Atari Baby

Restaurantes, Japonês Cais do Sodré
3 /5 estrelas
5 /5 estrelas
(3comentários)
atari baby
1/5
Atari Baby
2/5
Atari Baby
3/5
Atari Baby
4/5
Atari Baby
5/5

Houve um tempo em que os restaurantes chineses se transformaram em japoneses. O fenómeno aconteceu um pouco por todo o mundo à mesma velocidade a que o Ocidente descobriu o sushi. Essa mudança só se deu porque os chineses, pais da gastronomia asiática, eram mesmo capazes de fazer rolinhos de olhos fechados e mãos atadas.

Em todo o caso, para os gourmets tugas foi uma chacota pegada.

Sucede que o mesmo oportunismo comercial acontece agora com a nova vaga de asiáticos trendy que surgiram em Lisboa como cogumelos shitake. A diferença está nisto: à frente dos asiáticos cool estão europeus que nunca rechearam uma gyoza mas sabem umas coisas sobre marketing, conhecem umas pessoas e fizeram umas viagens.

No caso em concreto do Atari Baby, o dono é Akis Konstantinidis, um grego a viver em Portugal há mais de vinte anos, que abriu um restaurante de conservas de inspiração semiportuguesa, o Can the Can, e dois semimexicanos, o Mez Cais e o Las Ficheras, todos muito bonitos e situados no olho do furacão turístico de Lisboa.

Neste Atari Baby, ao Cais
do Sodré, Konstantinidis terá querido trazer para Lisboa
 o mesmo tipo de ambiente e cozinha que viu em Tóquio, valendo-se do imaginário dos jogos de computador dos anos 80. O restaurante, com néons
 e mesas rebaixadas, tem uma vibração simultaneamente futurista e decadente. A música electrónica marca o ambiente
e faz as pessoas baterem o pé, antecâmara para uma noite agitada nas casas nocturnas em redor.

Apesar do preâmbulo, é preciso dizer que a comida, de influência japonesa, também não é má. Há inclusive coisas acima da média. O arroz do sushi, por exemplo, estava muito bem feito. Gostei igualmente do tori-kara-age, uma tempura de frango. O problema é que, fora isso, o resto foi medíocre.

A tempura de camarão surgiu com o polme pesado e ensopado em óleo. As gyozas de vegetais estavam demasiado cozidas, 
a massa mole e grossa, sem a devida caramelização na chapa. O ramen comia-se mas não tinha a profundidade e a complexidade do caldo japonês tradicional.
 A salada de algas wakame bem aromatizada com óleo de sésamo mas excessivamente doce.
 As takoyaki eram as clássicas bolas de polvo mas só com um longínquo aroma ao molusco. 
O yakitori de frango sem nada
 de especial, espetadas secas 
e monótonas besuntadas no molho enjoativo do costume. Por fim, o sashimi de atum e salmão apareceu seguro, mas com os peixes (para toda a obra) sem expressão

Pior e muito significativo 
da filosofia destas casas: a sobremesa. Na segunda visita,
 a empregada recomendou 
um cheesecake de maracujá, “muito saboroso”. Veio uma coisa desconstruída, que era um montículo de base de bolacha de gengibre, com um creme manhoso industrial por cima e uma polpa de maracujá de lata capaz de encher a boca de aftas antes de o café chegar. Preço: cinco euros.

Tudo junto, visto e revisto, este Atari Baby é um sítio razoável para se jantar, aquecer motores 
e ver miúdas e miúdos giros. O problema é que a comida não entusiasma, sendo que alguns pratos têm mesmo atalhos que prejudicam. No fundo, como nos sushineses.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Alfredo Lacerda

Publicado:

Nome do local Atari Baby
Contato
Endereço Rua de São Paulo, 120
Lisboa
1200-429
Horário Todos os dias 18.00-02.00
Transporte Metro: Cais do Sodré
Preço 25€ a 35€
É o proprietário deste estabelecimento?
Static map showing venue location

Average User Rating

4.7 / 5

Rating Breakdown

  • 5 star:2
  • 4 star:1
  • 3 star:0
  • 2 star:0
  • 1 star:0
LiveReviews|3
1 person listening
1 of 1 found helpful
tastemaker

A decoração do espaço rima com anos 80, sendo a peça mais emblemática o baloiço à entrada, que me transportou imediatamente à minha infância! As mesas num nível abaixo do pavimento formam uma disposição engraçada, e toda atmosfera torna o restaurante num espaço citado e urbano, daqueles que fazem bem a Lisboa.

A comida... Bom se pensavam que era apenas de sushi que a ementa se compunha, estão enganados, tal como eu me enganei. Há sushi, sim, e há também todo uma variada oferta de comida de rua japonesa que nos surpreende.

A lista pode ser um verdadeiro desafio, porque tem pratos diferentes e com nomes indecifráveis, embora estejam explicados, quem ajuda muito neste momento são os colaboradores do espaço, que são super atenciosos e eficientes.

Provamos vários pratos, entre eles as poke bowls, que neste caso são "poke mon" em mais uma alusão ao vídeo jogo. Mas o grande protagonista e aquilo que me vai fazer voltar chama-se Okonomiyaki, que é simplesmente uma perdição, a panqueca japonesa, que pode assumir vários ingredientes, como qualquer comum panqueca. O rapaz que nos atendeu foi perentorio, "ou se ama ou se odeia" e nós foi mesmo a primeira possibilidade, e não para descrever, há que provar.

Portanto, não aguardem e vão já experimentar!

Além disso há salas de karaoke para


Não podia discordar mais com o senhor Alfredo Lacerda, para mim é o melhor restaurante Japonês de Lisboa, já lá fui muitas vezes e tive sempre uma excelente experência, totalmente diferente de qualquer outro restaurante Japonês de Lisboa certamente, para não dizer mais

tastemaker

Se tivesse de descrever a experiência numa só palavra - não chega - seria: delicioso. 


Como não fui com muito tempo (uma grande falha minha), pedi o ramen Tonkatsu e foi uma boa escolha. Aqui senti tudo o que gosto de encontrar bem feito num ramen: o caldo é bem feito, o ovo está no ponto e a carne está bem grelhada. Estava delicioso, zero enjoativo, zero excessivo e coloco-o no meu top 3 de melhores sítios de ramen. Provei também a poke bowl da pessoa que me acompanhou e estava, igualmente, perfeita. Estava tudo bem e nem o atendimento desiludiu:todos muito simpáticos, sem o ser excessivamente, práticos e muito úteis.

Quero voltar para o sushi e para a sobremesa.
Recomendo a todos!!!