A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Centro Pancreático Botton-Champalimaud
a partir de esquissos de Charles CorreaCentro Pancreático Botton-Champalimaud

Travão em duas grandes obras de Lisboa: metro e Fundação Champalimaud

Por Sebastião Almeida
Publicidade

Construção da linha circular do metro e obras de alargamento da Fundação Champalimaud foram suspensas esta semana. Numa altura de investimento em grandes obras na cidade, a autarquia vê atrasar-se o seu plano de modernização. 

Duas das grandes obras previstas para Lisboa nos próximos anos sofreram um revés considerável na mesma semana. A suspensão do projecto de construção da linha circular do metro foi aprovada esta terça-feira durante a votação do Orçamento do Estado, com votos contra do PS. A proposta apresentada pelo PAN recebeu o apoio do Bloco de Esquerda, do PCP e do Chega, que votaram contra o avanço da obra. Também as obras de ampliação da Fundação Champalimaud foram embargadas devido à contaminação dos solos circundantes com hidrocarbonetos.

Com a votação no Parlamento, cabe ao Governo, no prazo de um ano, elaborar um estudo técnico e de viabilidade económica que permita uma avaliação comparativa entre a extensão da rede do Metropolitano de Lisboa para Alcântara e a linha circular.

O ministro do Ambiente e Acção Climática, José Matos Fernandes, disse ao jornal Público que a suspensão da ligação do Rato para o Cais do Sodré, na linha do metro, é “uma completa irresponsabilidade e uma interferência evidente naquilo que é o poder executivo do Governo”. Este travão ao projecto implica uma paragem mínima de três anos e a perda de 83 milhões de euros de fundos euros já alocados à obra, referiu ainda o ministro.

As obras de ampliação da Fundação Champalimaud, junto ao rio Tejo, foram embargadas depois de o tema ter sido discutido em Assembleia Municipal, esta terça-feira. Em causa está a contaminação dos solos com hidrocarbonetos. No local das obras de ampliação terá funcionado, em tempos, um posto de gasolina. Confrontada com este facto, a autarquia disse que não tinha conhecimento desses dados na altura em que foi licenciada a empreitada e que foram feitas análises recentes que não identificaram indícios que os solos estivessem contaminados.

+ Os projectos que vão mudar a cidade 

+ A revolução no centro de Lisboa

Últimas notícias

    Publicidade