Bota Sal

Restaurantes, Frutos do mar Estrela/Lapa/Santos
4 /5 estrelas
5 /5 estrelas
(1comentário)
Bota Sal
1/4
bota sal lulinhas
2/4
Anéis de lulinhas do Bota Sal
Bota Sal
3/4
Bota Sal
4/4

Aberto desde Março de 2017, o Bota Sal é uma extensão do restaurante Sal, na Praia
 do Pego, ali na Domingos Sequeira, onde durante anos a fio viveu a mítica Bota Velha, que muitos bitoques virou e muitas imperiais viu serem viradas. E assim que se passa os olhos pela ementa, percebe-se que tem uma receita em tudo semelhante à do restaurante da Comporta: petiscos e pratos de mar, algumas opções de carne, e tudo com preços elevados.

Sim, elevados. Pagar 1,80€
por um (um!) croquete de bola, pequenino, acompanhado de mostarda, por melhor que ele seja – e é excelente, num polme firme – é excessivo; e 2,20€
por um pastel de massa tenra, igualmente nota máxima, a
 valer uma entrada nos melhores da cidade, sem quaisquer resquícios de gordura, é, de novo, um excesso. Isto sem falar, por exemplo, do carabineiro com molho de manteiga alho e limão, um e um só carabineiro, tamanho normal, num apuradíssimo molho bem equilibrado no 
alho e na acidez do limão, que custa 8,50€ (e não enche a 
cova de um dente, claro está). 
Sei que não é caso único, que muitos restaurantes de renome em Lisboa praticam preços semelhantes, que já devia ter aprendido a lição no Sal original (onde paguei recentemente 50€ por um lanche de fim de dia com dois petiscos, duas imperiais 
e uma sobremesa). Mas ainda assim, não sei se é de sentir que ainda há um pouco de Bota Velha no Bota Sal, por mais bonita que seja a decoração do novo espaço, achei o restaurante demasiado caro, sobretudo quando se vai lá numa de petiscos com amigos.

Enquanto discutia esta questão dos preços com a minha companhia, e entre as trincas às divinais torradas que parecem cortadas na fiambreira, e vêm para a mesa com uma caseira manteiga de alho e ervas, chegaram à mesa umas puntillitas à algarvia (11€). O cefalópede (nome técnico) de pequenas dimensões que está cada vez mais na moda, aqui é servido num molho apurado, algo denso (bom para molhar o pão) e ligeiramente picante. Das trincas para as torradas passou-se para as trincas às lulinhas e eis que, no meio do molho, a minha faca atinge algo duro. Nada mais, nada menos que uma estrela do mar. Bebé. Animal de tenra idade. Não tenro corte.

– Oh! Que giro! – disse a empregada quando a chamei.
Cara de pânico do meu lado, que entretanto expus a estrela na borda do prato. A empregada vendo a reacção:– Vou falar com o cozinheiro.
Vem o cozinheiro.
– Sabe que as doses já vêm separadas, vai tudo para a panela e às vezes acontece.
Outras vezes as estrelas do mar estão na barriga das puntillitas. Elas comem-nas.

Ou seja, eu e você, caro
 leitor, não só acariciámos estrelas do mar em criança,
 as afastámos do seu habitat natural quando as levámos para casa (quem nunca?), como, em adultos, inadvertidamente, as comemos.

O episódio estrela do mar não retirou euros à conta, parece-me que deu direito a uma sobremesa de borla (ainda estou para perceber se teve a ver com a situação ou não), mas deixou-me a pensar que deve haver um maior cuidado com as doses de puntillitas – venham elas pré-preparadas ou não. Acredito que tenha sido um grandessíssimo azar, uma vez em mil.

As gambas do Algarve (7,50€/150 g), pequeninas e fresquinhas, foram apagando os restos mortais da estrela do mar da minha cabeça; o pica-pau de lombo (19€), num molho com mostarda a sobressair, em nacos grossos, a carne bem selada por fora, mal passada no interior, afastou-os ainda mais. As batatas fritas (2,20€), por outro lado, não estiveram à altura da ocasião.

Nota para as sobremesas, feitas por um paulista com jeito para a doçaria, que não deixam nada a dever aos outros pratos da ementa. Excelente o semifrio de limão com coulis de frutos vermelhos, com a doçura e a acidez bem equilibradas; muito saboroso e aromático o leite-creme de alfazema.

Ora à excepção dos preços e do episódio estrela do mar, duas condicionantes de peso, este Bota Sal fica nas quatro estrelas. Boa vontade? Não, vontade de lá voltar – o que é sempre um bom indicativo de avaliação. Mas sem encontrar seres marinhos que não os habitualmente comestíveis e com mais algum dinheiro na conta.


*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Marta Brown

Publicado:

Nome do local Bota Sal
Contato
Endereço Rua Domingos Sequeira, 38
Lisboa
1350-122
Horário Qua-Qui 19.00-00.00, Sex 19.00-02.00. Sáb-Dom 12.00-00.00.
Preço Até 40€
É o proprietário deste estabelecimento?
Static map showing venue location

Average User Rating

5 / 5

Rating Breakdown

  • 5 star:1
  • 4 star:0
  • 3 star:0
  • 2 star:0
  • 1 star:0
LiveReviews|1
1 person listening
tastemakerTastemaker

Para quem conhece e frequenta o Sal da praia do Pego, só a possibilidade de comer o arroz negro de choco sem sair de Lisboa já faz com que o Bota Sal seja incrível. Mas este novo restaurante vai além disto, com um pica pau maravilhoso, uns pastéis de massa tenra deliciosos e uma patanisca de sapateira super original, fiquei com vontade de voltar!