A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Arte, Pintura, Tentações de Santo Antão, Hieronymus Bosch, MNAA
©Arlindo CamachoTentações de Santo Antão, Hieronymus Bosch

Faça uma ‘Viagem a Portugal’ pela mão de José Saramago

‘Viagem a Portugal’ foi o primeiro e último livro de viagens escrito por José Saramago, em 1981. Demos a volta ao país de então a bordo de uma nova edição da obra.

Escrito por
Renata Lima Lobo
Publicidade

1981. José Saramago ainda não era um Prémio Nobel, mas já tinha publicado três romances, dois contos, três livros de poesia e uma peça de teatro. E já tinha percorrido o país de lés a lés para escrever Viagem a Portugal a convite do Círculo de Leitores. Agora, a Porto Editora lança uma edição especial, que coincide com o início das comemorações do centenário do nascimento de Saramago e inclui todas as fotografias que o autor tirou ao longo desta viagem, quase todas inéditas. A edição acrescenta ainda imagens de Duarte Belo.

“Esta Viagem a Portugal é uma história.” Em 1999, sobre a sua prosa e num texto que pode ler após o prefácio, Saramago escreveu que neste livro se propôs abandonar “a rotina dos guias turísticos e dos mapas comuns”, numa edição “que tivesse como único roteiro a história e a cultura” do seu país. Nesse quase virar de século, um ano após ter recebido o Prémio Nobel da Literatura, Saramago disse que algumas das coisas que descreve em Viagem a Portugal “ou deixaram de existir, ou não são já, à primeira vista, reconhecíveis. Transformaram-se as paisagens, os urbanismos e as arquitecturas, alteraram-se os gostos e os modos de vida”. Não sabemos que análise o escritor faria em 2021, mas sugerimos que continue a seguir este “viajante”, até porque muitos pontos de paragem ainda estão de pé. “Levado pela mão, não se perderá no caminho.”

Livro, Vila do Conde, Viagem a Portugal, José Saramago
©José SaramagoVila do Conde é uma das cidades por onde passa esta Viagem a Portugal

Volte a descobrir Lisboa

Museu de Arqueologia e Etnografia
“O viajante disse e cumpriu: mal entrasse em Lisboa iria ao Museu de Arqueologia e Etnografia à procura da falada coleira usada pelo escravo dos Lafetás.” No capítulo “Às portas de Lisboa”, o viajante inicia o roteiro num museu que hoje está dividido em dois, o de Arqueologia e o de Etnologia. Do objecto que ainda faz parte da colecção do Museu de Arqueologia e que quis ver com os seus próprios olhos, o autor diz, com evidente inquietação: “Esta coleira é mesmo uma coleira, repare-se bem, andou no pescoço dum homem, chupou-lhe o suor, e talvez algum sangue, de chibata que devia ir ao lombo e errou o caminho. Agradece o viajante muito do seu coração quem recolheu e não destruiu a prova de um grande crime.”

Museu de Arte Popular
“É um refrigério”, descreve o viajante, referindo-se à frescura do espaço onde entrou para “sacudir do espírito as teias de aranha” – tinha passado antes pelo Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém. O Museu de Arte Popular, criado para a Exposição do Mundo Português de 1940, viu o seu acervo – recolhido por António Ferro durante o Estado Novo – ser transferido para o Museu Nacional de Etnologia, onde está exposto em reservas visitáveis, e hoje faz-se valer de exposições mais pequenas. Mas em 1981, Saramago sugeria que a colecção se dividisse entre os temas de Arte Popular e Trabalho, de forma a “tornar mais visíveis as ligações entre trabalho e arte, mostrar a compatibilização entre o artístico e o útil, entre o objecto e o prazer sensorial”.

Museu Nacional de Arte Antiga
“Cada visitante tem direito a escolher, a designar o mais belo quadro do mundo, aquele que a uma certa hora, num certo lugar, põe acima de todos os outros.” Antes de entrar num dos grandes museus do país, o viajante sublinha que o mais belo quadro do mundo está em Siena, Itália. Uma pequeníssima paisagem de Ambrogio Lorenzetti. Mas, defende, neste museu português não faltam outros dos mais belos. É o caso dos Painéis de São Vicente de Fora, de Nuno Gonçalves, das Tentações de Santo Antão, de Hieronymus Bosch, ou de O Martírio de São Sebastião, de Bernardo Martorell, num museu que preferia que se chamasse Museu das Janelas Verdes, um “bem mais belo nome”. Numas páginas mais à frente confessa que preferia que o Teatro Nacional D. Maria II se chamasse Teatro Almeida Garrett, o grande impulsionador da sua construção.

Livro, Viagem a Portugal, José Saramago
©DR

Viagem a Portugal. Porto Editora. pp 763. 36€

+ Manoel de Oliveira, o fotógrafo. “É uma surpresa”

+ Leia já, grátis, a edição digital da Time Out Portugal desta semana

Últimas notícias

    Publicidade