky (Nerone), com Les Arts Florissants e o maestro William Christie, ao vivo no Teatro Real de Madrid, em 2010 (DVD Virgin/Erato)]

“Io t’Abbraccio”, de Rodelinda, de Handel

Rodelinda, estreada em Londres em 1725, é uma ópera transbordante de belíssimas melodias e apurado sentido dramático. A acção decorre na Lombardia no século VII, que acaba de ser conquistada por Grimoaldo. Não satisfeito em ter privado o infeliz Bertarido do reino, o infame Grimoaldo deita agora olho à sua esposa, Rodelinda, que se crê viúva. Rodelinda evoca a memória do seu amado esposo e resiste aos avanços de Grimoaldo, mas quando este ameaça matar o seu filho, Rodelinda acede em casar com ele. Porém, Rodelinda acaba por descobrir que Bertarido afinal está vivo e os dois abraçam-se apaixonadamente – é então que surge Grimoaldo que ordena aos seus soldados que prendam Bertarido. É neste momento, no final do II Acto, que parece marcar o fim da esperança para o par Bertarido/Rodelinda – ele condenado à morte, ela forçada a casar-se com um homem odioso – que cantam o pungente dueto de despedida “Io t’Abbraccio”.

[“Io t’Abbraccio”, pela soprano Patrizia Ciofi (Rodelinda) e pela mezzo-soprano Joyce DiDonato (Bertarido), com o Complesso Barocco e o maestro Alan Curtis; faz parte do álbum Amor e Gelosia (CD Virgin Classics, agora na Erato)]
Publicidade

“La ci darem la mano”, de Don Giovanni, de Mozart

O dueto “La ci darem la mano”, do dramma giocoso Don Giovanni (1787), com libreto de Lorenzo da Ponte, é frequentemente citado como um dos mais belos duetos de amor da história da ópera. Se é, do ponto de vista musical, indiscutivelmente soberbo, é legítimo questionar a sinceridade e constância do amor que as duas personagens aqui exprimem: Don Giovanni limita-se a aplicar a Zerlina as estratégias de sedução que emprega com qualquer rabo de saia que lhe apareça pela frente, e a ingénua Zerlina, cuja experiência com homens estava, até aí, circunscrita ao seu noivo Masetto, um rústico camponês, está momentaneamente deslumbrada com a sofisticação e galanteria de um cavalheiro como Don Giovanni.

[“La ci darem la mano”, pela soprano Susanne Mentzer (Zerlina) e pelo barítono Thomas Allen (Don Giovanni), com a Orquestra do Teatro Alla Scala, de Milão, e o maestro Riccardo Muti, 1987]

“Un di, felice, eterea”, de La Traviata, de Verdi

Em 1852, Verdi assistiu em Paris a uma representação de A Dama das Camélias, de Alexandre Dumas (filho), e logo cogitou em adaptá-la à ópera, que estreou no La Fenice, de Veneza, no ano seguinte. A licenciosidade do libreto fez com que a direcção do teatro impusesse que a acção não decorresse no tempo presente mas “por volta de 1700”. Violetta, uma cortesã de luxo, dá uma festa em casa para celebrar a recuperação da saúde – que rapidamente perceberemos ter sido ilusória – e uma das convidadas traz consigo um amigo, Alfredo Germont. Após um brinde, deverá seguir-se a dança, mas Violetta é travada por uma indisposição e fica para trás; enquanto escrutina a palidez do seu semblante num espelho, Alfredo aproxima-se e faz-lhe uma declaração de amor, confessando que há muito a idolatra, à distância, a que Violetta reage com evasivas, embora, lá no fundo, tenha ficado apaixonada por Alfredo.

[“Un di felice, eterea”, pela soprano Angela Gheorghiu (Violetta) e pelo tenor Frank Lopardo (Alfredo Germont), com a Orquestra da Royal Opera House, Covent Garden, e o maestro Georg Solti, 1994]

Publicidade

“Nuit d’ivresse”, de Les Troyens, de Berlioz

Transpor para o palco a Eneida nunca seria tarefa fácil e a inclinação de Berlioz para a megalomania também não ajudou, de maneira que, em vida de Berlioz, Les Troyens apenas conheceu uma estreia parcial em 1863 e só foi ouvida na íntegra em 1890.

“Nuit d’ivresse” surge no final do IV acto. Após a queda de Tróia e variadas peripécias, Eneias chegou a Cartago, sob disfarce, mas acabou por ter de revelar a sua identidade para salvar Dido, rainha de Cartago, de uma investida de Iarbas, rei bárbaro que pretende casar-se com ela. A paixão nasce entre Dido e Eneias e ambos se abstraem das suas missões: Dido negligencia o governo do reino, Eneias demora-se por aquela terra, embora saiba que é Itália o seu destino. O dueto “Nuit d’Ivresse” parece prometer amor eterno – “Noite de embriaguez e êxtase infinito! Louro Febo e grandes astros da sua corte, derramai sobre nós o vosso esplendor bendito, flores dos céus, sorri ao amor imortal” – mas é o último momento a dois, pois, na sombra, o idílio dos amantes é espreitado por Mercúrio, que vem lembrar a Eneias as suas obrigações.

[“Nuit d’ivresse”, pela soprano Susan Graham (Didon) e pelo tenor Gregory Kundehe (Énée), com a Orchestre Révolutionnaire et Romantique e o maestro John Eliot Gardiner, em Paris, 2004]

“O Sink Hernieder Nacht der Liebe”, de Tristão e Isolda, de Wagner

O libreto da ópera Tristão e Isolda (estreada em 1865), que adapta uma lenda medieval, é requintadamente tortuoso e sombrio: Tristão foi enviado por Mark, o seu tio e rei da Cornualha, para ir buscar a noiva, Isolda, e descobre que ela é a mulher que, em tempos, tratou, com desvelo e artes mágicas, das suas graves feridas sem saber que ele, Tristão, tinha morto em combate Morold, o seu noivo. Quando Isolda descobre a identidade de Tristão ergue uma espada para o matar, mas, quando ele a olha nos olhos, a determinação fraqueja. Está visto que estão unidos pela paixão e que esta é da variedade mais funesta. Tristão leva Isolda até Mark, mas depois o amor entre eles leva a melhor e, a meio de uma caçada real, Tristão e Isolda têm um encontro secreto – e é aí que cantam o extáctico dueto “O Sink Hernieder Nacht der Liebe” (“Desce, oh noite de amor, traz o esquecimento para que eu viva, acolhe-me no teu seio, liberta-me do mundo”).

[“O Sink Hernieder Nacht der Liebe”, pela soprano Violeta Urmana (Isolda) e o tenor Robert Dean Smith (Tristão), com a Ópera Estatal de Viena, dirigida por Simon Rattle]
Publicidade

“O Soave Fanciulla”, de La Bohème, de Puccini

O que seria da ópera romântica sem a tuberculose? É ela que sela o destino da sofisticada cortesã Violetta em La Traviata e também é a ela que sucumbe a simples e pura proletária Mimi (ocupa-se do fabrico de flores de papel), de La Bohème (1896). Mas para já tudo vai bem: Mimi bateu à porta de Rodolfo, poeta boémio e sem cheta, para pedir lume, uma vez que a sua vela se apagou, mas o lume que se acende é outro, de que dá testemunho o dueto “O Soave Fanciulla”.



[“O Soave Fanciulla”, pela soprano Renata Scoto (Mimi) e pelo tenor Luciano Pavarotti (Rodolfo), com o Orquestra da Metropolitan Opera de Nova Iorque e o maestro James Levine, 1977]

“Mir Ist die Ehre Widerfahrer”, de O Cavaleiro da Rosa, de Strauss

O Cavaleiro da Rosa (Der Rosenkavalier, 1911) marca uma inflexão na carreira de Richard Strauss: após óperas expressionistas, cruas e sanguinolentas como Salome e Elektra, criou um universo neo-mozartiano feito de elegância aristocrática e contenção.

O conde Octavian, o jovem e ardoroso amante da madura Marschallin, é incumbido de apresentar a proposta de casamento – sob a forma de uma rosa de prata – do grosseiro e canastrão barão Ochs, primo de Marschallin, à cândida e jovem Sophie. Octavian fizera juras de amor eterno a Marschallin, mas assim que os seus olhos pousam em Sophie, a turbação toma conta do seu espírito e as suas certezas são varridas. “Mir Ist die Ehre Widerfahrer” dá conta do coup de foudre entre os dois jovens.

[“Mir Ist die Ehre Widerfahrer”, pela soprano Lucia Popp e pela mezzo-soprano Brigitte Fassbaender (Octavian), com a Bayerisches Staatsorchester e o maestro Carlos Kleiber (DVD Deutsche Grammophon)]

Publicidade

“Time To Hit the Hay, Cowboy”, de Brokeback Mountain, de Wuorinen

Embora o amor seja o assunto por excelência da ópera, a paixão homossexual raras vezes assoma nos palcos líricos. Britten foi o primeiro compositor de primeiro plano a abordar o tema, ainda que de forma velada ou sublimada, em Billy Budd (1951) e Death in Venice (1973), às quais se juntou, em 2014, Brokeback Mountain, de Charles Wuorinen (n.1938), agora de forma perfeitamente explícita. O libreto é de Annie Proulx a partir de um conto seu, que já tinha dado, em 2005, um premiadíssimo filme de Ang Lee.

“Time To Hit the Hay” não é exactamente um “dueto de amor”, pois Ennis del Mar resiste a admitir a sua homossexualidade e o seu amor por Jack Twist, e também é discutível que seja “grande”, pois Wuorinen não pertence ao campeonato de Handel, Mozart ou Wagner. Mas é ilustrativo dos novos caminhos que a ópera toma no século XXI. 

[“Time To Hit the Hay, Cowboy”, pelo tenor Tom Randle (Jack Twist) e pelo barítono Daniel Okulitch (Ennis del Mar), com a Orquestra Sinfónica de Madrid e o maestro Titus Engel, no Teatro Real de Madrid, 7 de Fevereiro de 2014, nas récitas de estreia de Brokeback Mountain (DVD BelAir)]

Recomendado

    Também poderá gostar

      Publicidade