A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
museu da filigrana
©Manuel MansoMuseu da Filigrana

Museu da Filigrana: vai abrir uma embaixada de Viana em Lisboa

Por Renata Lima Lobo
Publicidade

Inaugura oficialmente na próxima quinta-feira, dia 3 de Maio, o museu que faz uma verdadeira homenagem à arte da filigrana. O projecto é promovido pela joalharia Anselmo 1910 e fica no Largo de São Carlos.

Todo o português sabe bem o que é a filigrana. Mas é como aquelas amizades que permanecem em bruto após anos e anos no Facebook. Por exemplo, sabia que o ouro de Viana é fabricado na Póvoa do Lanhoso? E o que é um martelo de mola ou um maçarico de sopro? Ah, pois é. Se afinal não sabe assim tanto sobre o fabrico artesanal de filigrana portuguesa ou nunca viu uma peça de verdade ao vivo, o novo museu tem um total de 150 objectos de colecções privadas espalhadas por aqui e por ali.

museu da filigrana

Fotografia: Manuel Manso

A entrada é gratuita neste que é, pasme-se, o primeiro museu em Portugal totalmente dedicado à arte vianense que trabalha finíssimos fios de ouro ou de prata com toda a paciência do mundo. À porta, quem dá as boas-vindas é uma figura em cartão, daquelas em se mete a cabeça para tirar uma fotografia. Neste caso, transforma-nos em minhota de mão na anca, com o traje típico de Viana do Castelo. Ao entrar vemos primeiro a loja que vende peças para vários tipos de carteira, enquanto que no patamar superior a história é outra. Ou melhor, é História.

museu da filigrana

Fotografia: Manuel Manso

De um lado, uma cronologia que remonta ao terceiro milénio a.C. e à existência de jazidas de ouro em Portugal, principalmente no norte do país. Do outro, ferramentas utilizadas entre o século XIX e XX e que acompanham todo o processo de criação de uma peça de filigrana, dos corações às contas. Ao fundo, uma recriação de uma oficina tradicional. Aprendemos durante a nossa visita que algumas oficinas funcionavam nas cozinhas de famílias de agricultores que também se dedicavam a trabalhar o ouro. Daí que o espaço recriado inclua uma mesa masseira, que servia para amassar o pão.

museu da filigrana

Fotografia: Manuel Manso

Segue-se um painel que apresenta imagens das peças mais emblemáticas, como a custódia (também conhecida como brasileira), as contas (que eram uma espécie de pé de meia que as mães iam oferecendo às filhas em ocasiões festivas), o coração que representa o Sagrado Coração de Jesus, ou os brincos à rainha, símbolo do ventre e da ligação mãe-filhos.

Do lado oposto, uma montra com mais peças emblemáticas, estas ao vivo e a cores, entre elas uma encomenda especial da casa: uma guitarra portuguesa decorada a preceito com filigrana. A peça está para venda por 6900 euros.

museu da filigrana

Fotografia: Manuel Manso

De serviço está José Manuel Domingues, um funcionário da casa que apesar de já ser entendido em jóias foi à origem ter formação em filigrana. Tudo para que lhe possa demonstrar, com toda a calma e paciência, o processo utilizado pelos artesãos de Viana do Castelo.

museu da filigrana

Fotografia: Manuel Manso

E atenção, cá fora está a ser desenhada uma surpresa para o dia da inauguração, pelo ilustre ilustrador Nuno Saraiva. A revelação vai acontecer quinta-feira, dia 3 de Maio, pelas 18.00. Deixamos já um cheirinho.

museu da filigrana

Fotografia: Manuel Manso

Largo de São Carlos, 1. Seg-Dom 10.00-19.00. www.museudafiligrana.pt

Últimas notícias

    Publicidade