A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar
Projecto do Plano de Pormenor Norte de Caxias
CM OeirasProjecto do Plano de Pormenor Norte de Caxias

Um parque de 29 hectares? Eis os planos para a antiga pedreira de Caxias

Zona verde deverá crescer à boleia de projecto de 600 apartamentos e espaços para empresas. Falta aprovação em assembleia municipal.

Escrito por
Rute Barbedo
Publicidade

Esteve em discussão pública entre Outubro e Dezembro, foi aprovado em reunião de Câmara este mês e o próximo passo é a discussão em assembleia municipal. Em causa está o Plano de Pormenor Norte de Caxias (PPNC), no concelho de Oeiras, que envolve a construção de habitação (600 fogos, 60 dos quais para arrendamento pelo município), espaços para empresas e 29 hectares destinados a espaços verdes, nos terrenos onde outrora funcionou a Pedreira Italiana. Está também prevista "a construção de importantes infra-estruturas viárias, vias cicláveis e estacionamento público, de modo a assegurar uma mobilidade mais eficiente", pode ler-se na página da Parques Tejo, promotora da obra, na qual deverá investir 300 milhões de euros, segundo a Câmara Municipal de Oeiras (CMO). O total da área intervencionada é de 42 hectares.

Projecto do Plano de Pormenor Norte de Caxias
CM OeirasProjecto do Plano de Pormenor Norte de Caxias

Questionada pelo jornal Público sobre o cariz público do espaço verde, a chefe de divisão do Departamento de Ordenamento do Território da Câmara Municipal de Oeiras, Vera Freire, garantiu que será um local aberto a todos. "Os 29 hectares são, na sua totalidade, espaços verdes de utilização pública, podendo ser privados com ónus de utilização pública (os lotes 9 e 17) ou afectos ao domínio municipal para áreas verdes de recreio e lazer, protecção e enquadramento a infra-estruturas ou áreas verdes associadas a equipamentos de utilização colectiva", especificou. Cerca de 18 hectares serão áreas verdes com coberto vegetal, sendo duas das suas principais funções reduzir o ruído provocado pela passagem de automóveis na vizinha A5 e melhorar a qualidade do ar.

"Não concordamos com a urbanização dos solos"

Uma preocupação dos moradores da zona é precisamente o trânsito e o seu eventual agravamento com a obra, já que a infra-estrutura deverá levar mais pessoas ao local. Mas a Câmara não prevê a deterioração das condições actuais, referindo alterações na rede viária e o reforço dos transportes públicos na zona. Outra questão foi levantada pela oposição, que considera a implantação de edificado e impermeabilização dos solos um contrassenso no presente contexto de alterações climáticas. "Não concordamos com a urbanização daqueles solos, que deveriam ter sido classificados como rústicos na recente alteração do Plano Director Municipal, e toda a zona mantida o mais natural possível para benefício da população. Este plano é um enorme erro”, declarou ao Público a vereadora Carla Castelo, a única a votar contra o projecto.

Sendo o projecto aprovado, o novo empreendimento irá erguer-se junto ao Bairro da Pedreira Italiana, que surgiu clandestinamente nos anos 50, após o fim de actividade da pedreira. Nos anos 80, a autarquia iniciou a sua reorganização e reabilitação, de forma faseada, com a última intervenção a acontecer em 2014. Já o actual PPNC é visto por Isaltino Morais, presidente da Câmara de Oeiras, como uma oportunidade "para a requalificação de um território actualmente em declínio e quase ao abandono", gerando uma nova "centralidade estratégica" para o concelho.

+ Um comboio no claustro de um convento do século XVI?

+ Cozinhas comunitárias e espaços para brincar: as novas cooperativas de habitação em Lisboa

Últimas notícias

    Publicidade