Global icon-chevron-right Portugal icon-chevron-right Lisboa icon-chevron-right Moradores e trabalhadores temem reorganização do trânsito na Baixa de Lisboa
restauradores projecto
©CML Uma das possibilidades para o futuro dos Restauradores

Moradores e trabalhadores temem reorganização do trânsito na Baixa de Lisboa

Publicidade

Durante as reuniões de discussão pública da Zona de Emissões Reduzidas Avenida Baixa Chiado, Fernando Medina admitiu alargar zona de emissões reduzidas a mais bairros.

As sessões de discussão pública em torno da futura Zona de Emissões Reduzidas Avenida Baixa Chiado (ZER), convocadas esta quinta-feira pela câmara de Lisboa, levaram Fernando Medina a mostrar-se potencialmente aberto a algumas alterações ao projecto. Os residentes e comerciantes das zonas em causa demonstraram a sua preocupação quanto às implicações das novas regras de trânsito no seu quotidiano.

Durante as reuniões, que tiveram lugar primeiro na Misericórdia e depois em Santa Maria Maior, o autarca reconheceu que a câmara terá de “fazer um esforço na explicação deste projecto”, relata o jornal Público. “Não encontrará nenhum projecto na política portuguesa que seja tão participado. Estamos a apresentar o projecto antes de ele ser aprovado em câmara, não está fechado”, disse Medina, citado pelo Público.

O presidente da câmara admitiu que poderá estar disposto a aceitar que as zonas de acesso automóvel condicionado de Alfama e do Castelo façam parte da nova ZER e que ali se apliquem as mesmas regras previstas para a Baixa e para o Chiado. Sendo assim, a autarquia daria resposta às questões levantadas pelos moradores de Alfama e da Sé, que se vêem obrigados a cruzar a Baixa no dia-a-dia. De acordo com o plano do município, atravessar a Baixa desde essa zona passará a ser proibido a partir do Verão, obrigando os automobilistas a percorrer a Av. Infante D. Henrique, Cais do Sodré, Av. D. Carlos I, Rua Poço dos Negros e Calçada do Combro.

Por outro lado, os moradores da Rua da Madalena antevêem problemas de trânsito, já que esta artéria está fora do plano e, por isso, sem restrições à circulação. É uma rua muito poluída, seguramente a mais poluída da Baixa”, disse um munícipe, citada pelo Público. Também os moradores da Rua do Século, entre o Príncipe Real e Bairro Alto, temem que a circulação de automóveis nesta zona seja problemática. Passará a ser impossível chegar ao Chiado através da Rua da Escola Politécnica, já que o troço da Rua de São Pedro de Alcântara será cortado.

Medina, contudo, considera que a Rua do Século passará a ter muito menos trânsito, pois a câmara prevê que o Largo do Calhariz e Rua do Loreto passem a ser acessíveis apenas a transportes públicos. Os carros não poderão descer a Rua do Século e aceder ao Largo Camões, tendo que descer a Calçada do Combro ou subir a Rua da Rosa.

Na próxima sexta-feira há nova reunião de discussão na freguesia de Santo António, na sede da UACS. Foi também prometida uma sessão que abrangerá toda a cidade.

+ A revolução no trânsito em Lisboa

Share the story
Últimas notícias
    Publicidade