A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Panda Bear
Inês FélixPanda Bear no Príncipe Real

Panda Bear ainda nos consegue surpreender

Há poucos músicos tão inventivos como Noah Lennox, ou Panda Bear. O lisboeta adoptivo acaba de lançar o álbum "Buoys"

Escrito por
Luís Filipe Rodrigues
Publicidade

★★★★

Não há muitos músicos tão inventivos e destemidos como Noah Lennox, vulgo Panda Bear. A solo e com os Animal Collective, o cantor e compositor americano vem desde o final dos anos 90 a desenvolver um corpo de trabalho em constante mutação, testando novas formas e técnicas sem nunca perder o norte nem abdicar de uma certa coerência estética.

E mesmo assim o seu mais recente álbum, Buoys, consegue surpreender. É mais minimalista e quase esquelético quando comparado com os discos assinados e co-assinados por estes lisboeta adoptivo nos últimos 12 anos. Sem infinitas camadas de vozes e samples empilhados uns sobre os outros, os sons respiram e ecoam com uma calma oceânica. As canções sucedem-se, sempre com a voz em destaque e mais ou menos processada, amparada por uma guitarra computorizada, batidas mecânicas e sons que à primeira escuta parecem fora de lugar, como gotas de água a cair, disparos de raios laser, barulhos de videojogos ou o choro de uma mulher – a DJ e cantora de trap e reggaetón chilena Lizz, responsável por muitos dos arranjos.

O trabalho do produtor Rusty Santos com artistas de trap triste e reggaetón teve uma influência determinante no som do álbum, tal como o dub e a folk que de certa forma são transversais à obra de Panda Bear. É na intersecção dessas referências que a pop beatífica de Buoys ganha forma. E nos surpreende uma e outra vez.

+ Entrevista a Panda Bear: "Quis fazer um disco mais vazio"

Mais música

  • Música

Ficar em casa com a chuva lá fora a cair é uma das melhores coisas que pode fazer. Mas merece sempre uma banda sonora à altura. Por isso mesmo, fomos à procura das melhores canções para dias cinzentos. Não interessa se o objectivo é acompanhar a melancolia dos dias ou atirá-la porta fora. Há opções para todos os gostos: os XTC a aproximar-se do opulento som dos Beatles, baladas de partir o coração das pedras da calçada, gritos de revolta e revolução ou boas canções country-folk à moda americana. A escolha é sua, mas o melhor é enfiar-se debaixo das mantas e pôr a banda sonora a tocar.

  • Música

O reino misterioso do sono nunca deixou de atrair os compositores de canções e, entre muitas escolhas possíveis, há neste lote gente conhecida como os Beatles, os Smiths e os Smashing Pumpkins. Estas oito substâncias hipnóticas podem ser tomadas sem receita médica, mas há que ter em atenção que alguns poderão produzir, nas almas mais sensíveis e quando consumidos repetidamente, efeitos secundários imprevisíveis. O importante é reter que as canções de embalar, apesar de talvez terem sido as primeiras criações musicais do homo sapiens, não são um género esgotado. A prova está aqui.

Recomendado
    Também poderá gostar
      Publicidade