Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Jardins do Palácio de Belém abrem à noite para celebrar a chegada à Lua
Notícias / Vida urbana

Jardins do Palácio de Belém abrem à noite para celebrar a chegada à Lua

Palácio de Belém
Fotografia: Arlindo Camacho

Foi há 50 anos que a humanidade pôs os primeiros pés na Lua. Este sábado, o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço e o Museu da Presidência da República associam-se para oferecer uma noite ao luar.

As portas dos Jardins do Palácio de Belém abrem as 21.00 para oferecer um programa gratuito aos aficcionados ou curiosos da astronomia. O serão estará preenchido de actividades, entre elas a possibilidade de observar os céus, com destaque para Júpiter e Saturno, com a ajuda de vários telescópios instalados no Jardim do Buxo. A partir da meia-noite as atenções viram-se para a Lua e será possível fotografá-la com telemóveis. 

Durante todo o evento está convidado a espreitar a exposição “A chegada à Lua pelo presidente Américo Tomás. Como os portugueses viram o acontecimento, em 1969”. Aí encontra a agenda pessoal de Américo Tomás com a anotação manuscrita da chegada à Lua, a 21 de Julho de 1969, ou uma reportagem da RTP sobre esta conquista, com imagens da época.

Às 21.30, no Jardim dos Teixos, começa a sessão Ignite IAstro, uma actividade inserida no projecto Digressão Ignite IAstro que percorre o país desde 2016 para divulgar a investigação nacional em Astrofísica e Ciências do Espaço. Aqui, oito investigadores têm direito a cinco minutos cada para intervenções rápidas, ao ritmo de uma sequência automática de 20 imagens que vão sendo projectadas.

Mais à noite, pelas 23.30, tem início um momento musical solene inspirado na Lua e que irá acompanhar a ascenção do satélite aos céus e quando soarem as doze badaladas, o Pátio do Museu recebe um speed-dating com astrónomos, um encontro informal onde pode esclarecer todas as suas dúvidas, de buracos negros e teoria das cordas aos planetas habitáveis para onde um dia poderemos fugir. E para onde vamos e de onde viemos. Coisas básicas.

+ Os melhores sítios para ver as estrelas em Lisboa

Publicidade
Publicidade

Comentários

0 comments