A Time Out na sua caixa de entrada

Procurar

CaJa

  • Restaurantes
  • Lisboa
  • preço 1 de 4
  • 3/5 estrelas
  1. CaJa
    Gabriell Vieira
  2. Restaurante, Cozinha Italiana, Caja
    ©Gabriell VieiraCaja
  3. CaJa
    Gabriell Vieira
  4. Restaurante, Cozinha Italiana, CaJa
    ©Gabriell Vieira
  5. Caja
    Gabriell Vieira
Publicidade

A Time Out diz

3/5 estrelas

No restaurante dos Anjos sentimos o aconchego de uma casa italiana. Cheira a massa fresca, a música é alegre e o ambiente descontraído. Nas prateleiras, há frascos com molhos, pacotes de massa e garrafas de vinho. A ardósia anuncia os pratos, que incluem relíquias gastronómicas de Bolonha, e os preços são amigos da carteira. Além da massa fresca, que pode ser acompanhada com uma das várias opções de molhos, há sobremesas e uma lista de bebidas diversificada. Também é possível comprar a massa fresca para levar e preparar em casa. O CaJa tem dez lugares no interior e funciona apenas a quatro mãos: as da chilena Catalina (Catita) no serviço e as do marido Bubacar, quase sempre na cozinha. O espaço abriu no final de Julho, mas já se formam filas de curiosos e clientes habituais, por isso o melhor é fazer reserva.

Por Teresa David

 

Crítica

De cada vez que pensamos num restaurante italiano ocorre-nos um lugar sofisticado ou então uma trattoria de atoalhado vermelho e branco. Ora, o CaJa não é nada disso. O CaJa está apenas um nível acima do snack-bar. E, no entanto, é bom.

À chegada, torci o nariz aos temperos self-service dispostos junto ao balcão. Tudo marca Lidl, dos orégãos secos à pimenta preta, passando pelo azeite biológico. Como qualquer pessoa com tino, sou fã do Lidl, mas não exageremos. Orégãos de frasco podem estragar uma caprese (tomate e burrata), e na verdade estragaram.

Sucede que, à saída, o meu sorriso abriu-se, esplendoroso. Onze euros por cabeça por um almoço de óptimos capeletti é uma raridade. Deixe-se os orégãos em paz. Não se peça o céu quando a terra é tão bondosa. Saibamos dar graças a quem molda pedaços de massa fresca como peças de cerâmica — e os vende ao preço da farinha, nos Anjos.

É nesse território elegante e decadente, artista e tradicional, popular e cosmopolita, que estamos. Uns metros acima, o Mercado do Forno do Tijolo, uns metros abaixo o Intendente e a Avenida Almirante Reis. Em cada rua do bairro há qualquer coisa que interessa. E é tudo em regime económico: não há outra zona como o eixo Martim Moniz-Anjos para comer bem e barato.

O espaço deste Caja – com uma chilena, ex-residente em Bolonha, na cozinha, suspeito que a solo – é herdado de uma antiga drogaria, as prateleiras em madeira pintadas a branco e garrafas de Chianti (não particularmente boas) onde antes (muito antes) terão estado esfregões de palha de aço e molas de madeira para a roupa.

Lá dentro, não cabem mais de dez pessoas. Cá fora, numa esplanada fechada, há outras tantas cadeiras.

O serviço conta com apenas um elemento, que se reveza entre exterior e interior. Não se vêem ementas à lista, mas está tudo escrito a giz em mini-ardósias. As pastas são seis: cappelletti de carne, ravioloni de dourada, lasanha (vegetariana e de carne), gnocchi, tagliateli e ravióli de carne. Os preços vão dos 4€ aos 6€.

E há depois oito molhos, escolhidos à parte: de trufa, tomate seco, noz, natas, manteiga e salva, salsicha, natas e ervilhas, tomate e carne. O mais barato vale 1€, o mais caro 3€.

De resto, pode-se escolher de entre meia dúzia de vinhos, todos disponíveis a copo por 3€, nenhum capaz de fazer suspirar o cliente mais exigente.

O que faz suspirar é mesmo a pasta, razão porque lá vamos. E essa é bem boa. Não terão sido os cappelletti mais perfeitos da minha vida, a típica forma em chapéu (cappello) um pouco espalmada, mas o sabor e a consistência al dente estavam lá, mais o recheio saboroso.

Numa das mesas ao lado, ouvi um cliente queixar-se da pouca carne da lasanha, mas os portugueses acham sempre que pasta é proteína acompanhada com massa, quando pasta é massa com molho. Pode ou não ter carne ou peixe, mas nunca são eles os reis da festa.

Para fechar, duas sobremesas: um tiramisù (bom, mas gelado e com pouco mascarpone) e um brownie de chocolate que podia ter sido feito por aquela prima com talento para a pastelaria que todos temos.

Perguntam-me. E então? Vais voltar? Espero que sim.

O CaJa não é um restaurante gastronómico, com orégãos colhidos num ribeiro algarvio pelas sete da manhã. Não é aquele sítio aonde levamos o gourmet a jantar à sexta-feira. É, antes, um restaurante de bairro, de pastas italianas, para alternar com a tasca de iscas à portuguesa. E isso é raro.

*Os críticos da Time Out visitam os restaurantes de forma anónima e pagem pelas refeições.

Alfredo Lacerda
Escrito por
Alfredo Lacerda

Detalhes

Endereço
Rua Andrade, 9/11
Anjos
Lisboa
1050-085
Preço
10-15€
Horário
Ter-Sáb 12.00-15.30/19.00-00.00, Dom 19.00-00.00
Publicidade
Também poderá gostar