A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Doca Peixe
DR

Experiências pós-confinamento: a descoberta das ostras no Doca Peixe

As docas de Santo Amaro lutam por voltar a estar no mapa. O crítico da Time Out encontrou umas óptimas ostras debaixo da ponte.

Por Alfredo Lacerda
Publicidade

Houve um tempo em que as Docas eram um local nocturno. Foi há mais de 20 anos. Todos os dias havia enchentes com rapaziada renegada do Bairro Alto e da 24 de Julho. Lentamente, contudo, a moda foi acabando e, em menos de nada, proliferaram restaurantes decrépitos e bares para pessoas de meia idade praticarem salsa e beijos na boca.

Nos últimos tempos, as coisas voltaram a mexer, porque o turismo ressuscitou tudo. A família Arié comprou o Grupo Doca de Santo, que detinha ali alguns armazéns (incluindo a Capricciosa e este Doca Peixe), José Avillez entrou no negócio e houve um pequeno buzz. Nada de especial, mas o suficiente para levar lá jornalistas e meter uns press releases em revistas.

Foi assim, aliás, que regressei lá. A agência de comunicação que trabalha para a Arié, dona do Grupo Doca de Santo (dono da Doca Peixe), enviou nas últimas semanas emails para as redacções dando conta de uma remodelação do espaço e da carta deste Doca Peixe.

Tinha feito uma visita há talvez um ano. Não achei magnífico, mas fiquei com a sensação de que com mais um bocadinho podia tornar-se numa boa opção à beira-rio. Regressei e a primeira impressão foi a de que tudo continuava parecido. O mesmo avançado sobre a marina, a mesma ilha de gelo à entrada com o peixe fresco, uma sala no primeiro andar onde ninguém se senta. As cadeiras, sim, claramente diferentes.

Também a carta estava longe de soar a novidade. O couvert continuava a ter umas bolinhas trigueiras torradas, muito gulosas; boas azeitonas galegas temperadas; e a clássica pasta de atum. Os pastéis de bacalhau também se mantêm quentinhos e estaladiços, como antigamente; e a salada de polvo fresca e equilibrada.

Onde é que a coisa mudou mesmo, para melhor? Vamos falar de ostras. As ostras fazem bem. Para além de conterem muito zinco, substância importante na produção de outra substância vital (porventura a mais vital de todas, no homem), as ostras fazem bem à cabeça. Ostras são felicidade. Uma ostra custar 2,50€ parece bastante se olharmos para a ostra como uma amêijoa jurássica e feiosa, mas o prazer que dá torna-a numa pechincha. Se comermos cinco ostras estamos a falar de 12,50€. Já comi mau lombo de porco por esse preço. Se comermos cinco ostras ao jantar mais um copo de vinho e uma salada ou uma sopa, ficamos completos, prontos para ir para a cama (trocar substâncias, eventualmente).

As ostras que comi na Doca Peixe, de um calibre pequeno-médio e “da Ria Formosa”, com os rebordos perfeitos, podiam ser servidas num Michelin. Estavam muito frescas, sem terem sido encharcadas de água e sal, como fazem em algumas cervejarias e marisqueiras. A acompanhar, gomos de limão apenas, mas nem lhes tocámos, tão gostoso era o seu suco e tão doce e refinada a sua carne. Isto e uma garrafa de Murganheira Super Reserva de 2014 chegaria para nos deixar com vontade de voltar. E ainda bem.

A partir daqui foi tudo a mais. Havia peixes de mar com preços upa upa ou então sem a frescura que se exige a uma doca de peixe. Já o arroz de lavagante vinha rotulado como sendo para “2 pax”, mas não satisfazia duas pessoas – e custava quase 50 euros. Estava fornecido q.b. de lavagante e camarões de bom tamanho; e aceitou-se o facto de o marisco não vir misturado no arroz, o que por vezes seca a carne delicada. Mas por baixo havia um arroz agulha (grrrr!!!!) puxado de tomate pelado e cebola grosseira – sem complexidade, sem molho, sem mar.

A minha suspeita é que o lavagante era desses comprados já descascados e cozidos, em vácuo. Devo dizer que era saboroso e estava cozinhado no ponto, tenha sido o chef a fazê-lo ou a fábrica; mas faltava o resto, sobretudo para uma versão arrozeira.

Nas sobremesas, há uma mousse e um crumble capazes de nos adoçar o final da refeição. E, no geral, o serviço foi atencioso e soube responder.

Não sei se é um renascimento. Mas considerem as ostras.

Doca Santo Amaro, Armazém 14. Seg-Dom 12.30-16.30/ 18.30-23.00. Preço: 35€-60€

+ Marisco ao domicílio

Últimas notícias

    Publicidade