Delidelux (Avenida)

Restaurantes Avenida da Liberdade
4 /5 estrelas
3 /5 estrelas
(3comentários)
DELIDELUX Avenida
1/4
DELIDELUX Avenida
2/4
Delidelux Avenida
3/4
Delidelux Avenida
4/4

Não se deixem enganar. Fomos ao irmão mais novo da conhecida mercearia fina de Santa Apolónia e garantimos que é um restaurante a sério. Dos bons

Quanto vale um bom empregado de mesa? A questão ocorre no fim da refeição, depois de ter pago quase 70 euros (calma, calma, o crítico tem de provar muita coisa), já a crème brulée no fim e eu basculando uma colherada de uma bochecha para a outra, nada de dentes, só aquilo a desgastar-se lentamente nas papilas até se transformar em saliva doce.

O rapaz nem é um prodígio
 de correcção ou conhecimento, mas conseguiu convencer-me a comer um pouco de tudo. Porquê? Porque transmitiu a ideia de que já experimentou os pratos todos; e que os adora a todos. Ajuda, naturalmente, que a comida seja boa e ele não tenha que encenar nada.

O conceito da carta é saudável-de-chef e faz sentido. Estamos em cima da Avenida da Liberdade, a Max Mara e a L’Agence ao lado, lá fora um frenesim de executivos com botões de punho e pessoas apressadas, cá dentro o mesmo. Sem surpresa, os pratos mais populares são as saladas. Escrevo “saladas” porque é assim que elas estão classificadas no menu, mas é como se me obrigassem
a ver o vídeo-excremento do 
CM em looping, uma náusea. Salada – no século XXI, em Lisboa– significanormalmente um pratalhão de alface e rúcula de pacote com umas coisas por cima para dar nome na ementa e fazer parecer que não é tudo alface e rúcula de pacote. Está, portanto, mal classificado este menu. Na verdade, o que se come no Delidelux da Avenida, irmão mais novo do Delidelux de Santa Apolónia, não são saladas. São pratos frios como raramente os provámos nesta cidade.

Pensando no calor que anda
aí, por exemplo, eu não consigo imaginar nada mais refrescante
e saciante do que a salada de tomates e mozarela, equilibrada com óleo de avelãs, balsâmico
de figo e azeitonas kalamata. Os cuscuz também acabam com
essa ideia de que não passam de comida de franchise healthy, grumosos e sensaborões e com cheiro a frigorífico. Acompanham frango em molho teriyaki, curgete, beringela, mas são os óptimos pistáchios que fazem brilhar tudo. A compor o trio saladino da prova, legumes grelhados com
 ras el hanout, espécie de caril do magrebe que alguns chefs andam a usar como se fosse sal, composto por uma dúzia de especiarias, entre as quais cravinho, sementes de coentros, malagueta, cominhos e açafrão.

Fora da categoria das 
saladas, mas continuando nos pratos frios, ainda se testou o tártaro de novilho com maçã
 – notável, ainda para mais porque acompanhado de um extraordinário copo de vinho branco biológicoda Quinta do Romeu. A carne sem vestígios de gordura, finamente picada à faca, pedacinhos minúsculos de maçã e avelãs, outra vez os frutos secos a atirarem o prato para outra dimensão. A acompanhar, espuma de aipo e maçã – a cumprir a função de nos recolocar na horta e fazer esquecer o pecado da carne vermelha, no fundo 
o bem a conviver com o mal, representação gastronómica da vida de tantos de nós.

A terminar, só porque o empregado arregalou os olhos como um miúdo perante um saco de gomas enquanto falava do assunto, o magret de pato
com arroz malandrinho, prato
de substância, minicubinhos de chouriço e queijo da Ilha por cima dos bagos a nadar num cremoso de cogumelos shitake. Tudo isto acontece num espaço muito bonito, com mesas de mármore branco e alguns pormenores
já vistos nos restaurantes da Multifood (Honorato, Alma, ZeroZero, Tapisco...). A empresa comprou a marca há uns
anos mas segurou a filosofia fundadora, a saber: ter um espaço de produtos de qualidade de
todo o mundo, que é também uma garrafeira viajada, onde há comida leve para pessoas leves.

Nesta loja da Avenida, o restaurante vale mais do que a mercearia, não só pela dimensão como também pela cozinha, aqui idealizada pelo muito sólido chef Luís Gaspar, da Sala de Corte.

Chegados aqui, tínhamos matéria para andar perto das cinco estrelas. Qual é o problema? O problema é que o mundo pode ser um sítio injusto para pessoas que adoram comer bem mas não são turistas endinheirados nem portugueses ricos. Um almoço normal neste Delidelux, para
duas pessoas, pode não ficar em 70 euros, como foi o caso, mas dificilmente anda abaixo dos 50, 60 — o que, mesmo admitindo a excelente qualidade da comida, é demasiado. Lembrar que estamos num restaurante-mercearia, onde há pessoas a entrar e a sair com queijos na mão e saladas para levar (existe uma vitrina de grab and go).

Provavelmente, as contas da Multifood estão bem feitas e o valor obedece à aritmética da restauração. O problema são as rendas e o preço da comida e a Madonna e o mundo.

O problema somos nós,
todos os que não são ricos ou empregados de mesa.

*As críticas da Time Out dizem respeito a uma ou mais visitas feitas pelos críticos da revista, de forma anónima, à data de publicação em papel. Não nos responsabilizamos nem actualizamos informações relativas a alterações de chef, carta ou espaço. Foi assim que aconteceu.

Por Alfredo Lacerda

Publicado:

Nome do local Delidelux (Avenida)
Contato
Endereço Rua Alexandre Herculano, 15A
Lisboa
1250-008
Horário Seg-Sex 08.00-23.00. Sáb-Dom 09.00-23.00.
Preço Até 30€
É o proprietário deste estabelecimento?
Static map showing venue location

Average User Rating

3.3 / 5

Rating Breakdown

  • 5 star:0
  • 4 star:2
  • 3 star:0
  • 2 star:1
  • 1 star:0
LiveReviews|3
1 person listening
tastemaker

Sábado é dia de brunch e, por isso, nada melhor do que ir experimentar o novo Delidelux na zona da Avenida da Liberdade. À semelhança do espaço original em Santa Apolónia, também este conta com uma mercearia, ainda que bem mais pequena. Moderno e trendy, um primeiro aspecto menos positivo: ficámos numa mesa demasiado pequena, o que complicou um bocadinho a logística da refeição. Mas passando ao que interessa, a comida. Dentro dos três menus disponíveis, escolhemos o mais completo com pães e queijos variados, croissant, manteiga, fiambre, doce de abóbora, uma bebida quente e outra fria e, no final, as estrelas: ovos benedict. Comendo tudo isto, é impossível sair com fome (além de que tudo o que comemos, estava efectivamente muito bom)! Atendimento sem falhas e serviço rápido!


Adorei o brunch. Ficamos super satisfeitos e a comida é de extrema qualidade. Não é fácil encontrar produtos com tanta qualidade.

Tastemaker

Conheço o Delidelux há alguns meses e tive sempre experiências boas. O espaço é incrível e o atendimento razoável. No entanto, não achei o Brunch fantástico. Além de uns croissants e sumo natural, não havia muita variedade.