A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

Deixe um postalinho com os seus segredos no metro de Lisboa

Por Raquel Dias da Silva
Publicidade

Há caixas de correio instaladas na Linha Verde do metro – pelo menos até ao final de Fevereiro. O público é convidado a expressar as suas ideias, depositando-as de forma directa e secreta; o carteiro fotografa-as e partilha com o mundo em formato digital.

Max Provenzano, artista visual, instalou caixas de correio nas estações de metro de Martim Moniz, Intendente, Anjos e Alameda, eixo privilegiado para o reconhecimento e expressão da multi e da interculturalidade. O projecto U-mailART é um misto de instalação e performance, procurando criar um sistema de comunicação, do correio tradicional ao formato digital.

“Trabalho com arte conceptual e performativa, saí da Venezuela e fui para o México, por causa de um projecto colaborativo, com o artista e curador Pancho López. Mudei-me recentemente para Lisboa e estou a adaptar-me outra vez a um novo país, sou imigrante e sinto-me estrangeiro”, conta à Time Out Max Provenzano. “Queria conhecer Lisboa através da experiência de pessoas de outros lugares, como é o caso de quem vive perto destas quatro estações da linha verde.”

Max Provenzano, o artista que também é carteiro

Max Provenzano pretende gerar uma interacção entre as pessoas em trânsito e as suas ideias, fotografadas e partilhadas em formato digital “no correio do correio”. Na Alameda, um anónimo deixou uma factura do metro e um papel em cujo verso se lê “Conta não paga segurança”; um outro participante, João Robalo, assinou postais como “Cartas de Esperança”. No Intendente, Max encontrou uma pen com fotografias, uma caneta e um conjunto de slides.

Postal colocado na caixa de correio da Alameda
Fotografia: Max Provenzano

O projecto encontra-se agora na primeira de duas fases. Durante o mês de Fevereiro, o público é convidado a deixar mensagens ou objectos, que Max Provenzano recolhe todos os dias. “Vou tentar que as caixas fiquem mais tempo”, conta. Numa fase posterior, o artista venezuelano irá elaborar um trabalho visual, que inclui gravações da sua performance como carteiro. Parte do festival Next Stop, a decorrer em Março, será projectado como uma peça de arte no Metropolitano de Lisboa.

+ Anjos e Intendente: os bairros mais coloridos de Lisboa por quatro guias locais

Últimas notícias

    Publicidade