0 Gostar
Guardar

O PREC está de volta (e a culpa não é da “geringonça”)

“O povo unido nunca mais será vencido” ressoará no Grande Auditório da Gulbenkian, mas assumindo facetas pouco usuais, num programa que alia Beethoven a Rzewski, gizado pelo pianista russo Igor Levit

©Felix Broede

Em 1819, Anton Diabelli, compositor de limitado talento e editor de música de espírito empreendedor, teve a ideia de convidar umas dezenas de compositores austríacos a compor uma variação sobre uma “valsa patriótica” de sua autoria. As peças seriam reunidas numa colecção a editar pela sua editora, com sede em Viena, que funcionaria como catálogo de “compositores da nação”. O fito da iniciativa era menos o de promover a música austríaca do que obter publicidade para a editora de Diabelli.

Entre os 51 convidados que responderam ao desafio estavam nomes que hoje apenas são conhecidos de musicólogos, como Kalkbrenner, Tomasek ou Vorisek, e alguns compositores que na altura disfrutavam de grande prestígio, como Moscheles e Hummel, mas estão hoje remetidos ao segundo plano. Entre os participantes estavam ainda Franz Xaver Mozart, o obscuro filho do fulgurante Wolfgang Amadeus, Carl Czerny, cuja fama presente assenta quase exclusivamente nas suas peças pedagógicas para piano, e o Arquiduque Rudolfo, que fora aluno de piano de Beethoven e se tornara seu mecenas.

 

[A valsa original de Anton Diabelli, por Igor Levit]

Apenas três nomes entre os 51 serão hoje capazes de suscitar imediato reconhecimento: Schubert, Liszt (que tinha apenas nove anos!) e Beethoven. Segundo uma testemunha não muito fiável, este último começou por recusar a proposta, por entender que a valsa proposta como tema era indigente, e que apenas mudou de ideias quando Diabelli lhe acenou com uma choruda remuneração. O certo é que Beethoven acabou por se empenhar de tal modo no projecto que acabou por compor, não uma, mas 33 variações, que se converteram numa obra autónoma, as Variações Diabelli, que só foram terminadas quatro anos depois e são um marco da história da música. Diabelli, que desempenhou importante papel como editor, mas foi um compositor menoríssimo, apenas é hoje lembrado por ter o seu nome associado às 33 variações de Beethoven; quanto às peças dos restantes 50 compositores que participaram na empresa, cairam no olvido.

 

[Variações Diabelli n.º4, 19 e 28, por Piotr Anderszewski]

Mais de século e meio depois, o compositor norte-americano Frederic Rzewski (n. 1938) inspirou-se no conceito das Variações Diabelli para compor um ciclo de 36 variações para piano intitulado The People United Will Never Be Defeated, sobre a canção chilena “El Pueblo Unido Jamás Será Vencido!”, composto em 1973, para galvanizar a nação em torno do governo de Salvador Allende. Não há português entrado na meia-idade que não a conheça, pois teve forte voga em Portugal nos anos do PREC, sob diferentes versões, sendo a mais conhecida a de Fernando Tordo, com letra adaptada por Ary dos Santos.

 

 

[Versão de 1974, de Luís Cília, para “O povo unido jamais será vencido”, com os Quilapayún, a banda da nueva Canción Chilena que criou o hino]

A canção inspiraria também o jazz, figurando no excepcional álbum The Ballad of the Fallen, da Liberation Music Orchestra de Charlie Haden, onde pode ouvir-se também uma surpreendente versão de “Grândola Vila Morena”, de José Afonso.

 

[Excerto das 36 variações de The People United Will Never Be Defeated, de Frederic Rzewski, pelo próprio compositor]

Contrariando o destino usual da música composta nas últimas décadas, que não costuma surgir nos programas dos pianistas de primeiro plano, The People United Will Never Be Defeated despertou o interesse de Marc-André Hamelin, que a gravou para a Hyperion, e de Igor Levit, que a gravou para a Sony Classical.

[Excerto das 36 variações de The People United Will Never Be Defeated, de Frederic Rzewski, por Igor Levit]

O russo Igor Levit (n. 1987, Nizhny Novgorod) já tinha dois CDs duplos registados na Sony, um com as últimas sonatas de Beethoven (2013) e outro com as Partitas de Bach (2014), quando em 2015 lançou um muito aclamado triplo CD sobre a arte da variação, acoplando as Variações Goldberg de Bach, as Variações Diabelli de Beethoven e The People United Will Never Be Defeated, de Rzewski. Na sua estreia na Gulbenkian, o pianista russo junta as variações de Beethoven às de Rzewski – alguém teria de ficar de fora, senão o recital duraria bem mais de três horas.
Dada a natureza da peça de Rzewski, o código de vestuário desaconselha energicamente vestidos de noite e fraques. É também aconselhável deixar a joalharia em casa.

Fundação Gulbenkian, Sábado 3, 21.00, 12-24€

Comentários

0 comments