A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Ditas e Desditas
©Isabel Brison

Estátuas de Lisboa voltam a ganhar vida em dois novos episódios de ‘Ditas e Desditas’

Camões sai do pedestal e estátuas femininas entram em protesto. A artista visual Isabel Brison apresenta mais dois novos episódios de ‘Ditas e Desditas’, um projecto integrado na programação online do Teatro do Bairro Alto (TBA).

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

Em Março, o TBA integrou na sua programação o projecto online Ditas e Desditas da Estatuária Lisbonense, da artista visual Isabel Brison, que reflecte sobre as estátuas de Lisboa, em texto e imagens, ao longo de seis episódios. Os primeiros dois ficaram disponíveis online a 2 de Março e, como saem sempre em dupla, há duas novidades fresquinhas para ver a partir de 1 de Junho no site dedicado ao projecto.

O primeiro episódio debruçou-se sobre a Praça do Império, em Belém e o segundo sobre as estátuas retiradas do espaço público em 1974, após o 25 de Abril. Ainda os pode ver online, mas a estas duas reflexões juntam-se agora Os Escritores do Chiado e A Revolta das Mulheres. Conte, por exemplo, com um diálogo entre as estátuas vizinhas de Luís Vaz Camões e Fernando Pessoa, e também com um protesto das estátuas femininas do Parque Eduardo VII, que se insurgem contra os maus tratos das latas de spray dos não artistas urbanos.

“Desta vez as estátuas que vão protagonizar estes capítulos são um conjunto de escritores e poetas mais ou menos famosos, uma ou outra figura alegórica, e, para rematar, um sem número de mulheres ou outras criaturas mitológicas, todas com corpos marcadamente jovens e femininos, mas todas anónimas”, explica Isabel Brison. “Vamos seguir o desenrolar de uma série de acontecimentos fictícios da sua perspectiva. Esta abordagem vai abrir espaço para nos focarmos na situação actual em que estas peças se encontram, mas também para reflectir sobre o que elas representam, tentando ir além do aspecto superficial do retrato da personalidade, da figura decorativa ou alegórica.”

Formada nas Belas-Artes de Lisboa, Isabel Brison trabalha como programadora informática do outro lado do mundo, em Sydney, para onde se mudou em 2014. Mas a génese deste projecto dedicado à estatuária já tem mais de uma década e começou com uma série de fotomontagens e duas fanzines publicadas em 2010. O Ditas e Desditas é uma etapa de um trabalho que vem desenvolvendo há vários anos e que pode assumir diferentes formatos, como aconteceu agora com o apoio do TBA.

Até ao final do ano, o Ditas e Desditas vai revelar mais dois episódios também focados nas estátuas da cidade de Lisboa, numa altura em que se debate a relevância de muitas estátuas e monumentos no espaço público.

+ Roteiro pelas estátuas de mulheres em Lisboa

+ Leia a edição desta semana: Abram alas para os miúdos!

Últimas notícias

    Publicidade